Saber negociar é uma das habilidades mais valorizadas no mercado de trabalho, isso porque negociar significa saber se relacionar e saber convencer, ou seja, ser assertivo

Você sabe quais são os tipos mais importantes de negociação? E o quanto é importante saber negociar hoje em dia? O poder de saber negociar é uma das habilidades mais valorizadas no mercado de trabalho hoje em dia, isso porque negociar significa saber se relacionar e saber convencer, ser assertivo. Dessa forma, tal habilidade é o objetivo de muitos, mas para conseguir desenvolvê-la, você precisa conhecer suas técnicas e quais são seus principais tipos.

O resultado que você busca para a sua negociação é vencer um certo debate, para isso acontecer, você precisa passar por todo o processo, o que demanda tempo e habilidade de saber lidar com a outra pessoa. Uma dica importante para obter um resultado positivo é ter o máximo de informação possível sobre o que está sendo negociado e sobre as ideias do seu cliente ou sócio que está negociando com você.

Profissionais que detêm a habilidade de negociar devem ser pacientes, a maioria dos resultados das negociações surge apenas nos últimos 20% do tempo, isso significa que paciência é uma virtude necessária para quem deseja ser um bom negociador. É importante lembrar que resultados rápidos podem surgir, acontece de vez em quando, mas geralmente, os resultados atingidos de forma muito rápida não são os melhores.

Você pode acabar tendo que ceder às vezes, é um tipo de negociação vista como um investimento, quando você faz um negócio que no momento que é fechado você não vê lucro nenhum e só vai ver depois de um certo tempo. Esse tipo de negociação é perigoso e é preciso saber o que está fazendo.

Não confunda isso com más negociações, quem não domina certas habilidades pode acabar tendo apenas prejuízos para sua empresa ou para si na hora de negociar.

Não é à toa que a habilidade de negociar é tão desejada no mercado, existem muitos que não conseguem bons resultados por falta de conhecimento na área e um bom profissional com essa habilidade pode se destacar cada vez mais no mercado de trabalho. 

Por Tom Vitor de Freitas


Ser persuasivo e tático é ideal no momento da negociação.

Ser um bom negociador requer uma série de requisitos, há quem mencione que se trata de uma espécie de “dom”, mas os especialistas e consultores da área destacam que com preparo é possível dominar muito bem a habilidade. Eduardo Ferraz, autor do livro “Negocie Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa”, em conteúdo publicado pela revista “Exame”, destaca que mesmo as pessoas que atuam em vendas possuem pouco treinamento na área de negociação.

Ferraz também afirma que a “aversão a conflitos” é outro fator que contribui para a dificuldade nas negociações. Na opinião do especialista, o brasileiro, culturalmente, não gosta de entrar em impasses e conflitos, entretanto, algumas negociações “delicadas” exigem enfrentamentos e discussão.

Outro motivo apontado é o receio que as pessoas têm de passarem a imagem de egoístas ao defender seus interesses. Por último, Ferraz destaca que a falta de conteúdo e informação mais simples, voltado a práticas diárias, também contribui para as dificuldades que os indivíduos no Brasil possuem, quanto aos processos de negociação. Para ele, quando as pessoas entendem melhor os procedimentos e como funciona a dinâmica, as negociações se tornam bem-sucedidas.

Angela Abdo, especialista em RH e comentarista da rádio CBN, afirma que um bom negociador, além de ter bons argumentos, precisa também manter uma boa relação com o cliente, entender as demandas. Abdo destaca a importância em ser “persuasivo e tático, na hora da negociação”, táticas consideradas obrigatórias em meio aos procedimentos, de maneira geral. A especialista menciona sobre a necessidade de “desenhar o acordo” e estabelecer o que se pretende, com intuito de estabelecer uma boa negociação entre as partes envolvidas.

Abdo enfatiza também que uma negociação ideal não depende apenas do que é decidido “na mesa”, mas implica em fatores anteriores, desde o histórico e tudo o que foi feito pelo negociador (em geral, as pessoas buscarão por referências quanto aos trabalhos realizados).  Outras questões são válidas como: ter boas relações com outras empresas em negociações passadas e obter conhecimento sobre com quem se pretende negociar no momento e quais as demandas da pessoa ou empresa.

Por Letícia Veloso


No dia 11 de maio – terça-feira – a partir das 18h50 às 20h30, na sede do Conselho Regional de Administração de São Paulo (CRA-SP), acontecerá a palestra gratuita “Negociação: Mais adiante da racionalidade”.

A professora de Negociações Econômicas Internacionais da Universidade Estadual Paulista, Universidade Estadual de Campinas e da Pontície Universidade Católica de São Paulo – Mônica Simionato – ministrará a palestra.

O tema a ser abordado na palestra falará da importância das variáveis nas negociações e resoluções de conflitos. Para explicar tais fatores, ela explanará sobre percepção, emoção e counicação que podem fugir do controle do processo.

Mais informações através do e-mail: [email protected] e do telefone: (11) 3087.3200

Por Rafael TOTP





CONTINUE NAVEGANDO: