Confira aqui algumas dicas importantes para analisar quando estiver pensando em mudar de emprego.

Com a situação econômica do país instável, um clima de insegurança invade a vida profissional dos brasileiros. Mudar de ramo, cargo ou carreira, parece um tanto quanto delicado considerando o cenário atual. Por isso, os brasileiros estão cada vez mais receosos quando pensam em alterar o que está seguro, para que não hajam arrependimentos futuramente.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 12,3 milhões de brasileiros terminaram o ano de 2016 desempregados. Diante dessa estatística fica a dúvida: será que esse é um bom momento para mudar de emprego? O que se deve considerar? Especialistas afirmam que objetivos, plano de carreira e mudança de área ou emprego podem influenciar na sua vida pessoal, considerando a condição econômica em que o país se encontra.

Segundo especialistas, o movimento do mercado de trabalho já é maior no início de 2017, em relação ao ano passado, por conta das vagas que ficaram retidas no ano passado e começaram a surgir com a chegada do novo ano, mas alertam que nem sempre vale a pena mudar de emprego. Confira as 5 dicas dos especialistas para pensar certo a sua possível mudança de emprego:

1 – Pensar o possível plano de carreira

É unânime entre os estudiosos que é necessário avaliar quais benefícios a mudança de área ou emprego trará a longo prazo. Pode ser que a mudança, de imediato, seja vantajosa, mas não podemos nos esquecer do futuro e do que essa mudança nos reservará.

2 – Detectar a sua motivação

Antes de efetuar qualquer mudança, é preciso que você saiba exatamente o que está te levando a isso. Por que você quer mudar e por que isso será a melhor opção? Entre os fatores que podem valer a pena observar quando alguém pensa em mudar de emprego estão: perspectiva de futuro, objetivo profissional, aprendizado e crescimento, remuneração, localização, entre outros.

3 – Vagas retidas devem se apresentar

O ano de 2016 foi muito conturbado no cenário político e econômico. Portanto, algumas empresas acabaram por adiar projetos. Sendo assim, oportunidades surgirão em 2017.

4 – Identificação com a empresa

Claro que a remuneração conta muito na hora de escolher um emprego, mas nem sempre dinheiro é o fator de principal motivação. É importante avaliar se ocorre uma identificação com a cultura da empresa.

5 – Oportunidades de desenvolvimento dentro da empresa

É importante pensar qual é a condição da empresa diante do mercado e se ela tem condições de desenvolver seus talentos e te prover as ferramentas necessárias para realizar suas funções e crescer em seu posto.

Carolina B.


Uma consultoria especializada em conferir parâmetros sobre o sistema empregatício de países afirmou que a população brasileira tem aproveitado com mais afinco o surgimento de oportunidades de emprego mais rentáveis – não somente no âmbito salarial.

A pesquisa revela, por exemplo, que dos empregados do país que atuam em cargo de médio e grande porte, por assim dizer, 11% mudaram de emprego em 2009. Seguido do Brasil aparece a França, com 10%, depois a Itália, com 7%, e por “último” a Alemanha, com apenas 5% dos que apresentaram a mesma iniciativa.

Também no levantamento, a consultoria indicou que existe uma nova tendência para os próximos anos. Se tudo acontecer futuramente como tem ocorrido na atualidade, poderão faltar profissionais qualificados para ocupar determinadas funções e, embora seja algo relativamente negativista, pode favorecer aos que obtém destaque onde atuam, permitindo, inclusive, melhores oportunidades internas e maior ganho salarial.

Confira mias informações sobre o assunto na reportagem do Jornal da Globo:

Por Luiz Felipe T. Erdei





CONTINUE NAVEGANDO: