Mudar de cidade por um emprego



  

É importante saber como e o que analisar se vale a pena mudar de cidade por uma proposta de emprego.

Você há de convir que não é todo dia que surge aquela oportunidade de emprego pela qual já vinha há um bom tempo esperando. E também não é todo dia que você vai precisar escolher mudar de cidade para essa oportunidade se concretizar. Mas esporadicamente essa possibilidade existe e, antes de você agarrá-la com toda sua força, o que precisa ser avaliado? Vale mesmo à pena mudar de cidade para aceitar uma proposta empregatícia atraente?

Essa situação tem dois lados: um é bem mais confortável; o outro é relativamente lamentável. Confortável se o profissional estiver aceitando uma proposta que o faça sair de sua cidade pequena e pouco desenvolvida para uma grande cidade, onde inclusive a primeira proposta pode até acabar sendo o começo de uma história de um sucesso ainda maior. Lamentável, se o profissional tiver que fazer o percurso oposto: ele sai de sua grande cidade, onde ganhava até pouco, mas tinha plano de saúde com cobertura boa, atrativos comerciais e de lazer, transportes e educação com maior comodidade, para uma pequena cidade, a exemplo daquelas bem remotas do interior do Brasil, onde o único percurso possível é do trabalho para casa, já que não há outros atrativos e que tudo depende de se deslocar para uma outra cidade.

Para os confortavelmente situados de hoje, não teríamos nada a acrescentar. Porém, para os demais, deve-se considerar atentamente alguns aspectos.

Uma primeira situação é a do profissional recém-formado, que mora numa cidade grande, onde o mercado de trabalho está saturado, como geralmente tem acontecido. Para esse perfil, procurar oportunidades fora do local de origem é um bom negócio, independente se a escolha for para uma outra cidade mais desenvolvida ou menos. Isso tem acontecido com muitos concurseiros, que têm optado por fazer concursos em regiões onde a atratividade é menor, diminuindo a concorrência “candidato x vaga”. Isso tem acontecido com alguns profissionais liberais recém saídos das universidades, que renunciam por um tempo os atrativos dos grandes centros e acabam encontrando mais espaço para desenvolver suas habilidades em locais onde é menor a oferta de mão de obra.



Uma outra situação envolve aqueles trabalhadores que possuem família. Aqui, o assunto precisa ser bem conversado e com uma boa antecedência. Os especialistas recomendam, por exemplo, que tais profissionais visitem com suas famílias a cidade para onde pretendam residir a trabalho. Sabemos que uma primeira impressão pode contribuir para o fechamento da decisão a ser tomada. Avalie o que puder no local: escolas, serviços de saúde, órgãos públicos e o que mais chamar a atenção, capaz de fazer falta durante a transição (há igrejas, clubes, hoteis, bares, teatro, casas de espetáculos, etc?).

Um terceiro e último aspecto que precisa ser considerado é o seguinte (e tem tudo a ver com dinheiro): se o profissional está tentado a aceitar o futuro novo emprego é porque julgou que será bem pago, se comparado ao valor que atualmente está recebendo no emprego que já tem. Mas aí é que pode morar o perigo. Esse profissional terá que ter o bom senso de avaliar (no papel ou na planilha financeira, de preferência) se valerá mesmo à pena se mudar, ou seja, será que na cidade para onde vai há uma boa cobertura para o meu plano de saúde? Será que, subtraindo o aluguel, as despesas domésticas, o custo de vida no local e as necessidades de descolamento para os grandes centros, ainda sobrará uma boa quantia, capaz de fazer esse profissional concluir que o retorno esperado realmente acontecerá?

Pense em tudo isso e tome a decisão certa!

Sucesso!

Por Alberto Vicente



Post Comment