Fim da quarentena estimulará manutenção do trabalho home office

Categorias: Home Office - Mercado de Trabalho - Pandemia

O período de quarentena foi estendido em quase todas as nações, porém, não passará do fim deste ano. Entretanto, muitas adaptações foram necessárias durante esse meio tempo, sobretudo no que tange às profissões. De certo modo, foram perpetradas algumas inovações que poderão ser aplicadas, de modo positivo e econômico, depois da pandemia, com relação ao trabalho em casa.



Alguns especialistas estão prevendo o incentivo à manutenção do trabalho em modalidade Home Office.

Antes de iniciar, é importante definir o que é o trabalho em casa:

O Home Office consiste no escritório instalado no lar. Deste modo, é possível atuar em trabalho Home Office por meio de três tipos de condições de contrato: ser um colaborador de alguma companhia, cuja presença no ambiente laboral não seja necessária; ser um profissional de tipo freelancer, ou ser um empreendedor de empresa tipo Home Based.



Assim, especialistas na área trabalhista estão prevendo que a vida profissional no pós-pandemia se deparará com menos escritórios e mais medidas de segurança. Portanto, se trata de intensificar e até mesmo padronizar o trabalho em Home Office. Grandes organizações estão dando sinais claros de aderir a essa pauta, ente elas: a Ambev; a Johnson & Johnson; a Stefanini e a TopDesk.

Alguns gestores de empresas confirmaram que os colaboradores tendem a ser muito mais produtivos atuando via remota, diante do processo de isolamento imposto, e essa experiência está produzindo alguns resultados notáveis, em termos de eficiência e cumprimento de metas. Talvez, segundo alguns, a diminuição do estresse de deslocamento até o trabalho tenha contribuído não só pela melhor qualidade na prestação de serviço, mas, também, no bem estar do trabalhador.

Um exemplo é claro: a multinacional Johnson & Johnson está mantendo até 70% de seus colaboradores em casa, neste caso, em torno de 6.500 profissionais. O retorno está sendo interessante.

Gestores da Ambev empreenderam uma pesquisa estatística entre seus colaboradores e 5% desejam manter o serviço em modalidade totalmente remota; outros 5% desejam o retorno à normalidade presencial e 90% estão de acordo com uma solução de tipo híbrida, ou seja, entre a atuação presencial e a remota, com forme a necessidade. Esse equilíbrio pode gerar, de fato, uma renovação e um salto de qualidade nos empregos. As pessoas podem trabalhar em casa e cuidar de outras tarefas ao mesmo tempo, e isso pode gerar mais disposição que, por conseguinte, garante melhor empenho.

Essa manutenção sobre a modalidade Home Office poderá ser muito vantajosa em sentido econômico, também. Outra questão que é necessário deixar clara: mesmo que o padrão Home Office se efetive, nenhuma empresa, de modo algum, anulará o contato físico.

A meta poderá ser a de estabelecer, pelo menos, três modelos de trabalho em casa:

A – O chamado Home Office total;

B – O chamado Home Office Parcial;

C – O Flextime, ou horários flexíveis entre o início e o fim do expediente.

Observação: Não se trata de absolutizar o Home Office, mas, de incluir essa modalidade quando necessário, já que determinados cargos são impossíveis de ser exercidos no lar.

Esses três padrões são claros. Mas, tudo isso segue sendo estudado e ainda existe muito o que fazer para se estabelecer essa estrutura mais diversificada. A meta está em elaborar e aplicar modelos inclusivos, que atendam aos diferentes perfis profissionais de colaboradores nas mais diversas empresas e, também, atender aos variados perfis de clientes.

Uma das vantagens está na possibilidade de profissionais em qualquer região do Brasil atuarem em determinada companhia, conforme o cargo a ser exercido. Ou, se a empresa não possuir uma unidade na cidade onde o colaborador atue de forma remota.

É claro que todo esse processo de adaptação e manutenção de Home Office vai exigir, também, uma readequação sobre os benefícios, dado que muitos deixarão de ser necessários, por exemplo, vale-transporte. Outros benefícios poderão e deverão ser adaptados.

Esse pode ser o futuro dos empregos em todo o mundo. Vale a pena meditar mais a respeito.



Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *