Ter um bom perfil no LinkedIn requer diversos cuidados. Confira aqui algumas dicas de como montar um perfil de sucesso na rede social.

Ter um perfil no LinkedIn é quase que obrigatório, pois as redes sociais unem as pessoas e o LinkedIn une os profissionais e as empresas. A cada dia que passa cada vez mais empresas estão recorrendo ao LinkedIn na hora de contratar, por isso, é bom que você tenha um bom perfil, pois assim como antes era fundamental ter um bom currículo para ter maiores chances de conseguir um emprego, atualmente é indispensável que se tenha um bom perfil no LinkedIn.

A dica número 1 é ter uma boa foto no seu perfil. Lembra que no currículo a regra é nunca inserir foto? No LinkedIn é justamente o contrário, ter uma foto é obrigatório para garantir um bom perfil, mas cuidado, nada de inserir selfie ou fotos em momentos de descontração. Tire uma foto mais séria, mais profissional, sem exageros claro, mas também, que não seja em um momento de diversão.

Outra dica para garantir um bom perfil no LinkedIn é caprichar nas informações sobre sua vida profissional. Nada de ficar com preguiça nesta hora, pois quanto mais detalhado for o seu perfil, maiores serão as chances das empresas lhe encontrarem.

O ideal é que se reserve um bom tempo para trabalhar no seu perfil do LinkedIn, inserindo as informações profissionais, fotos e se tiver, até vídeos, pois o LinkedIn não é apenas uma página de currículos, mas também é um espaço de possibilidades e disponibiliza uma série de ferramentas, então saiba utilizá-las a seu favor.

Uma outra dica muito importante e que você deve prestar muita atenção é na hora de inserir suas informações profissionais relacionadas às empresas onde já trabalhou. Não faça como no currículo, onde você simplesmente descreve o trabalho executado.

No LinkedIn, o interessante nesta hora é você informar os resultados obtidos, mostrar que você fez diferença naquela empresa e todos os benefícios que você levou para o seu ambiente de trabalho.

No LinkedIn também é muito bom que se inclua informações sobre serviços voluntários ou causas sociais nas quais você atuou. Se você ainda não realizou nenhum trabalho neste sentido, é bom começar a pensar nesta hipótese, pois é uma forma de garantir conteúdo de qualidade ao seu perfil no Linkedin, pois não adianta ficar enchendo-o de informações que em nada acrescentam. As empresas acessam o seu perfil para saber se você é uma pessoa que gera resultados!

E esqueça aquela velha mania das outras redes sociais, de ficar adicionando contatos de forma aleatória, foque em qualidade e não na quantidade, pois no LinkedIn, mais vale ter poucos contatos que sejam realmente interessantes, do que ter uma lista enorme que nada tem a ver com você.

Por Russel


Pesquisa do LinkedIn revela que Salário é o principal fator analisado pelos trabalhadores que querem mudar de emprego.

Na hora de mudar de emprego, o principal item avaliado pelos profissionais é o Salário, pelo menos é isso o que revela a Pesquisa de Tendências e Talentos realizada pela rede social LinkedIn.

Segundo a pesquisa, 49% dos entrevistados brasileiros responderam que a remuneração é o principal motivo que os levariam a trocar de emprego. Já em segundo lugar com 43%, ficou o desenvolvimento profissional. Outro motivo bastante citado na hora de trocar de emprego foi as oportunidades de avanço na carreira, com 41%.

Não bastasse isso, a pesquisa também revelou que grande parte dos brasileiros é apena candidato passivo, ou seja, não está procurando emprego, mas aceitariam conversar com os recrutadores para obter mais detalhes sobre as oportunidades. Neste quesito o número de brasileiros é bem maior do que o Mundial. No Brasil a pesquisa registrou 77%, contra 70% no resto do mundo.

A pesquisa também abordou a questão salarial. Cerca de 60% dos profissionais responderam que confiam no próprio discernimento para determinar um salário justo. Já outros 40% definem o salário de acordo com o cargo anterior.

Outro dado interessante é que boa parte dos brasileiros, para ser mais exato 55%, conta com a ajuda de colegas e amigos para encontrar novas vagas de emprego.

A utilização da internet para buscar emprego também é grande aqui no Brasil. Pela pesquisa, 63% dos entrevistados disseram que utilizam as redes sociais para procurar emprego. Neste quesito o Brasil só perde para Espanha (70%), Chile (68%) e Cingapura (63%). Já o número de entrevistados que acessa sites de emprego chega a 59%.

Com relação à hora da entrevista, a maioria disse que se sente inseguro com relação à vaga e a empresa. Apesar disso, boa parte dos entrevistados (87%) informou que pode mudar de opinião sobre o cargo ou empresa após ter realizado a entrevista. Os brasileiros também consideram a hora da entrevista como algum fundamental e que pode contribuir para a sua decisão de se juntar ou não a empresa.

Outra coisa constatada na pesquisa é que quase todos os brasileiros (94% no total) deseja receber um feedback da empresa sobre a entrevista.

Boa parte dos entrevistados (cerca de 90%) também afirmou que um contato direto do futuro gerente ou do recrutador pode fazer com que ele decida aceitar a oferta de trabalho mais rapidamente.

Por fim, a pesquisa também revelou que os meios mais utilizados pelos brasileiros para aumentar as chances de encontrar uma vaga de emprego são: Atualização do Currículo, Atividades de Desenvolvimento Profissional (como realizar um curso para aprender uma nova função) e Atividades de Networking.

Segundo o LinkedIn, esta pesquisa contou com mais de 20 mil entrevistados em 29 países. Deste total 660 eram brasileiros.





CONTINUE NAVEGANDO: