Iniciativa por parte das empresas visa manter funcionários em condições de trabalho, prevenindo a proliferação da doença.

Muitas empresas têm seguido o exemplo da cidade de Serra, no Espírito Santo, que liberou vacinas contra febre amarela para empresas que tenham porte acima de 100 funcionários.

Segundo a liberação, as empresas devem ter técnicos de imunização trabalhando na aplicação de vacinas, sendo assim, funcionários devidamente treinados pelo Ministério da Saúde da cidade prometem vacinar 15 mil funcionários.

Além de reduzir as filas nos postos de saúde, essa medida colabora para a melhoria do atendimento às pessoas que não dispõe de equipe própria de saúde no local onde trabalham. Em parceria com o serviço público, essa empresa especializada contratada têm imunizado trabalhadores das empresas que possuem mais de 100 funcionários, garantindo a ausência da febre amarela nos colaboradores.

A febre amarela é uma doença infecciosa, transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti. A doença pode não manifestar sintomas ou realizar manifestações fracas, nos fazendo pensar que é um mal estar passageiro, entretanto é necessário atentar-se aos seguintes sintomas, caso durem o período de três dias: cansaço, vômitos, náuseas, dor de cabeça, dores musculares, calafrios e febre alta. Em casos mais graves, é possível que ocorra insuficiência renal e hepática, cansaço profundo e manifestações hemorrágicas, além de icterícia, que é caracterizada pela coloração amarela na pele e nos olhos.

A febre amarela é tratada através de reposição de fluídos corporais, isto é, por conta da perda de líquidos, é preciso injetar esses líquidos no corpo. Esse processo se dá, inicialmente, via intravenosa e posteriormente através de ingestão oral. Por conta da doença causar diarréia e vômitos, é comum que a pessoa infectada precise afastar-se de suas atividades profissionais para o tratamento.

Caso nunca tenha tomado a vacina que previne a febre amarela, você deve procurar a equipe médica do seu trabalho ou o posto de saúde mais próximo de você para tomar a vacina, que é totalmente gratuita.

A melhor forma de combater uma doença é prevenindo-se, portanto, tome a vacina e fique de olho para não colaborar com a proliferação do mosquito em sua comunidade.

Por Carolina B.


Saiba como se portar em ambiente corporativo. Confira as dicas para ter uma boa imagem no seu local de trabalho.

A primeira impressão é a que fica. Esse fato é comprovado por especialistas e também cientificamente. A sua imagem, apesar de não ser tudo que você tem para passar, é a porta de entrada, a primeira coisa que alguém, seja seu chefe ou seu cliente, vai reparar em você. Portanto, é importante estar atento ao que o seu visual está dizendo, qual imagem a sua aparência está passando e caso isso não coincida com o que você deseja apresentar, é hora de realizar uma mudança, a fim de transmitir uma boa imagem em seu local de trabalho. Lembrando que essa imagem ou impressão não diz respeito apenas à sua aparência física, mas também à sua postura. Preparamos algumas dicas para que você preste mais atenção e acerte ao demonstrar o que deseja.

– Seja pontual

A pontualidade mostra que você é responsável. Quando avaliado por um superior, isso conta muito, uma vez que você é pontual, é possível que seja visto o seu nível de comprometimento com a empresa.

– Proatividade

Estar sempre interessado é importante. Estar antenado em tudo que acontece e tentar ajudar, na medida do possível, mostra que você está envolvido com tudo que acontece. Procure aprender e dividir conhecimentos com seus colegas, para que assim contribua com a empresa.

– Flexibilidade

Mesmo que determinada tarefa não seja da sua competência, mostrar-se apto para realizá-la pode te fazer ganhar alguns pontos. É essencial ser flexível a novidades e inovações, a fim de demonstrar a capacidade de se adaptar a novas situações. Lembre-se que um bom funcionário é aquele que está preparado para agir em qualquer situação.

– Cuidado com a aparência

Antes de tudo, é importante que você se sinta confortável. Quando você achar o que não te deixa se sentindo mal, é bom investir no cuidado. Estar com roupas limpas e bem passadas é importante, pois mostra que você se preparou para ir trabalhar, além de te deixar apresentável diante de um cliente. Claro que provavelmente sua roupa não influenciará na sua capacidade e desempenho em sua função, mas a maioria das pessoas olham com maus olhos pessoas mal arrumadas, portanto atente-se a parecer sempre limpo e alinhado.

Por Carolina B.


Com o Atestado Médico o profissional pode justificar suas faltas por motivo de doenças em seu trabalho.

O profissional tem no atestado médico um documento que poderá justificar suas faltas por motivo de doenças e é um direito dos trabalhadores. Porém, é algo que também gera muitas dúvidas para os mesmos.

Faltas por doença:

Quando o profissional falta por motivo de saúde, o artigo 6° (letra F) da lei 605-49, aponta que, caso o trabalhador ateste a sua falta devido a alguma doença, o mesmo não vai perder o seu salário e também o Descanso Semanal Remunerado.

Atestados de médicos particulares, convênios ou SUS:

Para o abono de horas ou faltas, as empresas contam com uma preferência, que não é obrigatória, para que as horas ou os dias afastados fiquem abonados. Primeiramente temos os atestados feitos por médicos de serviços próprios ou aqueles mantidos pela empresa. Depois, aparecem os serviços que são mantidos pelos sindicatos; rede pública; médicos particulares do profissional; e o atestado feito pelo perito do INSS.

Consultas de Rotina:

Nesse tipo de consulta não demanda maior urgência e imprevisão. Com isso, o profissional deve optar por um horário que seja compatível com seu trabalho. Mesmo assim, o artigo 6° (letra F) da lei 605-49 não distingue e o atestado não poderá ser recusado.

A recusa da empresa por algum atestado:

A empresa só vai poder recusar o atestado, não pagando a remuneração, caso seja comprovado por uma junta médica que o profissional estava apto para a sua função.

Quando a empresa recebe o atestado médico e mesmo assim desconta as horas e/ou dias trabalhados, é uma situação ilegal. Para se precaver de casos onde não há embasamento legal da empresa, é aconselhável que o profissional sempre tenha uma cópia do atestado para que seja possível reclamar com o Sindicato da sua categoria.

Se o profissional começa a faltar de maneira repetida (mais de 15 dias) e apresente atestados, a empresa poderá encaminhar o trabalhador para o INSS, uma vez que temos a bilateralidade que aponta para o desempenho das suas funções na organização para que receba o salário.

Trabalhador que cuida dos filhos doentes ou outros parentes enfermos:

Não se pode amparar legalmente esses casos e atestar para que suas horas ou dias não sejam descontados. Muitas empresas podem entender esse ponto do trabalhador e não descontar, uma vez que as situações podem ser graves.

Atestados falsos:

Se a empresa suspeitar que aconteça alguma fraude no atestado, a mesma pode solicitar para maiores esclarecimentos. O atestado falso é crime previsto nos artigos 297 e 305 do Código Penal. Uma vez constatada a falsificação pode acarretar na demissão com justa causa. 


No momento de crise econômica e política, pela qual o Brasil está passando, algumas profissões se destacam e aumentam a demanda neste ano.

O assunto do momento é a crise econômica e política no Brasil. Tanto que 2016 já começou com especulações sobre o índice de desemprego, que de acordo com analistas, tende a aumentar durante o ano.

Sabemos, inclusive, que a crise atinge o mercado de um modo geral, fazendo com que grandes empresas cortem gastos e até funcionários, desde o operário ao executivo.

De acordo com dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), até o mês de novembro de 2015 mais de 945.363 cargos efetivos e com registro em carteira foram cortados.

O que esperar diante deste cenário imprevisível?

É preciso, antes do mais nada, realizar uma análise apurada do mercado de trabalho no momento para saber quais cargos estão em alta ou em baixa, além de estar por dentro das exigências de cada área.

Veja algumas das principais profissões que terão mais contratações em 2016, mesmo no momento da crise:

1. Coordenador/Gerente de Infraestrutura: área específica de Sistemas ou Ciências da Informação. Profissional responsável por suporte, TI e data center. Motivo da alta demanda de contratação: as empresas dependem de infraestrutura de TI para um bom funcionamento operacional. O objetivo principal é custos e eficiência.

2. Coordenador/Gerente de plataformas web/mobile: atua com Groovy, Java e desenvolvimento de aplicativos Android e IOS. Motivo da alta demanda de contratação: A necessidade do mercado se voltar cada vez mais para a tecnologia, especialmente empresas que utilizam de plataformas de e-commerce.

3. Gerente da área tributária: profissional de Ciências Contábeis ou Direito Tributário, que possuem um nível intermediário de inglês. Motivo da alta demanda de contratação: necessidade de acompanhar impostos e aumento de inflação, além de uma área que está sendo muito sondada por empresas privadas.

4. Controller: profissional que atua na área de Economia, Ciências Contábeis ou até Administração. Motivo da alta demanda de contratação: as empresas precisam desse profissional para acompanhar e controlar as oscilações de mercado e da economia.

5. Gerente da área de tesouraria e operações: profissional de Economia, Ciências Contábeis, Engenharia ou Administração. Motivo da alta demanda de contratação: profissional que pode ajudar a melhorar o relacionamento comercial de negócios internacionais.

6. Head Jurídico (Departamento): liderança de equipe, consultor e assessor de toda a parte jurídica da empresa. Motivo da alta demanda de contratação: quando as empresas cortam gastos com funcionários de cargos altos, por exemplo, provavelmente vão optar por profissionais com mais bagagem e menos experiência para uma área específica. Um "Head" (cabeça, em inglês), pode ser responsável por um dos setores mais caros para as empresas só pelo fato de ter conhecimento: o jurídico. Além de gerenciar projetos e liderar equipes.

7. Gerente de volume (contencioso): profissional administrativo-financeiro capaz de gerenciar grandes volumes de projetos e processos em geral, avaliar riscos e definir estratégias. Motivo da alta demanda de contratação: devido à crise, muitas empresas acumulam processos devido ao aumento de rescisões e demissões que vem ocorrendo. Por esse motivo, as empresas se voltam para esses profissionais, que atuam de forma híbrida, entre a área cível e trabalhista.

Por Daniela Almeida da Silva


É preciso buscar superar e encontrar razões para vencer o medo na vida profissional.

Todos nós sentimos medo, certo? Seja de perder o emprego, não alcançar um objetivo, não conseguir realizar uma boa apresentação, entre outros.

O medo pode ser considerado um sentimento paralisante, por isso, o profissional deve buscar superá-lo e encontrar as razões para vencê-lo.

Que tal entrar em 2016 sem medo?

Encare o ano novo como uma oportunidade de mudança, para ser quem você deseja na vida profissional. O medo é um sentimento limitante, que atrapalha os seus planos e impede de conseguir o que você deseja, mesmo que sejam coisas simples. Portanto, é essencial ter muita fé na vida, força de vontade e garra, para conseguir alcançar os sonhos e superar sentimentos negativos como medo, ansiedade ou tensão.

Que tal fazer uma reflexão simples? Relembre o seu último objetivo alcançado? Você ligou para as opiniões negativas das pessoas e dos seus amigos? Não, certo? Ou seja, você focou todo o seu esforço no seu sonho e não se deixou intimidar pela opinião dos outros, e no fim conseguiu. Assim, superou o seu medo de fracassar e não desistiu, persistiu. Esta é a principal diferença entre os vencedores e perdedores. Em que grupo se encontra?

Use a sua coragem interior para vencer os obstáculos e encontrar a força que precisa. O medo é um sentimento gerado pela insegurança, falta de confiança em si mesmo e a crença de que não é possível dar certo. Desta forma, ele limita e bloqueia a sua vida.

Uma das formas de superar este sentimento é buscar o autoconhecimento, tentar entender como funciona o seu sistema interno e procurar lidar consigo mesmo. Desta forma, busque planejar e agir para realizar os seus objetivos profissionais, se conheça e tenha disciplina e muita força própria para superar as suas angústias, medos e receios.

Viva 2016 de uma maneira diferente e seja a pessoa que tanto deseja. Um feliz ano novo e muitas conquistas!

Por Babi


O profissional deve saber lidar com o medo da demissão e gerenciar os seus sentimentos.

Você tem medo de demissão? Perde horas do dia preocupando ou ficando imaginando cenários na sua mente? É inevitável o medo da demissão, mas o que faz a diferença é como o profissional lida com isso e gerencia os seus sentimentos. Que tal conferir algumas dicas para se destacar neste período de incertezas?

O medo é gerado pela insegurança, que é comum no ambiente de trabalho. Todos nós temos nossas incertezas e tensões. Além disso, este sentimento reflete a preocupação em manter a carreira e preservar a vida financeira. Desta forma, como lidar com este sentimento? A pessoa pode optar ficar na defensiva e consumindo-se ainda mais pelo medo, ou encarar de frente e procurar se desenvolver ainda mais na carreira. Qual opção você escolhe?

O profissional deve afastar a visão pessimista que tem de si mesmo e aprender a encarar a realidade, para garantir o sucesso profissional, independente do futuro. Uma pessoa que tem a postura de vítima tende a ver o lado negativo de tudo o que acontece e não consegue enxergar ou ter uma postura positiva, para mudar a situação.

Além disso, a pessoa deve focar na atividade que está realizando e procurar dar o melhor de si. Por isso, é fundamental solicitar feedback dos gestores, para conhecer os pontos positivos e negativos de cada situação. Por exemplo, bons profissionais são sempre recrutados para desempenhar projetos e as empresas precisam de bons colaboradores, para ajudar a enfrentar a crise e garantir bons resultados.

Você sente que está no caminho certo? Tem vontade de trabalhar com números, mas está em uma área diferente? O autoconhecimento é fundamental para conhecer as áreas que têm afinidade e desenvolver segurança, o que tende afastar o medo da demissão. Então, procure descobrir o que te move e o que faz os seus olhos brilharem. Encare os desafios com determinação e assuma a responsabilidade do que deseja para si. 

Por Babi


É possível negociar o salário em tempos de crise, mas é preciso saber como fazer essa negociação.

As empresas estão em um momento de diminuir despesas e falar de aumento de salário nesta situação pode parecer complicado, até porque o número de pessoas que estão à procura de emprego só cresce.

O diretor da Paige Personnel, Ricardo Haag, informa que a negociação salarial pode ser realizada a qualquer momento, desde que seja feita de forma bem fundamentada e com considerações justas. É necessário que o profissional avalie se a remuneração está compatível com o mercado e o seu papel na companhia.

Confira abaixo dicas para negociar seu salário em tempos difíceis de crise econômica:

1 – Resultado acima da média: Antes de qualquer atitude é preciso averiguar se o seu desempenho está muito bom e se você está trazendo os resultados esperados pela empresa. O aumento de salário só terá sentido se sua performance estiver acima da média.

2 – Faça mais do que o seu dever: No momento de crise, reduzir os gastos pode ser uma ótima oportunidade de se promover.

3 – Conversa com o chefe: É imprescindível que seu superior apoie seu pedido e, para isso, você precisa demonstrar que é importante para a organização da empresa, além de estar disposto a encarar novos desafios. Antes da conversa, é essencial que o seu discurso esteja preparado com antecedência.

4 – Momento certo: O pedido de aumento de salário ou ainda de promoção deve ser feito no momento adequado, ou seja, quando seu superior estiver com o dia mais tranquilo e não estiver pressionado com o cumprimento das metas e resultados.

Caso a tentativa não dê certo, é importante que você não desanime e continue trabalhando com profissionalismo. Afinal, caso queira continuar atuando na mesma empresa será necessário adaptar-se.

Manter o otimismo e a ética profissional nesses momentos é essencial para que no futuro haja o reconhecimento desejado. Lembre-se: o seu gestor observa suas atitudes e, principalmente, seu engajamento com a instituição, o que ajudará quando o cenário favorável aparecer.

Por Bruna Rocha Rodrigues


O momento pelo qual o Brasil está passando está deixando muitos profissionais sem emprego, mas com algumas dicas é possível se recolocar no mercado de trabalho.

O Brasil vive atualmente uma grave crise econômica. Milhares de postos de trabalho foram fechados, muitas famílias estão vendo suas rendas despencarem, e o horizonte não é nada promissor para uma nova recolocação no mercado de trabalho. Somente em julho deste ano foram mais de 157 mil vagas com carteira assinada fechadas, sendo o quarto mês seguido onde demissões foram maiores que admissões. Cenário que se mantém contínuo até o momento. Mesmo assim algumas admissões estão acontecendo, mas a competição está muito mais acirrada e os salários muito mais baixos. Então como manter o padrão de vida conquistado, as crianças no colégio, o plano de saúde? Separamos aqui algumas dicas de especialistas que o ajudarão a passar por esse momento com menos impacto.

Avalie seu currículo, todos os detalhes, ele está atrativo? Tem muita informação, ou pouca? Quanto maior a concorrência maior o processo seletivo, é importante ter um visual de fácil leitura para que seu currículo passe no primeiro crivo, para que seu currículo seja escolhido para aquela leitura mais detalhada.

Defina estratégias de busca, manter-se ou não na mesma área, pretensão salarial, saber onde se quer chegar ajuda a encontrar o caminho.

A internet é uma ferramenta que mudou completamente o jeito de buscar tanto a vaga quanto os candidatos. Por isso, mantenha seu perfil social atualizado, tome cuidado com opiniões muito polêmicas, e também busque vagas através dos sites de relacionamento. Muitas empresas fazem todo o processo pela internet.

Não panflete seu currículo, selecione as vagas que julga ter o perfil adequado. Se inscrever em todas mostra falta de foco. Além de colocar o candidato em risco, uma vez que ele pode acabar aceitando uma vaga que não é exatamente o que ele busca, e perder uma real oportunidade de sucesso. Por outro lado empregos temporários e freelance podem ajudar bastante, não só financeiramente, mas também no network.

E, por fim, não descuide das finanças, quanto menos difícil ficar a parte financeira mais rápido a vida se estabiliza novamente.

Por Vivian Schetini


Trabalhadores temporários possuem os mesmos benefícios que os efetivos.

Em época de final de ano e nos feriados mais movimentados do país, é cada vez mais comum surgirem vagas temporárias para suprir a demanda do comércio e das indústrias. Os trabalhadores temporários têm uma enorme importância para o país. Só que até agora seus direitos trabalhistas eram mínimos. Realidade que promete mudar.

E a realidade dos contratados neste ano de crise é um pouco diferente da dos outros anos: se antes eles eram contratados para suprir a demanda de funcionários da empresa, agora surgem como uma opção aos empresários, que por causa da crise, tiveram que demitir alguns funcionários e veem na contratação de temporários uma solução mais barata para suprir sua produção. Esse fato fica claro ao analisarmos o número de contratações de temporários, que se manteve igual ao de 2014, mesmo em época de grande desemprego.

Embora tenham seus direitos regidos pela lei 6019/74, alguns direitos não são equiparados com o de trabalhadores efetivos da empresa. Uma das reinvindicações dos funcionários temporários acaba de ser alcançada: agora os funcionários temporários devem estar enquadrados no sindicato dos funcionários permanentes da empresa.

Mesmo que tivessem o mesmo piso salarial, os funcionários temporários não tinham acesso ao mesmo sindicato dos permanentes, que exercem exatamente a mesma função. Após algumas tentativas, o TST julgou que o temporário pertence à mesma categoria do funcionário do corpo permanente da empresa, segundo o que rege o artigo 511, parágrafo 2 da CLT.

Esse é um passo importantíssimo para esses profissionais, já que eles passam a ter vínculo firmado com a empresa em que trabalham, e não somente com a agência de emprego a que se filiaram.

Essa é a primeira decisão proferida pelo TST, que reconhece essa situação de equivalência.

Embora existam muitos benefícios da contratação temporária para o patrão e também para o empregado (possibilidade de efetivação, experiência em carteira), o empresário que optar por contratar para essa atividade precisa respeitar corretamente a lei, para que não configure exploração ilegal. O passo da equiparação da atividade pode ser importante para o funcionário, que poderá recorrer ao sindicato, sempre que se sentir lesado.

Por Patrícia Generoso


Índice aumentou neste ano e registrou que 70% das empresas que estão em atividade no Brasil não apresentam Plano de Carreiras aos seus funcionários.

Por mais incrível que isso pareça, infelizmente, 70% das empresas que estão em atividade no Brasil não apresentam Plano de Carreiras aos seus funcionários, conforme dados analisados e depois expostos diretamente na nova edição da conhecida Pesquisa dos Profissionais Brasileiros.

Essa pesquisa anual é realizada pela Catho e teve um aumento desde a pesquisa que foi informada em 2014, pois no ano passado o valor era de 66,7% e como podemos notar a cada ano que passa acontece um aumento nas perspectivas dos funcionários com relação ao futuro na empresa.

Por que esses dados são tão alarmantes?

De um lado temos as empresas que não conseguem deixar esse ponto bem nítido aos seus funcionários logo que começam as atividades ou até mesmo elas não têm essa preocupação no primeiro momento, e do outro lado temos o próprio funcionário que está tão preocupado com a sua remuneração no final do mês que deixa de questionar as decisões tomadas na empresa, ou em outras palavras não faz nada para ampliar a sua carreira.

Esse não foi o único dado descoberto nessa pesquisa, pois no ano de 2014, 45% dos entrevistados tinham uma ideia ruim ou péssima com relação à perspectiva do seu crescimento profissional, enquanto 42,9% tinham perspectivas boas e 8,7% acreditavam que o seu crescimento está em um nível ótimo ou excelente. Com relação ao ano de 2015 teve um acréscimo de 5%, ou seja, chegou na marca de 50% com relação a ser ruim ou péssima, em 39,3% para boas e 9,2% para ótimo e excelentes perspectivas.

Com tudo isso, podemos notar que mesmo com toda a crise enfrentada no Brasil e no mundo não podemos deixar de acreditar que devemos sempre ter sonhos de progredirmos na nossa vida profissional e pessoal, pois aqueles que ficam “parados no tempo”, não conseguem mudar o mundo ao redor. Com tudo que está acontecendo, o mercado ainda está ativo e precisamos buscar ajuda para nos prepararmos e identificarmos as oportunidades que passam pela nossa frente.

Por Fernanda de Godoi


Profissionais levam, em média, 14,4 semanas para encontrar um novo emprego. Rio de Janeiro tem a maior ?fila de espera? do País.

Desde o ano de 2006, o trabalhador brasileiro não demora tanto para conseguir uma nova colocação no mercado de trabalho.  Na média para o mês de julho, na média medida em seis diferentes metrópoles, o tempo médio em que o trabalhador gasta procurando emprego chegou a 14,4 semanas. No ano de 2006 a média era de 14,9 semanas.

Os cálculos foram realizados pelo IBGE, com base nos dados da PME (Pesquisa Mensal de Emprego). A PME acompanha as variações do mercado de trabalho em seis diferentes regiões metropolitanas pelo Brasil, consideradas principais.

Dentre as seis metrópoles pesquisadas, o Rio de Janeiro tem a maior “fila de desemprego” registrada. No mês da pesquisa, os cariocas gastavam em média 17,3 semanas procurando um novo emprego (mais de quatro meses).

Em seguida aparece Salvador. Os baianos procuram por um novo emprego em média por 16,1 semanas. São Paulo aparece a seguir, com tempo médio de procura de 13,9 semanas, seguido de Recife, com 13,1 semanas, Porto Alegre, com 12,7 semanas e Belo Horizonte, com 11,5 semanas de procura.

Os especialistas afirmam que o aumento no tempo de procura por um novo emprego está diretamente relacionado ao aumento no número de demissões, causado pela crise. Quando o empregado sai de uma empresa, ele geralmente tem outro emprego em vista, mas quando é demitido, é pego de surpresa e a busca pode levar mais tempo.

Pioras à vista:

A tendência, seguindo a perspectiva econômica brasileira, é a de que haja uma piora no tempo de procura por novos trabalhos pelo brasileiro, já que cada vez mais patrões estão demitindo funcionários e a abertura de novas vagas está cada vez menor.

No mês de julho deste ano, 1,84 milhões de pessoas estavam procurando emprego nas seis principais metrópoles do país. Número 56% maior do que no mesmo período do ano passado.

Por Patrícia Generoso


Processos seletivos para contratação de trainees estão cada vez mais competitivos, e os candidatos precisam demonstrar seus diferenciais para se destacarem.

O processo seletivo das empresas para trainee está cada vez mais competitivo. Alguns contam com milhares de concorrentes e não basta ir bem nas etapas online e ter um bom currículo, é preciso ter desenvoltura nas fases presenciais, quando ocorrem as situações mais difíceis.

Confira as dicas para se dar bem em um processo seletivo de trainee:

– Dê show nas etapas online:

O processo de seleção conta com fases online, que incluem provas de conhecimentos, testes de línguas, entre outros. Leia atentamente o que é pedido no processo, estude para ele e faça uma boa prova.

– Currículo claro:

O seu cartão de visita é o currículo e precisa estar claro. O ideal é fazer um resumo objetivo, utilizando a formatação básica. Dados básicos como nome, idade, endereço, formação acadêmica, idiomas, cursos e experiência prévia (inclui empregos, intercâmbio ou voluntariado) são suficientes para um currículo.

– Conheça a empresa e o mercado:

Vá às etapas presenciais sabendo tudo o que puder sobre a companhia, o mercado de atuação e outras informações importantes sobre o negócio. Procure saber a missão, valores, os concorrentes, produtos que oferecem, posicionamento no mercado, quanto fatura, etc.

– A primeira impressão fica:

Postura, comportamento e até mesmo a roupa que veste influenciam na avaliação de qualquer etapa do processo de seleção. Seja educado com todos os que encontrar, pois nunca se sabe com quem irá cruzar no caminho até a entrevista. Aja com maturidade, evite gírias e demonstre sempre iniciativa. Em relação às roupas, dê preferência as sociais e as cores neutras.

– Como agir na dinâmica?

Mostre-se motivado e interessado durante a dinâmica. Traga suas opções e seja flexível durante esta fase, adotando sempre uma postura de boa política e educação. Na hora de se apresentar, organize um discurso antes, mantendo uma postura séria, com o tom de voz adequado e olhe nos olhos das pessoas quando estiver falando.

– A entrevista:

Nessa fase, o grande segredo é não deixar o nervosismo atrapalhar. Conheça mais sobre a área de atuação, assim é possível transmitir mais segurança. Procure estruturar bem suas respostas e fale sobre suas atuações tanto no trabalho quanto na vida acadêmica. 

Por Ana Rosa Martins Rocha


74% dos trabalhadores brasileiros têm vontade de mudar de emprego, mesmo com o País passando por uma crise econômica.

A crise continua trazendo prejuízos para o País e deixando os trabalhadores inseguros, pois as empresas estão se vendo obrigadas a cortar gastos e com a produção caindo, as vendas em baixa, não lhes resta outra alternativa que não seja a demissão de vários funcionários.

O curioso diante deste cenário, é que mesmo vivendo momentos de instabilidade no mercado de trabalho, 74% dos trabalhadores brasileiros disseram que têm vontade de mudar de emprego.

Entre a grande maioria dos profissionais brasileiros que pretende mudar de emprego, está principalmente a geração mais nova que está enfrentando uma crise desta proporção pela vez e esta geração acredita que é algo passageiro e que isso não pode atrapalhar seu crescimento profissional.

A pesquisa realizada pela Michael Page, no mês de junho, aponta 74% dos brasileiros com intenção de trocar de emprego, mesmo com o desemprego crescendo tanto, por todo o País.

Esta nova geração de trabalhadores que enfrenta uma crise tão grande pela primeira vez, é chamada de geração milênio e representa 50% da força de trabalho em todo o mundo. Este seria o novo perfil do profissional que, diante da crise, não fica com medo e tenta se manter no emprego, mas tenta fazer algo para a situação melhorar, mesmo que para isso tenha que se arriscar.

E a mudança no perfil do trabalhador faz mudar também a forma como as empresas precisam conduzir seus negócios. Antes, em tempos de crise, os funcionários ficavam receosos de perderem o emprego e a empresa podia manter os melhores funcionários e os demais iam sendo demitidos para cortar gastos.
Atualmente, os bons funcionários, em tempo de crise, tendem a mudar de emprego, buscar novas oportunidades, procurar por empregos que vão lhe trazer melhor remuneração e até mesmo, melhor qualidade de vida e assim, as empresas, mesmo diante da crise, precisam tomar providências para não perderem seus bons funcionários, o que agravaria ainda mais a situação para elas.

Diante deste novo cenário, as empresas vão tendo que aprender quase que de forma obrigatória, a lidar com esta nova questão, pois a crise se repete, mas os profissionais possuem outro perfil e não estão mais dispostos a ficar parados esperando tudo melhorar, eles se veem quase que na obrigação de partirem em busca de um novo emprego, que lhes garanta melhores condições e maior remuneração.

Por Russel


As empresas podem monitorar os funcionários pelas redes sociais, por isso manter o bom senso é essencial para ter uma boa imagem no trabalho.

As redes sociais podem ser um auxílio para quem está à procura de um emprego, oferecendo páginas úteis de empresas onde os candidatos podem encontrar informações e vagas disponíveis.

Acontece que nem todos usam a ferramenta da melhor forma possível. Em alguns casos, as redes sociais podem se tornar o estopim de uma demissão. Isso acontece porque a maioria dos funcionários esquece que seus perfis sociais podem estar sendo monitorados pela empresa e até mesmo pelas concorrentes desta. Um perfil que mostra demais da vida do funcionário pode prejudicá-lo.

Não é proibido falar de sua vida pessoal, família ou lazer, mas tenha cuidado com o que posta. Pessoas que postam cada passo de sua vida, por exemplo, podem ser consideradas fúteis e até mesmo chatas. É preciso delimitar uma linha de postagens que podem ser mostradas publicamente.

Evite os erros de português. Embora a rede social tenha um caráter mais informal, erros graves podem prejudicar sua imagem na empresa.

Se você é um “ativista de rede social” cuidado! Opiniões tendenciosas e polarizadas podem afastar o empregador, ou “sujar” a sua imagem na empresa. A pior coisa que existe para a sua imagem profissional é ser taxado de radical.

E, por último, imponha um limite entre sua vida profissional e sua vida pessoal. Sabe aquela foto da bebedeira do final de semana? Melhor não postar. Ela pode não ser bem vista por um selecionador de emprego, ou pelo seu próprio chefe. Lembre-se que sua imagem está relacionada à da empresa, e provavelmente não é esta a imagem que a empresa deseja passar aos seus clientes.

Procure usar as redes sociais com cautela. Uma boa forma de utilizar a ferramenta como apoio ao trabalho é participar de fóruns de discussão sobre seu trabalho ou suas áreas de interesse. Isso demonstra que você é um profissional focado e interessado em sua área de trabalho.

Por Patrícia Generoso


Segundo um estudo realizado com 600 mil pessoas, o excesso de trabalho pode aumentar o risco do profissional desenvolver um AVC.

Você tem o hábito de levar trabalho para casa ou fazer hora extra de forma excessiva para adiantar uma tarefa? Um estudo publicado na revista médica britânica The Lancet mostrou que o excesso de trabalho pode aumentar o risco do profissional desenvolver um acidente vascular cerebral (AVC). O estudo foi feito com 600 mil pessoas e contemplou a Europa, Estados Unidos e Austrália.

Segundo a pesquisa, as pessoas que trabalham mais de 55 horas por semana podem elevar em até 33% a chance de desenvolver um AVC. Outro resultado significativo no estudo, é que pode aumentar em até 13% a chance de aparecerem outros problemas coronarianos, se comparados com profissionais que trabalham em média 35 a 40 horas semanais.

A pesquisa foi realizada, aproximadamente, por 7 anos em que foram avaliados pessoas do sexo masculino e feminino sem históricos de problemas cardiovasculares. Mas, também, outros itens foram considerados para realizar o estudo como tabagismo, consumo de bebidas alcoólicas e também o sedentarismo.

O estudo também mostrou que o aumento do risco em relação ao AVC ocorre de forma paralela de acordo com a duração do trabalho. Ou seja, 10% entre os profissionais que atuam entre 41 e 48 horas, 27% entre as pessoas que trabalham entre 49 a 54 horas e 33% para os profissionais que atuam além das 55 horas semanais.

Além disso, o doutor Urban Jarlet ressaltou que entre os membros da Organização para Cooperação Econômica e de Desenvolvimento, a Turquia tem o maior número de profissionais que trabalham mais de 50 horas, o que equivale cerca de 43%.

Segundo a OCDE, o México aparece em segundo lugar, com 28,8% dos trabalhadores, e depois a Coreia do Sul com 27,1% dos trabalhadores. Desta forma, trabalhar de forma excessiva pode ser prejudicial à saúde. Por isso, reserve um tempo na semana para se dedicar às coisas que gosta e manter uma boa qualidade de vida. 

Por Babi


Novo programa do Governo visa à criação de crédito cedido por bancos públicos com taxas de juros competitivas para as empresas que se comprometerem em não demitir funcionários.

O Governo Federal está preparando um programa novo que visa ajudar os grandes setores de indústria do Brasil. Uma das primeiras medidas foi anunciada na terça-feira, dia 18, que consiste na criação de crédito cedido por bancos públicos com taxas de juros competitivas para as empresas que se comprometerem em não demitir novos funcionários.

Usar bancos públicos como financiamento ao setor produtivo não é uma tática nova, pois isso fez parte da política entre 2008 e 2014 como incentivo ao crescimento econômico do País. A iniciativa tinha sido abandonada e foi bastante criticada pelo Banco Central, pelo Ministério da Fazenda e pela atual equipe econômica.

A previsão é que a Caixa Econômica Federal libere R$ 5 bilhões para financiar o setor automotivo, esse montante é composto por recursos dos trabalhadores, FGTS e FAT, e dinheiro próprio. Na quarta-feira, dia 29, o Banco do Brasil também deve anunciar as novas linhas de crédito para esse setor.

O governo está negociando com os setores de construção civil, máquinas e equipamentos, papel e celulose, químico, fármacos, telecomunicações, eletroeletrônico, energia elétrica, alimentos e petróleo e gás.

De acordo com Miriam Belchior, presidente da Caixa, essa política foi discutida por muito tempo e tem como principal objetivo ajudar as empresas nesse momento de crise que a economia brasileira enfrenta. Segundo ela, o assunto foi debatido com o Ministério da Fazenda, por isso é um consenso do atual governo.

Para o setor automotivo estarão disponíveis quatro linhas de crédito. A previsão é que a economia comece a se recuperar em seis meses, pois isso em três das quatro linhas de crédito o empresário só começará a pagar o empréstimo após esse período.

A condição para ter acesso às taxas mínimas é o comprometimento em não demitir funcionários até que o empréstimo seja quitado. O governo fará o controle disso através da folha de pagamento. Caso a empresa demita dentro do prazo, a taxa de juros deve subir.

Por Jéssica Posenato


O funcionário que sabe se adequar às mudanças que a empresa passa com a atual crise que o País vem enfrentando, tem mais chances de permanecer no emprego e garantir seu futuro na organização.

A crise que afeta o Brasil não dá sinal de que vai melhorar tão cedo e, com isso, o desemprego continua assombrando o trabalhador brasileiro que teme perder sua fonte de renda e, nesta hora, conseguir uma nova recolocação no mercado de trabalho não é nada fácil. Mas uma certeza todos podemos ter: em tempo de crise, o funcionário com maior facilidade de se adequar à nova realidade vai sobreviver.

As empresas estão passando por uma série de dificuldades e elas sabem que, se não se adaptarem à nova realidade do país, vão acabar tendo que fechar as portas. Com isso, as empresas vão "enxugando" ao máximo, cortando despesas e buscando aumentar a produtividade. Nesta hora, vai sobreviver o funcionário que souber aceitar as mudanças e não só acompanhar as mudanças da empresa, mas abraçar esta causa.

E o funcionário "esperto", que tem maior facilidade de ir se adequando às novas realidades, pode até mesmo anteceder o movimento de cortes dentro da empresa. Talvez aconteça que a empresa onde você trabalha ainda não esteja passando dificuldades, mas é só olhar à sua volta para ver que a situação está difícil para todo mundo e a tendência é piorar até o final do ano. Toda empresa corre o risco de ser atingida pela crise, isso se tem alguma que ainda não foi.

O funcionário não precisa esperar a empresa começar com os cortes para ter uma postura diferente, aliás, se ele for o primeiro a dar sinais de que está empenhado em ter uma atitude diferente, por causa da crise, será visto com bons olhos dentro da empresa e passará a ser não apenas um funcionário, mas uma pessoa que poderá ajudar a empresa a superar este momento de maior dificuldade.

E hoje em dia as empresas estão valorizando muito os profissionais com este perfil, que sabem se adequar aos momentos da empresa, pois há épocas que tudo funciona bem e a empresa sabe recompensar o bom funcionário, mas no momento de crise, se o funcionário quiser manter seu emprego, vai precisar se adequar à nova realidade.

Querer ver a empresa bem é querer continuar empregado, então não pense que você é insubstituível e que sem você a empresa não sobrevive.

Procure olhar o mundo à sua volta com outros olhos e esteja pronto para abraçar as mudanças da empresa ou até mesmo promovê-las, pois assim você estará cuidando da saúde da empresa e do seu futuro como funcionário dela.

Por Russel


Com a crise que está afetando o mercado de trabalho, os trabalhadores demitidos precisam esperar até 3 meses para receber seus direitos.

A crise, que é vivenciada pela conjuntura econômica do País, atinge a sociedade de diversas maneiras. Um dos principais efeitos gerados, por exemplo, é a demissão, que cresceu nestes últimos períodos no Brasil. Em São Paulo, trabalhadores aguardaram até três meses para fazer a homologação da rescisão do contrato de trabalho. Desta forma, após este lapso temporal, eles puderam receber seus direitos e os documentos para obter o seguro desemprego, assim como, o FGTS.

Em comparação com o período de pré-crise, o lapso temporal é menor, sendo o tempo médio de espera aguardado pelo trabalhador de 15 a 20 dias, de acordo com o sindicato. Em julho de 2015, a procura para dar baixa na carteira teve um crescimento de 700% em comparação com o mesmo período do ano anterior. A taxa de desemprego em São Paulo ficou com 7,2% em junho de 2015, comparando com o ano passado, que na época a taxa teve o valor de 5,1%.

Mas, sabia que apesar da crise existem profissões que estão em alta no mercado?

Dentre algumas podemos citar: Técnico em Mecânica, Técnico em Manutenção, Técnico em Automação Industrial, Engenheiro Mecânico, Profissional de Vendas, Consultor de Vendas, Profissional de Finanças, Profissional de Marketing de Estratégia, Técnico em Informática, Analista de Sistema, Gestor de TI, Executivo de Finanças, Gerente de Desenvolvimento, Farmacêuticos, Profissionais de Logística, Profissional de Telecomunicação, Profissional de Marketing, Profissional de Recursos Humanos, Profissional de Controladoria e Profissional de Contabilidade.

Como o mercado de trabalho é competitivo, o profissional deve buscar se especializar. Por isso, independente da crise econômica, busque aprimorar o seu conhecimento dentro da sua área de formação, para conseguir novos cargos dentro da empresa, outros desafios, ou até novas experiências como um trabalho internacional, por exemplo. Um bom profissional investe em conhecimento e em seu aprimoramento. Que tal se matricular em um curso de idioma novo?

Qual a sua opinião sobre a crise que o País esta atravessando? Que tal expor as suas ideias?  

Por Babi


Índice que mede o desemprego no Brasil avançou 1,2% em julho de 2015 e deixa a situação preocupante no País.

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou na última quinta-feira, dia 05, que o Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) avançou 1,2% no mês de julho de 2015 e com isso mostra que a situação é preocupante no Brasil.

Para conseguir chegar nesse tipo de resultado, é realizado o agrupamento das informações que estão dispostas em dados desagregados, dos quais foram colhidos em quatro tipos de classes de renda familiar. Esses dados foram armazenados através de respostas de perguntas feitas pela Sondagem do Consumidor, ou seja, essa pesquisa procurou saber qual é a percepção que o consumidor brasileiro tem diante a situação atual do mercado de trabalho.

Esse tipo de registro indica que se compararmos com o mês de junho esse valor ficou 90,8 pontos na série com ajuste sazonal, ou seja, é um valor alto se compararmos com o maior resultado que ocorreu na última vez no mês de novembro de 2007.

O mês de julho não foi um período particular nessa avaliação, pois o ICD vem subindo nos últimos sete meses seguidos e em junho essa avaliação já ficava na casa dos 1,6%, tanto que quem percebeu isso mais rapidamente é o próprio mercado consumidor que começa a perceber que as ofertas de trabalho acabam ficando piores e ainda mais desfavoráveis, mais acentuadas ainda com toda essa crise internacional.

Um dos pesquisadores da FGV, o economista Rodrigo Leandro de Moura, informou que esse tipo de resultado faz com que esse aumento da taxa de desemprego no próprio mês seja facilmente notado e ainda acrescenta que neste ano de 2015 o ICD já conseguiu acumular uma alta de 23,3% até o mês de julho.

Qual a camada da sociedade brasileira que mais consegue sentir esse tipo de problema?

Esses fatos fazem com que as famílias que apresentam baixa e média renda sejam as mais atingidas, tanto que a FGV notou que a dificuldade encontrada para conseguir uma vaga de emprego no último mês de julho teve um avanço, chegando a uma alta de 3,4% nesse mês se comparada com junho. Para esse indicador também foi levantado que faz parte de uma faixa que compreende os consumidores que possuem uma renda familiar entre R$ 2,1 mil e R$ 4,8 mil.

Por Fernanda de Godoi


Há diversas maneiras de evitar a depressão pós-férias e uma delas é voltar de viagem alguns dias antes de retornar ao trabalho, para evitar o impacto do lazer com o trabalho.

A depressão pós-férias surge quando o profissional retorna ao seu trabalho, depois de ficar um certo período de férias e entre os principais sintomas estão: dor muscular, insônia, dor de cabeça, cansaço, além de muito desânimo, angústia, ansiedade e também raiva.

Há várias formas de evitar a depressão pós-férias, mas primeiro é importante entender que este problema surge quando o indivíduo não está satisfeito com o seu trabalho, pois quando o profissional está repleto de projetos e satisfeito com o ambiente de trabalho, ele dificilmente chegará a ter depressão pós-férias.

Por isso, é tão importante que as pessoas procurem um emprego visando não somente o retorno financeiro, mas também a sua satisfação pessoal.

E uma boa dica para evitar a depressão pós-férias é justamente esta, procurar trabalhar em um serviço que você goste, mas como nem sempre isso é possível, uma boa dica é procurarvoltar de viagem alguns dias antes de retornar ao trabalho, porque a depressão pós-férias poderá ser pior se você chegar de férias hoje e começar a trabalhar amanhã, por exemplo.

O ideal é que você procure voltar à rotina do seu dia a dia aos poucos e, assim, voltando ao trabalho, o impacto será menor.

Outra dica importante para evitar a depressão pós-férias e ter o cuidado de deixar tudo resolvido no trabalho antes de sair de férias, assim, quando retornar, não terá tantos problemas a serem resolvidos, afinal, quanto mais problema no trabalho ao retornar de férias, maior será a depressão pós-férias, pois é uma forma do cérebro querer fugir dos problemas e voltar ao estado onde tudo era lazer.

Tome muito cuidado para não ficar sofrendo com antecedência, pois isso só faz aumentar a depressão pós-férias. Muitas são as pessoas que mesmo faltando alguns dias para retornarem ao trabalho já começam a ficar quase que o dia todo pensando somente no serviço que irá encontrar ao voltar de férias. Isso, além de atrapalhar você a curtir suas férias já vai começar a causar a depressão pós-férias, mesmo com você estando de férias.

E não queria fazer tudo que precisa ser feito logo no primeiro dia de retorno das férias porque isso não é possível! Converse com você mesmo, tenha consciência que na sua ausência muita coisa aconteceu e que você precisará de dias para se adaptar novamente, então procure manter-se calmo e fazer tudo o que for possível, mas sem se estressar logo nos primeiros dias.

Por Russel


Procura por empregos na área operacional aumentou 180% no 1º semestre deste ano. Setores com maior crescimento foram os de varejo e telemarketing.

A atual conjuntura econômica do País não está favorável, e mesmo assim a procura por vagas no setor operacional aumentou 180% neste primeiro semestre, segundo um levantamento organizado pelo Emprego Ligado. Além disso, para o portal também foram enviados 1.683 convites de entrevista de emprego.

Em relação ao ano de 2014, o número representa uma elevação de 179%, em que foram enviados 940 mil convites. Os setores que tiveram mais crescimento foram os de varejo e telemarketing. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a taxa de desemprego deste ano pode ser considerada uma das mais altas. Por exemplo, no primeiro trimestre deste ano o índice foi de 7,9% superior ao mesmo período do ano anterior. 

Além disso, a atual crise que assola o País conta com uma taxa de desemprego maior em 12 meses, desde o ano de 2003. Neste sentido, nem a crise que atingiu o mercado entre 2008 e 2009 foi tão alta e severa. Estes dados foram apresentados pela Fipe/Catho, e segundo a projeção a taxa de desemprego nas 6 regiões metropolitanas acompanhadas segundo a PME/IBGE deve girar em torno de 6,5% em maio deste ano.

Porém, o cenário ainda apresenta outros aspectos negativos além do aumento da taxa de desemprego como, por exemplo, a queda do salário médio de admissão, que caiu 1,4% na comparação livre de efeitos inflacionários entre abril de 2015 e abril de 2014. Estes dados também foram apresentados pela Fipe e pela Catho.

Entre as notícias animadoras, São Paulo foi considerado o estado que tem o maior índice de contratação de freelance com 48,64% das empresas. Em seguida vieram os seguintes estados: Rio de Janeiro, com 11,43%, e Paraná, com 6,35%. A pesquisa foi elaborada pela plataforma para freelancer Prolancer, que conta com uma base cadastral de 100 mil freelancers e 7 mil empresas. A finalidade era descobrir os estados em que as empresas mais procuravam pelo serviço de freelancer. 

Por Babi


Número de desempregados aumentou no Brasil em junho, atingindo o índice de 6,9%.

O desemprego voltou a apresentar índices preocupantes para a economia brasileira. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE, o número chegou a 6,9% no mês dejunho, a maior taxa para o mês desde o ano de 2010. Há cinco anos, a taxa era de 7%.  

O índice do desemprego cresceu 0,2%, na comparação com o mês de maio/2015, quando apresentava 6,7%. Este leve aumento é considerado estável pelo instituto. Já na comparação com o ano passado, o aumento é expressivo. Em junho de 2014 o índice de desemprego no país era de 4,8%, exatamente 2,1% a menos que atualmente. Os dados fazem parte da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) e foram divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira (23).  

A PME se baseia em informações das regiões metropolitanas de Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Salvador e Porto Alegre.

O instituto considera desempregado o profissional que não possui trabalho e que procurou por alguma oportunidade de emprego dentro dos últimos 30 dias até a semana em que os dados foram coletados.  

O desemprego é um dos principais índices que ajudam a medir a fragilidade da economia de um país. O número de profissionais sem emprego foi estimado em 1,7 milhão em junho, ficando estável na comparação com o mês de maio. Já na comparação anual (junho/2014), o desemprego assustadoramente cresceu 44,9%. Este número representa 522 mil pessoas a mais procurando por vagas de trabalho em todo país.   Já a população que possui emprego sofreu queda de 1,3% em um ano. No total ela corresponde a 22,8 milhões. A população não economicamente ativa, que representa as pessoas que não possuem e não procuram emprego foi de 19,3 milhões. Este número é considerado estável pelo IBGE na comparação mensal e anual. Em relação a junho de 2014, o número de profissionais com carteira assinada em empresas privadas recuou 2%, em 11,5 milhões. Na comparação mensal, o número é estável.   

Em todas as seis regiões analisadas, o desemprego aumentou em um ano. Também nos últimos doze meses a renda média do trabalhador recuou 2,9%. No mês de junho o rendimento médio real do trabalhador foi de R$ 2.149,10. Em junho de 2014 este número era de 2.212,87. O rendimento, no ano, caiu em quatro regiões analisadas: Rio de Janeiro (-5%); São Paulo (-3,1%); Salvador (-3,1%); Belo Horizonte (-2,5%). Já em Recife houve uma pequena alta de 0,5% e em Porto Alegre o índice manteve-se estável.

Por William Nascimento


Se o profissional ficar parado em um determinado ponto da carreira, perde a chance de crescer e progredir na empresa onde trabalha. É preciso saber evitar isso.

Durante a carreira profissional é comum ter altos e baixos. É preciso que o caminho seja feito de aprendizado, para que os erros sirvam de boas lições para o futuro. Além disso, também é fundamental que o profissional busque fazer um planejamento profissional, para facilitar as tomadas de decisão, encontrar novas possibilidades e saber a melhor direção.

Entretanto, um mal perceptível que existe no mundo corporativo é a estagnação profissional. Desta forma, o profissional fica “parado” em um determinado ponto da carreira, perdendo a chance de crescer e progredir na Organização em que trabalha. Mas, como evitar isso?

– Planejamento de tempo: ele é fundamental!

Já pensou em gerenciar as horas do seu dia? Faça a hora do seu trabalho ser produtiva, ou seja, estabeleça prioridades durante o seu tempo disponível do trabalho. Foque nas suas tarefas e defina quais demandas são importantes.

– Estabeleça metas!

É essencial estabelecer metas e desafios diários no seu trabalho. O planejamento é importante em todos os setores, desde uma viagem de férias com a família como na carreira. Portanto, no dia a dia de trabalho estabeleça metas reais, que devem ser cumpridas. Mas, estabeleça desafios que sejam ousados, ou seja, tente superar o seu próprio limite. Planejamento é um bom aliado para o sucesso.

– A importância da qualificação.

O mercado está competitivo, portanto, busque se qualificar e atualizar. O mundo está dinâmico e as mudanças ocorrem de forma rápida. Por isso, fique por dentro das atualizações, cursos e projetos novos, que possam existir na área em que atua. Além disso, um profissional que é bem qualificado esta entre opções para uma promoção, por exemplo.

– O autoconhecimento é fundamental.

Você conhece a si próprio? Ele é essencial para que você possa evoluir profissional e pessoalmente. Procure descobrir e desenvolver as suas possibilidades para encontrar o sucesso, que está te esperando e conquistar resultados excelentes. É preciso se conhecer, que tal dar o primeiro passo?

Sucesso e boa sorte!

Por Babi


Algumas estratégias podem ser adotadas para que a insegurança e o desânimo não afetem o seu trabalho.

Mesmo que amemos nosso trabalho, às vezes, somos tomados por sentimentos como insegurança ou desânimo. Nessas horas, é preciso ter estratégias para aumentar a satisfação no trabalho.

Inclua algo que você ama na sua rotina: Todos nós temos alguma tarefa que mais nos agrada no trabalho, não é mesmo? Quanto mais você tiver contato com essa tarefa, maior será a sua satisfação. Se não encontrar nada no trabalho, separe um momento de distração após o expediente. Dessa forma o dia a dia será muito menos pesado.

Saia com os amigos de trabalho que te fazem bem: É importante criar boas relações com os colegas de trabalho. Uma boa forma de estreitar os laços é criar rotinas de saídas com os amigos mais agradáveis do ambiente de trabalho. Pode ser um almoço ou um happy hour, mas o importante é não deixar que esses laços se percam.

Apoie seu chefe: Encare seu chefe como uma pessoa que irá lhe ajudar, e como uma peça essencial para o crescimento da empresa. Esteja sempre atento para apoiá-lo e também auxiliá-lo quando for necessário. Ao ter um bom relacionamento com o superior, o ambiente de trabalho será muito mais agradável.

Não adie metas ou planos: Se você tem um projeto, é importantíssimo fazer com que ele seja posto em prática. Ao adiarmos nossas ideias, a frustração pode nos alcançar de forma cruel. Organize suas metas e tenha um bom plano para apresentar suas ideias aos superiores. Mesmo que sua proposta não seja aceita logo de cara, você será elogiado pela coragem e iniciativa, o que poderá motivá-lo para melhorar sua proposta ou apresentar outras mais interessantes. E um funcionário com iniciativa vale muito para a empresa.

Cumpra suas tarefas: Se você se propôs a fazer alguma tarefa ou projeto, não o adie. Nada mais frustrante que adiar algum serviço. Isso traz cansaço e desânimo para o funcionário. Engaje-se no que lhe for proposto e colha os frutos de um bom trabalho.

Por Patrícia Generoso


Sucesso profissional e pessoal depende do equilíbrio financeiro das pessoas.

O sucesso das pessoas está diretamente ligado ao seu equilíbrio financeiro. Não importa se você seja um grande executivo, uma diarista, um estudante ou uma dona de casa, se você quer ser uma pessoa de sucesso na vida pessoal e também na profissional, precisará ter equilíbrio financeiro.

A pessoa que tem equilíbrio financeiro não só consegue realizar seus sonhos de forma mais rápida, como também vive de forma mais tranquila, o que é de suma importância para obter o sucesso, pois é preciso dedicação para atingirmos nossas metas e vamos perder muito tempo com as finanças se esta área estiver em desequilíbrio.

Com as facilidades de acesso ao crediário, as pessoas estão se endividando cada vez mais e, com isso, estão levando para o fundo do poço sua chance de ter sucesso.

Hoje consumimos muito mais do que precisamos e quando uma pessoa começa a gastar demais em produtos e serviços supérfluos, vai criar um grande problema em sua vida, porque as contas chegam e precisam ser pagas. A pessoa vai ter que se sujeitar aos parcelamentos e vai se endividar ainda mais devido aos altos juros.

E com a vida tomada de contas para pagar e falta de dinheiro para quitar estes débitos, como ela terá a estrutura necessária para investir em seu sucesso profissional e também pessoal?

O desequilíbrio financeiro afeta diretamente a carreira de todo profissional, que não conseguirá realizar novos cursos de aprimoramento, não conseguirá fazer uma especialização e nem sequer comprar um novo equipamento, fazer um curso online de aperfeiçoamento, tudo porque o lado financeiro de sua vida se descontrolou.

E tem o fato de que todo profissional endividado acaba deixando cair seu desempenho, ele não terá tanta disposição no trabalho, a produtividade já não será a mesma de antes e as preocupações relacionadas à dívida vão tomar o seu tempo, assim, ao invés de ser um profissional de bom humor, produtivo, criativo, será mais fechado, preocupado e produzindo cada vez menos.

Busque o equilíbrio financeiro o quanto antes! Renegocie suas dúvidas, corte gastos, busque uma renda extra até conseguir quitar todos os seus débitos e mantenha-se distante do crédito fácil.

Faça um bom controle de todos os seus gastos e mantenha sua vida financeira equilibrada, pois assim terá tempo, disponibilidade e energia para investir no sucesso.

Por Russel


Recrutadores buscam pessoas que tenham ética profissional para trabalhar nas empresas.

O mercado profissional está competitivo e os profissionais precisam investir em cursos, especializações e conhecimentos diversos para alcançar uma boa posição na empresa. Mas, também, é fundamental que o indivíduo tenha princípios e valores, além de um pré-requisito, que é imprescindível: a ética.

A ética está relacionada aos valores morais que guiam e fazem parte do comportamento da pessoa. Desta forma, ser ético é seguir com afinco as regras que fazem parte do cotidiano da sociedade e da Organização. No ambiente profissional, a ética é um dos requisitos principais buscados pelos recrutadores. Que tal conferir algumas dicas sobre o assunto no ambiente de trabalho?

– A importância da humildade!

A humildade é uma característica essencial que todo profissional deve procurar desenvolver. A pessoa deve saber escutar elogios, críticas e ter maturidade para saber lidar e aprender com os seus erros. Assim, procure aprender com as pessoas ao seu redor e seja flexível com as opiniões alheias, principalmente, se elas forem muito diferentes das suas.

– Seja honesto.

Tenha honestidade e procure agir dentro dos seus valores e princípios. A honestidade está ligada à dignidade, portanto, tenha caráter no seu ambiente de trabalho. Cumpra os seus compromissos, assuma os seus valores e respeite as pessoas ao seu redor.

– Assuntos Sigilosos? Guarde para você mesmo.

Nas empresas, existem assuntos que são sigilosos e devem ficar apenas entre os membros da Organização. Portanto, respeite os assuntos privativos da sua empresa e não os comente com familiares ou amigos. Lembre-se de que o seu dever é manter segredo e não expor as informações relacionadas ao local em que trabalha.

– Respeite as pessoas.

Tenha respeito pelo próximo, seja pelo seu chefe, subordinado, porteiro, ou seja, qualquer membro da empresa. Não perca tempo falando mal de pessoas ou espalhando fofoca.  Isso pode te atrapalhar na empresa e ainda estragar a sua imagem. Portanto, não faça comentários desnecessários na Organização.

Gostou das dicas? Deixe a sua opinião!

Por Babi


Com a crise atual, algumas profissões foram afetadas e os profissionais demoram mais tempo para voltar ao mercado de trabalho.

Depois da demissão, a expectativa dos profissionais é a recolocação o mais breve possível no mercado de trabalho, mas algumas profissões oferecem tempos um pouco maiores para que o profissional volte às suas atividades. Os motivos são diversos: falta de novas oportunidades, processos de contratação longos ou maior demanda de profissionais no mercado. Conheça as profissões que demoram mais para recolocar o profissional no mercado.

– Supervisor de Obra: O motivo principal da demora é a falta de novos lançamentos no setor imobiliário, já que um grande volume de obras já foi lançado. O profissional dessa área demora de 6 meses a um ano para se recolocar no mercado.

Engenheiro de Projetos Industriais: O cenário político atual faz com que a indústria passe por uma acentuada queda de investimentos e, consequentemente, um aumento nas atividades produtivas. Como a crise atingiu esse mercado, as empresas estão preferindo investir em manutenção, ao invés de lançar novos projetos. O tempo médio de recolocação do profissional é de 6 meses.

Analista ou Coordenador de Marketing: Esse profissional pode esperar até seis meses para uma nova oportunidade profissional, e isso ocorre porque em cenários de crise a área de marketing e comunicação é sempre mais comprometida.

Analista de Suporte: Embora as empresas tenham alta demanda de profissionais de suporte, a exigência de profissionais fluentes em espanhol e inglês dificulta a recolocação de profissionais fluentes em só um dos idiomas. O profissional dessa área pode ficar até 5 meses à procura de uma nova vaga.

Analista de Recrutamento e Seleção: Seis meses é o tempo médio de recolocação dos profissionais de RH. Essa área é afetada pela própria precaução do mercado em novas contratações. Se não há grande demanda de contratações, essa área perde um pouco mais de sua importância e as empresas acabam por chamar pouco esses funcionários. Deixando os funcionários à procura de novas vagas mais tempo desempregados.

Por Patrícia Generoso


Com a consultoria a empresa passa por uma boa renovação, pois terá um novo olhar sobre o negócio e contará com profissionais experientes que possuem novas formas de dirigir os negócios.

Uma boa consultoria para trazer uma série de vantagens para sua empresa, alavancando os negócios, gerando economia, reduzindo os gastos, trazendo uma nova visão do mercado, é sem dúvida alguma, uma excelente forma de você garantir maior velocidade no crescimento de seus negócios. E consultoria não é exclusividade de grandes empresas, pelo contrário, são as pequenas e médias empresas que mais vêm se interessando pelo serviço de consultoria, pois são estas empresas que estão em busca de crescimento, de novos mercados.

Muitas vezes a empresa fica estagnada e até começa a ter prejuízos e apresentar quedas na venda porque acha que não há mais nada a ser feito, o mercado está ruim, a concorrência está grande e sua empresa já fez tudo que era possível para reverter a situação, mas não teve êxito. Com a consultoria a empresa passa por uma boa renovação, pois terá um novo olhar sobre seus negócios e contará com profissionais experientes que possuem novas formas de dirigir os negócios.

Outra grande vantagem da consultoria é que estes profissionais estarão em tempo integral, trabalhando para o crescimento de sua empresa. Quando este serviço é destinado a um funcionário da empresa, na maioria das vezes, o resultado não é positivo porque o funcionário acumula outras tarefas, não conta com a experiência necessária e justamente por estar envolvido nos projetos da empresa, não tem uma visão externa do negócio.

Com uma consultoria haverá muito mais chances de se dar um novo rumo aos seus negócios, porque os funcionários nem sempre terão a coragem de ousar ou propor uma mudança radical ou até o investimento em novas áreas ou o cancelamento de antigos serviços, justamente pelo fato de estarem ligados à sua empresa, por possuírem vínculos e uma série de temores, enquanto que a consultoria irá avaliar a situação e propor soluções reais, mesmo que isso venha a mexer com toda a infraestrutura da empresa ou mudar anos de tradição.

Há ainda o fato de que a consultoria leva ânimo para a empresa, novas energias e um caminho para que toda esta nova disposição possa ser canalizada para um novo negócio que trará novas oportunidades para seu negócio crescer.

Por Russel


É essencial saber administrar melhor o tempo e ter planejamento para o dia de trabalho render da melhor maneira possível.

As pessoas ficam sonhando com formas mirabolantes que vão lhes ajudar a ganhar tempo no trabalho, sem se darem conta de que, com dicas simples, poderão conseguir arranjar mais tempo para o trabalho, de forma surpreendente.

E a primeira dica é se conhecer bem, para administrar melhor o tempo, pois as pessoas acham que são capazes de fazer muitas coisas ao mesmo tempo e vão acumulando funções, a agenda vai ficando cheia e no final a pessoa acha que não teve tempo para o trabalho, mas na verdade, ela é que não soube administrar o seu tempo, trazendo para si um número maior de tarefas do que consegue realizar.

A dica então é "Planejamento", pois conhecendo os seus limites e não assumindo um número excessivo de trabalho. Faça um planejamento do que você tem que fazer para os próximos dias, mas de acordo com o seu limite e não com a sua vontade.

Outra dica fundamental é saber lidar com as novas tecnologias que hoje temos à nossa disposição. Em qualquer lugar que estivermos, podemos ficar online para os amigos e familiares, por isso, durante o trabalho, pode ser que começamos a receber mensagens dos amigos ou nós mesmos sintamos aquela vontade de conferir o que eles andam fazendo.

Acessar as redes sociais virou um vício para muitas pessoas que dedicam boa parte do seu tempo a esta função, tempo este que deveria ser dedicado ao trabalho. Resultado: vai faltar tempo para realizar o trabalho que ficará para o outro dia que já está repleto de outros trabalhos.

Precisamos entender que não há como "ganhar tempo", pois o dia tem 24 horas para todas as pessoas. Quando dizemos que há formas de "ganhar tempo no trabalho", na verdade estamos querendo dizer é que há métodos que ajudam as pessoas a administrarem melhor o seu tempo. E você vai ter que aprender a lidar com esta nova tecnologia, deixando o seu smartphone, tablet ou computador desconectado das redes sociais, consultando informações pessoas somente na hora do almoço ou na parada para o cafezinho, com isto, você poderá se concentrar melhor no trabalho, vai lhe sobrar tempo para realizar as funções e com certeza, você verá seu dia "render" muito mais.

Tudo parece realmente simples, mas as pessoas estão tendo uma dificuldade enorme de ficarem longe da internet para se dedicarem exclusivamente ao trabalho, então comece por aí, mantendo o foco nas funções que precisa realizar no trabalho.

E aprenda a se planejar, se for o caso até compre uma agenda, anote tudo que precisa fazer hoje, amanhã e depois, veja o que é prioridade e tende cumprir o que você planejou para o dia, desta forma estará se autoconhecendo e aos poucos vai descobrindo qual é o seu limite no trabalho, mas sempre com o cuidado de querer dar o melhor de si, já que o ser humano tem uma tendência natural de não render tanto quanto deveria, quando o assunto é trabalho.

Por Russel


Alguns motivos contam muito no momento de deixar o emprego e procurar um novo.

O ser humano é naturalmente resistente a mudanças e quando se trata de mudar de emprego, aí é que a resistência aumenta ainda mais e são vários os motivos, sendo o principal deles a instabilidade do mercado de trabalho. Por mais que um profissional esteja infeliz na empresa onde trabalha, mesmo que o salário lhe agrade, quando ele pensa em mudar de emprego acaba desistindo sem sequer tentar.
É que além do motivo já citado, tem ainda o lado emocional, o profissional já se habituou com aquele ambiente de trabalho, fez novas amizades, domina bem o seu cargo e já se acostumou até com o trajeto de ida e volta para o trabalho.

Mas tudo isso é muito prejudicial ao profissional que tem razões de sobra para procurar um novo emprego, por exemplo, aprender coisas novas e isso é muito motivador. Quanto mais tempo permanecemos em um emprego melhor dominamos o serviço, mas chega um momento que já não há mais nada a aprender e acabamos caindo no comodismo.

A felicidade do ser humano está na descoberta, no aprender diário, nos desafios, isso motiva e faz com que a pessoa renove seu ânimo diariamente. Deixar a mesmice tomar conta de seu trabalho é algo terrível.
Ao procurar um novo emprego você estará encontrando uma série de novos desafios e isso vai lhe renovar profissionalmente.

Outra razão para procurar um novo emprego é que acabamos perdendo rendimento quando ficamos em um emprego por um tempo prolongado, é como que se funcionássemos no "piloto automático", muitas tarefas vão sendo feitas quase que inconscientemente e com isso não nos esforçamos mais para melhorar nossa produtividade no emprego. Depois de algum tempo a empresa vai perceber que você já não é mais aquele funcionário entusiasmado, então, antes que isso aconteça, comece a procurar uma nova oportunidade onde você irá voltar a ser aquela pessoa dedicada, esforçada, que vai querer mostrar sua capacidade.

A falta de reconhecimento no emprego é uma outra razão que nos leva a procurar por uma nova oportunidade. Se você se dedicou pela empresa, se esforçou, contribuiu para o crescimento do seu setor ou até mesmo da empresa como um todo, se levou novas ideias e garantiu bons resultados, é natural que espere um reconhecimento, seja com uma gratificação, uma promoção, uma homenagem ou um elogio que seja. Mas não são todas as empresas que possuem esta política, aliás, muitas fazem justamente o contrário e não elogiam seus funcionários com medo deles acharem que merecem um aumento salarial ou uma promoção de cargo.

E claro, há a questão do relacionamento. Se o funcionário não consegue ter uma boa convivência com seu superior, seu patrão ou algum colega de trabalho, esta é uma boa razão para procurar um novo emprego, pois este desgaste diário vai trazer consequências terríveis para todos, então, antes que algo pior aconteça, faça o que é melhor para todos e principalmente para você e procure um novo emprego.

Por Russel


Para falar sobre seus pontos fracos em uma entrevista, é preciso se conhecer e ser sincero com o recrutador. É preciso dizer também o que está fazendo ou o que pretende fazer para melhorar os pontos fracos que foram citados.

É na entrevista de emprego que o candidato tem a oportunidade de mostrar para a empresa que ele é o candidato certo para a vaga, porém o recrutador pede para que ele fale sobre seus pontos fracos e isso, para a grande maioria dos candidatos, é um duro golpe porque ele está ali para mostrar as suas qualidades e convencer a empresa que é o melhor candidato, porém, ao enumerar seus pontos fracos poderá estar colocando tudo a perder.

Mas é melhor estar preparado para este momento porque as empresas vão te pedir para falar sobre seus pontos fracos durante a entrevista de emprego e é melhor que você esteja muito bem preparado nesta hora.

Não há uma fórmula a ser seguida para se dar bem nesta hora, o que acontece é que a empresa quer saber se você tem um bom autoconhecimento, então para não fraquejar, o indicado é que você faça uma autoanálise e veja com sinceridade quais são os seus pontos fracos.

Responder com sinceridade e enumerar com tranquilidade os seus pontos fracos, mostrará ao recrutador que você se conhece muito bem e não tem problema em falar dos pontos fracos e isso é tudo que o recrutador quer de você!

Mas fique atento a este momento, porque citar seus pontos fracos e baixar a cabeça se sentindo um inútil é o caminho certo para você ser reprovado e não conseguir a tão sonhada vaga. Porque o recrutador perguntou pelos seus pontos fracos, mas tem algo que ele quer saber, só que não vai lhe dizer, que é o que você pretende fazer ou já está fazendo a respeito dos pontos fracos citados.

Se você disser, por exemplo, que não domina um segundo idioma, estará enumerando um ponto fraco, mas o que você pretende fazer a respeito? Por isso é tão importante a autoanálise, porque se você detecta com antecedência que um dos seus pontos fracos é a falta de um segundo idioma, poderá tomar uma providência, por exemplo, iniciar um curso de inglês ou espanhol. Assim, neste momento da entrevista de emprego, quando você enumerar seus pontos fracos, irá dizer também o que está fazendo a respeito. Com isso, você vai mostrar ser uma pessoa sensata, que está atenta ao seu crescimento profissional, que tem consciência de seus defeitos, seus pontos fracos, mas que está trabalhando para melhorá-los.
Agora você entendeu porque dissemos que não há respostas prontas para este momento, cabe a cada candidato, fazer sua autoanálise com antecedência, verificar seus pontos fracos e tomar providências para melhorar como pessoa e como profissional.

Se você agir desta forma, no momento da entrevista de emprego, irá agir naturalmente e com certeza, vai conquistar o recrutador com sua sinceridade e também com a sua postura.

Por Russel


Se está passando por algum conflito ou problema, tente mudar o foco e faça uma pausa produtiva. Após um período as ideias começam a voltar e a solução aparece.

Como você lida com um com problema? Tende a ficar pensando nele durante muito tempo do seu dia? Não consegue se concentrar em nada, até encontrar uma boa solução? Uma das maneiras mais eficazes para encontrar boas ideias é durante uma pausa produtiva. Justamente em situações inusitadas do dia, podemos encontrar boas soluções. Por exemplo, você já teve uma boa ideia enquanto lavava uma louça? São em pequenos momentos do cotidiano que boas soluções podem surgir.

Não podemos ter controle de todas as situações, certo? Problemas podem surgir no trabalho, na família ou durante um simples passeio. Mas, quando perdemos o foco do conflito e prestamos atenção em outras coisas, a solução tende a surgir.

Que tal parar de pensar sobre o problema um pouco? Aproveite para fazer uma pausa e mudar o foco da sua atenção. Levante-se para dar uma volta no quarteirão ou beber um café com o colega do seu trabalho. A pausa produtiva é o momento para você relaxar e se distrair, e ela é eficiente porque você não vai estar focando o problema. A mente tende a bloquear memórias enquanto fica focada no problema, sabia?

Quando você muda a sua atenção e faz intervalos produtivos, ou seja, começa a pensar sobre outros assuntos, as suas ideias voltam a aparecer e o bloqueio tende a desaparecer. Assim, você passa a enxergar as coisas de outra maneira com uma visão, totalmente, diferente, e as soluções, simplesmente, aparecem.

Saber lidar com conflitos é fundamental no ambiente de trabalho, sobretudo para manter o clima harmônico e produtivo. Estabelecendo intervalos produtivos podem surgir soluções inesperadas para os seus problemas, porque você muda o foco da sua atenção por um instante.

Por isso que muitas vezes aparecem ideias criativas durante um banho ou outra atividade normal do seu dia a dia. Portanto, que tal fazer pausas produtivas para lidar com os conflitos do cotidiano?

Gostou da ideia? Deixe a sua opinião!

Por Babi


Pessoas eficientes são ágeis e cumprem bem todas as tarefas que lhe foram confiadas.

É muito fácil detectar uma pessoa eficiente, pois ela possui características que são percebidas facilmente, por exemplo, são pessoas que cumprem bem todas as tarefas. No dia a dia da empresa, temos muitas tarefas a serem cumpridas e boa parte dos funcionários acaba priorizando aquelas que são mais importantes e as demais ficam para o dia seguinte ou nem chegam a ser feitas. Mas a pessoa quando é realmente eficiente, ela cumpre bem todas as tarefas que lhe foram confiadas, tanto aquelas mais urgentes como também as de menor importância, mas que são sim importantes, tanto é que ficaram designadas a alguém para serem feitas.

Quem deseja ser eficiente, sabe que é preciso ser ágil para cumprir todas as tarefas, mas claro, nada de fazer de qualquer jeito, só para chegar ao fim do dia e dizer que cumpriu com todas as obrigações, pois eficiência é também sinônimo de qualidade!

E justamente por saber que tem que fazer tudo bem feito, a pessoa eficiente tem como característica, saber dizer "Não" sempre que for preciso. A pessoa eficiente conhece seus limites, é organizada e administra bem os seus horários, por isso, quando solicitada para fazer uma determinada tarefa, se ela ver que não vai ter tempo, ela precisa saber dizer não, ou se for um trabalho que indispensável, ela irá redistribuir seus horários, adiando uma tarefa para incluir esta nova função.

E o maior de todos os desafios para uma pessoa eficiente é ser confiante não somente nela, mas também em seus colegas de trabalho, pois atualmente o trabalho em equipe é indispensável para o sucesso de qualquer empresa e a pessoa eficiente sabe que não adianta nada se ela for capaz de realizar bem suas funções e os demais colegas da equipe não tiverem o mesmo empenho.

A pessoa eficiente precisa contagiar a todos com o seu método de trabalho, convencer os colegas de trabalho que é preciso fazer o melhor.

Hoje, a eficiência não pode mais ser a característica de um funcionário, pois ninguém trabalha sozinho, é preciso que todos assumam esta postura.

O funcionário eficiente é muito mais que um exemplo a ser admirado dentro de uma empresa, ele é acima de tudo, um exemplo a ser seguido, pois só desta forma é que a empresa conseguirá de fato, o sucesso esperado, já que todos estão envolvidos no processo de produção de bens ou na prestação de serviços.

Por Russel


O primeiro passo é identificar seus pontos fortes e listá-los. Após feito isso, treine como falar sobre eles. Isso lhe dará maior confiança e vai lhe ajudar a se conhecer melhor.

O candidato a vagas de emprego sempre quer que as empresas o considerem o candidato ideal para a vaga, mas na hora da entrevista, quando são questionados sobre seus pontos fortes, a grande maioria fica sem saber o que responder e não podia ser diferente, pois as pessoas têm uma grande tendência a apontar seus defeitos, dando pouca importância aos pontos mais fortes.

Para crescer profissionalmente, é indispensável que você saiba quais são os seus pontos fortes, porque se nem você sabe, como as empresas poderão saber para contratá-lo ou promovê-lo?

O primeiro passo para desenvolver seus pontos fortes é identificá-los e fazer uma lista com todos eles, para não correr o risco de esquecer algum. Você deverá começar, listando as suas habilidades, tudo aquilo que você aprendeu profissionalmente, principalmente o que já foi colocado em prática, pois assim você terá certeza que é realmente um ponto que você domina. Mas você pode listar pontos fortes que já possui há muitos anos atrás, por exemplo, ser uma pessoa determinada, esforçada, atenciosa, bem humorada, entre outros.

Outra dica é perguntar aos colegas e amigos, para que eles lhe ajudem a listar seus próprios pontos fortes, pois é muito comum que outras pessoas notem em nós, pontos que nós mesmos ainda não observamos e você vai se surpreender ao ouvir o que as pessoas mais próximas vão falar sobre seus pontos fortes. Isso é bom, pois vai lhe ajudar a se conhecer melhor, o que é indispensável para que você possa conhecer seus próprios pontos fortes.

Você pode fazer uma experiência já bastante conhecida, que o ajudará bastante, que é a "autocontratação" e funciona assim: faz de conta que você está precisando contratar um funcionário e você mesmo será o candidato, então pergunte a você mesmo, por que deveria ser contratado, o que você tem a oferecer para a empresa e se possível, faça isso diante de um espelho, ou melhor ainda será se você puder gravar sua resposta.

Ouça depois e preste atenção se você está realmente enumerando todos os seus pontos fortes, que já foram listados, ou se esqueceu de algum.

Treine várias vezes, com a lista de pontos fortes à sua frente, isso vai lhe ajudar a se conhecer melhor e a ter mais segurança nas respostas em uma próxima entrevista de emprego.

Por Russel


Para falar em público e comandar uma reunião de maneira satisfatória é preciso muito estudo e preparação.

Como você se sente quando precisa comandar uma reunião? Costuma ficar agitado, nervoso e ansioso? Muitas pessoas tendem a se sentir inseguras quando precisam falar em público, o que é comum, sobretudo no mundo dos negócios, por exemplo. Mas, é importante que o profissional saiba lidar com a situação e contornar o problema de forma positiva. Que tal conferir algumas dicas?

– Você está preparado?

Como você organizou a reunião? Antes de falar em público, é preciso montar a apresentação. Estude o tema, analise como você vai manter a atenção das pessoas, reveja cada ponto que considerar importante, para que nenhum detalhe possa passar despercebido. Ao entender o conteúdo da reunião e dominar o assunto, você vai sentir autoconfiança para passar o que você sabe para o público.

– Seja pontual:

Chegue à reunião com antecedência, para que você possa montar o ambiente de forma planejada e organizada. Além disso, o profissional pode aproveitar o tempo para conversar com as pessoas presentes e quebrar o gelo. Isso faz com que o clima fique mais favorável e positivo para a reunião.

– Fique atento a sua voz:

Você presta atenção na entonação da sua voz? Durante a reunião, procure manter um tom de voz calmo e tranquilo, principalmente, confiante. Uma boa dica é treinar antes e pedir ajuda de algum amigo, para avaliar o controle da sua voz. Durante a fala não fique mudando bruscamente o tom da sua voz e mantenha o volume certo, para que todas as pessoas presentes possam ouvir você com atenção.

– Que tal fazer questionamentos?

Para manter a atenção do público, você pode fazer questionamentos e comentários relacionados ao assunto. Desta forma, as pessoas podem entender melhor as informações que você deseja passar.

Durante a reunião, mantenha a concentração e preste atenção em tudo o que está fazendo. Treine antes, revise e repasse cada ponto que achar necessário, para que tudo saia conforme o esperado. Confie em si e sucesso!

Por Babi


Em uma apresentação é essencial manter a atenção do público no que está sendo exposto. Para isso, é preciso aliar uma série de componentes.

Segurar a atenção de um determinado público nem sempre é uma tarefa fácil, ainda mais quando você não tem muita experiência. Alguns fatores como timidez, e a falta de preparo podem acabar prejudicando uma apresentação, mas como combater esses fatores, se concentrar e segurar a atenção do público? Confira aqui algumas dicas valiosas sobre o assunto.

– Expressão corporal:

Você certamente já deve ter ouvido falar que o seu corpo se comunica até mais do que sua voz e apesar de algumas contradições isso não deixa de ser verdade, por isso a expressão corporal é tão importante na hora de fazer alguma apresentação. Não se acanhe, tente manter o corpo relaxado e faça movimentos que passem confiança no que você está dizendo. Desse modo, você falará de forma mais convincente com seu público e irá conseguir segurar a atenção dele com maior facilidade.

– Crie expectativas:

Essa é uma tática que sempre funciona. Todos nós criamos expectativas sobre muitas coisas em nossas vidas. Ser curioso é natural do ser humano, então use isso ao seu favor. Apesar da tática despertar o interesse no público, você tem que estar consciente que essas expectativas têm que ser atingidas ou até mesmo superadas, por isso tome cuidado ao usar essa tática, tenha certeza que não vai decepcionar seu público, isso pode fazer você perder credibilidade.

– Use recursos audiovisuais:

Apresentações com slides, vídeos e fotos podem ser extremante eficazes e atrair a atenção do público, os recursos audiovisuais, além de poderem passar informações importantes sobre o assunto de sua apresentação, também podem “quebrar o gelo” e deixar um clima mais leve para o público não se entediar. O uso dessas ferramentas também requer cuidado, pois apesar de eficazes, elas podem acabar desviando a atenção do público para outras coisas. A maior dica aqui é usar os recursos audiovisuais de forma direta, nada de grandes animações ou imagens que não tenham a ver com o tema apresentado.

– Se prepare e saiba do que está falando:

Pode parecer óbvio, mas a preparação é maior arma para se fazer uma boa apresentação. Quando você domina o assunto, faz uma apresentação com mais segurança e, consequentemente, transmite essa segurança para o seu público, o que pode ser a peça chave para segurar a atenção e ter uma ótima apresentação.

Por Tom Vitor de Freitas


O cérebro precisa ser exercitado e receber novas informações constantemente. Assim, teremos novas ideias e faremos conexões novas de uma maneira mais eficiente e rápida.

Engana-se quem acha que uma tarefa repetida várias vezes evolui o cérebro. A pessoa pode até aprimorar a forma como a executa, mas isso não vai representar uma evolução. O ser humano é um animal que nasce com apenas sabendo apenas 5% do que precisa. Nascemos sabendo apenas chorar e ao longo da nossa vida aprendemos diversas coisas. Diferente de outros animais como répteis que nascem com um maior percentual de sabedoria, contudo possuem inteligência limitada em relação à humana.

Ao longo de nossas vidas, em circunstâncias normais, não deixamos de aprender e isso é de grande importância. Antigamente a humanidade acreditava que o aconteciam alterações físicas no cérebro na infância, contudo pesquisas mais modernas mostraram que ele continua criando novos caminhos neurais e/ou modificando os que já existem, com objetivo de se adaptar às mudanças, chamada Neuroplasticidade.

Da mesma forma que precisamos de alimentos para nos nutrir, nosso cérebro também necessita de nutrientes para manter-se saudável e se desenvolver. Ter contato com novas experiências é a melhor forma de aprender, uma vez que o novo aumenta nosso universo cognitivo, ampliando nossa capacidade de pensar e argumentar.

O contato com objetos novos, obras de arte, experiências nunca antes vividas e lugares nunca antes visitados ajudam a estimular o cérebro a funcionar em diferentes contextos. Consequentemente, será possível fazer conexões novas e de uma maneira mais eficiente e rápida. Podemos ter novas ideias, uma vez que aumentaremos o conteúdo da “biblioteca da mente”.

Experiências novas fazem com que a nossa cabeça tenha que se adaptar constantemente a uma nova realidade. Cada uma delas modifica, de alguma maneira, o nosso cérebro, uma vez que ele é como um músculo que necessita ser trabalhado e por essa razão é imprescindível participar de situações novas para manter o cérebro ativo. Vale de tudo: ler um livro, assistir filmes, plantar uma árvore, exercitar o corpo, conhecer novas pessoas e lugares. O que não pode é deixar a cabeça parada.

Por Ana Rosa Martins Rocha


Lidar com as falhas no ambiente de trabalho é uma luta diária e que deve ser feita com muita dedicação.

O profissional que aprende a lidar com suas falhas no trabalho se torna um líder, uma pessoa de sucesso, mas não é nada fácil para uma pessoa lidar de forma madura com seus erros, pois a tendência natural de todo ser humano é se justificar.

É mais do que compreensível que uma pessoa sinta aquela vontade de atingir a perfeição, é nato do ser humano, mas isso não deve ser feito buscando justificativa para as falhas, pelo contrário, devemos assumi-las com humildade ao mesmo tempo em que nos propomos a buscarmos formas de corrigir o erro e atitudes que o evitarão acontecer novamente.

Nas empresas encontramos muitos profissionais que sonham em ser líderes ou estar à frente de um importante projeto, porém são poucos os que sabem realmente lidar com suas falhas e para ser um líder isso é fundamental porque todos erram, o que faz a diferença é saber lidar com nossos erros.

Um bom profissional nunca deve deixar que o erro lhe afete emocionalmente, vindo até mesmo a prejudicar seu trabalho. Uma falha nunca poderá lhe influenciar aponto de comprometer seu rendimento na empresa.

Quando cometer um erro, o primeiro passo é ter a humildade de assumi-lo e se for o caso, comunicá-lo a outros setores, caso seja um erro que venha a afetar outras partes da empresa.

Mas não se pode ficar perdendo tempo, batendo no peito por ter errado, é preciso atitude! Você tem que fazer algo, o mais breve possível para corrigir o erro ou ao menos amenizar a situação. Para saber lidar com suas falhas no trabalho, é preciso deixar de lado a arrogância, a prepotência e principalmente, saber ouvir seus companheiros de trabalho, pois é muito comum que diariamente cometamos as mesmas pequenas falhas, mas basta o alerta de um colega para mudarmos de atitude.

Todo mundo está sujeito a erros no ambiente de trabalho e tenha consciência de que quanto mais elevado for o posto mais as falhas serão percebidas e mais graves serão as consequências, mas isso não significa que funcionários de postos mais baixos não precisam ficar atentos, muito pelo contrário!

O profissional que deseja realmente crescer profissionalmente, independente do cargo que ocupa, está sempre atento para evitar erros e quando estes acontecem, o profissional tem uma atitude de humildade e principalmente de agilidade, tomando todas as providências necessárias em tempo hábil para resolver o erro cometido.

Lidar com suas falhas no trabalho é uma batalha diária, que nunca será vencida, por isso mantenha sempre o foco no trabalho, a atenção nunca deve estar dispersa e se mesmo assim a falha vier a acontecer, mostre-se um verdadeiro líder, capaz de assumir e resolver problemas, inclusive quando resultantes de suas próprias falhas.

Por Russel


Manter a rotina no dia a dia do trabalho pode ocasionar o comodismo e atrapalhar o desenvolvimento profissional. Por isso, é preciso saber quando sair da rotina.

A rotina é um veneno para o sucesso profissional! Claro que dominar bem suas funções é primordial, a rotina do dia a dia vai ajudando o profissional a aperfeiçoar-se, mas chega a um ponto que a história muda e o que antes ajudava agora atrapalha.

Quando você chega ao trabalho e o cérebro já sabe exatamente o que fazer, quando fazer e como fazer, então a rotina começa a alimentar o comodismo, o profissional vai se acomodando e o sucesso profissional que sempre requer novos desafios, acaba ficando em segundo plano.

Até certo ponto, a rotina é importante para que o profissional adquira conhecimentos, segurança, determine as melhores formas de executar sua tarefa, porém, a rotina tem um limite e o profissional é quem define quando a rotina está matando seu sucesso profissional.

Quando você perceber que a rotina não dá mais espaço para a inovação, é preciso ligar o sinal vermelho! É hora de analisar novas formas para fazer o que é feito de forma rotineira, tentar encontrar uma forma de fazer mais rápido, com mais economia, enfim, colocar o cérebro para trabalhar não deixando que a rotina o sufoque.

Se você olha sempre para o mesmo lugar, verá sempre as mesmas coisas, isso é óbvio. Mesmo que ótimas oportunidades passem ao seu lado, você não as verá, porque está mergulhado na rotina.
Seguir o trilho nos dá segurança, mas a carreira muitas vezes pede para sairmos desta zona de conforto para enfrentarmos novos desafios.

E muitas vezes o grande culpado por nos manter nesta rotina é o medo de errar. Ele nos aterroriza, nos faz olhar para o futuro com uma insegurança muito grande e quanto maior a insegurança mais nos agarramos à rotina.

Quando nos apegamos à rotina, deixamos de lado:

– Novas oportunidades que podem nos levar ao sucesso;

– Aprendizado, que pode nos levar ao sucesso;

– Novas experiências, que podem nos levar ao sucesso;

– Tudo aquilo que nos faz crescer profissionalmente, porque o crescimento requer aprendizado, tentativas, erros e tropeços.

Sair da rotina é preciso, claro que tendo cautela para não prejudicar tudo aquilo que já foi conquistado.
Para sair da rotina não precisamos começar a errar, pelo contrário, a rotina é que nos garante maior chance de acerto, deixar a rotina é se arriscar mais, é não se acomodar, é estar sempre buscando um novo aprendizado.

Por Russel


É necessário pensar positivo e ter atitudes que favoreçam sua motivação em tempos que o Brasil passa por crise econômica.

O ano já está na metade e todos já sentiam qual seria o clima de 2015, a crise tem atingido todos os tipos de negócios. Está nos noticiários, quando você passa pelas ruas ou em conversas entre amigos, você consegue perceber que todos estão sendo atingidos pela crise financeira. Mas em um ano com tantas complicações, como se manter motivado?

Em tempos difíceis, é importante não deixar o pessimismo tomar o controle de suas ações. A crise é uma reação em cadeia, atinge todas as pessoas em todas as áreas e você tem que estar consciente disso. Também deve saber que você pode reagir, reorganizar suas economias e preparar estratégias para combater a crise, e isso é o mais aconselhável a se fazer no momento. Também é preferível não correr grandes riscos e se manter mais estável, mesmo com todos já tomando essa postura.

Se o recesso na economia é uma verdade, também devemos levar em conta que isso não significa ter só prejuízos, encarar o cenário econômico de outra forma pode te ajudar a passar por esse ano difícil, o ideal é manter uma atitude positiva mesmo em meio aos problemas que estão surgindo, dar o seu melhor para reorganizar sua vida. O pensamento positivo funciona para que você encare esse momento com outros olhos, dessa forma a crise pode te atingir com menos impacto e você ter uma maior estabilidade tanto na sua vida financeira quanto na sua vida profissional.

Adotar essa postura positiva não é uma tarefa fácil, principalmente porque muitos problemas ainda podem aparecer por conta deste ano de crise, ainda as constantes más notícias econômicas tomando conta do nosso dia a dia. A postura positiva e para frente é uma forte arma que você tem para combater a crise. Por isso aprender a usá-la significa ter um forte aliado na guerra contra o retrocesso financeiro que vem acontecendo nos últimos meses.

Por Tom Vitor de Freitas


Ser influente no trabalho é saber lidar com profissionais de perfis diferentes, saber administrar uma boa rede de contatos e querer que a empresa prospere.

Todo profissional que almeja o sucesso precisa ser uma pessoa mais influente no trabalho e para isso é preciso que ele trabalhe vários pontos como, por exemplo, ser capaz de lidar com profissionais de diferentes perfis, ser capaz de administrar uma boa rede de contatos, ser sincero sem humilhar as pessoas, entre outras características irão tornar você um profissional mais fluente, mas não basta isso.

Um profissional começa a ser referência para seus colegas de trabalho quando ele demonstra segurança na função que desempenha e para conquistar essa tão cobiçada segurança é preciso que o profissional invista em "aprendizado".

Fazer cursos profissionalizantes é uma das formas de garantir um melhor aprendizado e quem domina seu trabalho realiza as tarefas com desenvoltura e ganha a confiança dos colegas de trabalho e este já é um importante passo para se tornar mais influente dentro da empresa, pois você passará a ser visto por todos como um profissional que realmente sabe o que está fazendo.

Outro fator determinante que transformará você em uma pessoa mais influente no trabalho é o “tempo”. Não adianta querer chegar no seu novo emprego e querer mostrar em alguns poucos dias todas as suas qualidades, impondo o seu modo de trabalhar e querendo ser o centro das atenções! Isso só vai lhe tornar antipático diante de todos.

Seja paciente, humilde e colaborativo! Não queira ser o dono da verdade, não imponha sua forma de trabalho e aprenda a dialogar com seus colegas. Interesse-se pelo trabalho deles, escute-os com atenção e os valorize!

Ser influente não é ser o centro da empresa, isso não existe! Ser uma pessoa influente é ser aquele funcionário que é querido por todos ou pelo menos, pela grande maioria.

Procure deixar bem claro para a empresa que o seu interesse maior é fazer com que a empresa cresça! Como você quer se tornar influente se seus superiores não conhecem suas intenções?

Mostre que você está ali para fazer a diferença, que pretende utilizar todo seu conhecimento, experiência e criatividade para ver a empresa prosperar, assim você será visto com outros olhos e, com certeza, passará a ser influente em seu trabalho.

Por Russel


No trabalho ou após uma entrevista de emprego, é comum sentir a necessidade de ter um feedback, mas é preciso saber o momento certo e como pedir.

O feedback é muito importante, pois é esta a melhor forma de saber como está seu desempenho no emprego ou como se saiu em uma entrevista de emprego. Acontece que nem sempre a empresa dá esse feedback e o empregado ou candidato à vaga de emprego fica em dúvida sobre se deve cobrar este feedback e, principalmente, como fazer a cobrança corretamente.

Para quem já está empregado, o ideal é saber aguardar o momento exato para procurar seu superior e ter uma conversa rápida, objetiva, dizendo que você gostaria de ter um retorno, para saber onde ainda precisa melhorar. Evite estas conversas quando perceber que seu superior ou patrão, estiver mais irritado ou atendendo algum cliente ou fazendo algum serviço mais importante. Se for o caso, peça para agendar um horário com você, assim poderão tratar do assunto com mais tempo.

Quando for marcar um horário, já adiante do que se trata o assunto, para não haver nenhum mal entendido, pois vai que o patrão comece a imaginar que você está querendo pedir um aumento. Diga que deseja ter uma conversa com ele e que se trata do seu trabalho e gostaria de saber a opinião dele. Desta forma você estará sendo o mais objetivo possível e já começando a abordar o tema.

Quando procuramos nosso superior ou patrão para pedir um feedback do nosso trabalho, não estamos dizendo a ele que queremos elogios, pois isso é importante que você esteja preparado tanto para receber elogios como também para receber críticas, aliás, o feedback neste caso serve mais para receber críticas, então seja mais compreensivo, se for preciso anote todos os itens que foram apontados, os quais você precisa melhorar e no final da conversa formalize a sua intenção de melhorar e que irá trabalhar os pontos mencionados para que seu trabalho vá se aprimorando.

O que você deve evitar neste momento é discordar, afinal, você procurou a pessoa e marcou um horário para ouvi-la, então ouça tudo atentamente, anote para ela perceber que você está tendo interesse e posteriormente, analise o que deve ou não ser mudado. Se preciso, marque uma segunda conversa depois para expor suas ideias.

E para aqueles que ainda estão em busca de emprego, que já fizeram sua entrevista mas ainda não receberam um feedback do recrutador, basta agir naturalmente, entrando em contato com a empresa e solicitando falar com a pessoa com a qual fez a entrevista. Se ela não puder lhe atender, procure saber qual o melhor horário para você ligar.

Basta ser gentil, pois é normal que você queira o feedback, afinal, está precisando do emprego e isso também demonstra interesse de sua parte em trabalhar na empresa.

Por Russel


Ter estabilidade no emprego é o que todos desejam, por isso ela é considerada a maior preocupação dos trabalhadores.

Os estudos no campo sociológico ligado ao mundo do trabalho têm sido unânimes em apontar que uma das preocupações mais evidentes dos trabalhadores é com a questão da estabilidade empregatícia. Os empregados também reconhecem essa verdade social, e muitas vezes lidam com ela como se estivessem diante de mais uma moeda de troca das relações trabalhistas. O fato é que, em tempos de recessão econômica elevada, mais ainda se eleva o medo do desemprego por parte das classes trabalhadoras.

Não estamos discutindo sobre um fenômeno recente. Desde que o capitalismo é capitalismo (vide as teorias de Karl Marx e tantos outros filósofos sociais), o sistema é assim: vivemos em um mundo onde a principal ferramenta de sobrevivência dos homens é a sua força de trabalho. E quando essa força de trabalho não encontra “compradores” que possibilitem como retorno o ganho de uma remuneração, a tendência que se esboça é a de desajuste social. As filas de pessoas disputado poucas vagas oferecidas nas agências de emprego de grandes centros urbanos demonstram claramente que hoje não apenas existe o dilema de se conseguir um emprego, mas também o de mantê-lo por um bom período de tempo.

A instabilidade empregatícia do setor privado, por exemplo, é o grande motor que empurra, todos os anos, no Brasil, multidões de candidatos a disputarem as vagas abertas nos órgãos públicos de todas as esferas do poder. Os concursos hoje são a única garantia de estabilidade no trabalho que se tem notícia. Fora isso, todo o resto é apenas a expectativa de algo bastante durável.

Por outro lado, há profissionais que acabam aprendendo a lidar com essa incerteza. É o caso, por exemplo, de comerciantes, autônomos, algumas classes de profissionais liberais e até mesmo os trabalhadores temporários, conhecidos hoje mais como freelancers. Para essas categorias, já não existe tanto assim aquele medo de ficar desempregado, pois a dinâmica socioeconômica a que estão subordinados acaba ensinando-lhes que o melhor caminho a seguir e persistir em meio à incerteza.

Acontece que esta não é uma realidade aplicável à maioria dos trabalhadores do mundo. Pertencemos a todo um sistema que propicia a existência plena das relações de trabalho tal como elas hoje se nos apresentam (um patrão, um empregado e a luta digna por um salário e a manutenção de toda essa harmonia social). Portanto, como sabemos que as crises são momentâneas, resta-nos torcer para essa crise da instabilidade logo seja atenuada.

Por Alberto Vicente


É importante saber como e o que analisar se vale a pena mudar de cidade por uma proposta de emprego.

Você há de convir que não é todo dia que surge aquela oportunidade de emprego pela qual já vinha há um bom tempo esperando. E também não é todo dia que você vai precisar escolher mudar de cidade para essa oportunidade se concretizar. Mas esporadicamente essa possibilidade existe e, antes de você agarrá-la com toda sua força, o que precisa ser avaliado? Vale mesmo à pena mudar de cidade para aceitar uma proposta empregatícia atraente?

Essa situação tem dois lados: um é bem mais confortável; o outro é relativamente lamentável. Confortável se o profissional estiver aceitando uma proposta que o faça sair de sua cidade pequena e pouco desenvolvida para uma grande cidade, onde inclusive a primeira proposta pode até acabar sendo o começo de uma história de um sucesso ainda maior. Lamentável, se o profissional tiver que fazer o percurso oposto: ele sai de sua grande cidade, onde ganhava até pouco, mas tinha plano de saúde com cobertura boa, atrativos comerciais e de lazer, transportes e educação com maior comodidade, para uma pequena cidade, a exemplo daquelas bem remotas do interior do Brasil, onde o único percurso possível é do trabalho para casa, já que não há outros atrativos e que tudo depende de se deslocar para uma outra cidade.

Para os confortavelmente situados de hoje, não teríamos nada a acrescentar. Porém, para os demais, deve-se considerar atentamente alguns aspectos.

Uma primeira situação é a do profissional recém-formado, que mora numa cidade grande, onde o mercado de trabalho está saturado, como geralmente tem acontecido. Para esse perfil, procurar oportunidades fora do local de origem é um bom negócio, independente se a escolha for para uma outra cidade mais desenvolvida ou menos. Isso tem acontecido com muitos concurseiros, que têm optado por fazer concursos em regiões onde a atratividade é menor, diminuindo a concorrência “candidato x vaga”. Isso tem acontecido com alguns profissionais liberais recém saídos das universidades, que renunciam por um tempo os atrativos dos grandes centros e acabam encontrando mais espaço para desenvolver suas habilidades em locais onde é menor a oferta de mão de obra.

Uma outra situação envolve aqueles trabalhadores que possuem família. Aqui, o assunto precisa ser bem conversado e com uma boa antecedência. Os especialistas recomendam, por exemplo, que tais profissionais visitem com suas famílias a cidade para onde pretendam residir a trabalho. Sabemos que uma primeira impressão pode contribuir para o fechamento da decisão a ser tomada. Avalie o que puder no local: escolas, serviços de saúde, órgãos públicos e o que mais chamar a atenção, capaz de fazer falta durante a transição (há igrejas, clubes, hoteis, bares, teatro, casas de espetáculos, etc?).

Um terceiro e último aspecto que precisa ser considerado é o seguinte (e tem tudo a ver com dinheiro): se o profissional está tentado a aceitar o futuro novo emprego é porque julgou que será bem pago, se comparado ao valor que atualmente está recebendo no emprego que já tem. Mas aí é que pode morar o perigo. Esse profissional terá que ter o bom senso de avaliar (no papel ou na planilha financeira, de preferência) se valerá mesmo à pena se mudar, ou seja, será que na cidade para onde vai há uma boa cobertura para o meu plano de saúde? Será que, subtraindo o aluguel, as despesas domésticas, o custo de vida no local e as necessidades de descolamento para os grandes centros, ainda sobrará uma boa quantia, capaz de fazer esse profissional concluir que o retorno esperado realmente acontecerá?

Pense em tudo isso e tome a decisão certa!

Sucesso!

Por Alberto Vicente


É possível se tornar um profissional mais eficiente acrescentando novos hábitos na sua rotina.

Já pensou em aumentar a sua eficiência no trabalho? As pessoas bem sucedidas costumam ter hábitos próprios, tanto na vida pessoal quanto na profissional. Por exemplo, elas são bem controladas na sua produtividade, e sabem que o tempo é um recurso valioso, ou seja, não ficam desperdiçando-o. Que tal se tornar uma pessoa mais eficiente, acrescentando novos hábitos ao seu cotidiano? Confira as dicas!

– Organização: fundamental para a sua rotina.

Os profissionais eficientes devem ser organizados, ou seja, devem planejar o seu dia. Quando as pessoas não organizam o seu dia, elas ficam mais dependentes e vulneráveis das tarefas, sobretudo se acontece algum imprevisto. Portanto, organize a sua rotina por meio de uma planilha ou agenda. Tenha controle das suas tarefas, prazos, relatórios, reuniões, entre outros.

– Saiba falar não!

Você assume compromissos que não pode cumprir? Leva trabalho para a casa? Que tal aprender a falar não? As pessoas eficientes devem ter senso de responsabilidade e não querer carregar o mundo nas costas. Desta forma, a tarefa que não se encaixar no seu tempo cumpra-a depois, e saiba dizer “não” para as pessoas.

– Tenha equilíbrio.

Tenha equilíbrio para todas as áreas da sua vida. Saiba conciliar a sua vida pessoal com a profissional e reserve um tempo para o lazer. Ao ficar por conta do trabalho, você esquece outros hábitos importantes da vida. Portanto, aproveite o fim de semana em família, viaje para relaxar, faça atividades físicas. O estresse afeta a produtividade no trabalho e como consequência atrapalha o rendimento.

– Saia da zona de conforto.

Quem quer atingir o sucesso, precisa sair da zona de conforto. Assim, os profissionais produtivos e eficientes sabem que isso é necessário para encontrar soluções e resultados melhores. Portanto, saia da rotina e do comodismo e não tenha medo de encarar novos desafios na sua vida profissional, mesmo que isso tome o seu tempo.

Boa sorte e muito sucesso!

Por Babi


Uma das dicas para utilizar seu tempo de forma proveitosa é estudar um outro idioma. No mercado de trabalho atual é preciso saber pelo menos mais um idioma, por isso escolha o que acha mais interessante.

Você já parou para pensar como utiliza seu tempo? Será que de forma correta e proveitosa? Mas como? Tudo depende de onde você quer chegar e como. Aplicar seu tempo livre nos estudos é o primeiro caminho. Estude línguas, inglês hoje em dia é essencial, se você não o tem comece agora, se já tem aprimore seus conhecimentos, estude inglês técnico, conversação. Boas oportunidades podem surgir com o domínio da língua, talvez esse possa ser o diferencial entre candidatos de peso em uma entrevista de emprego.

“Mas o inglês eu estudo desde criança”, você pode estar pensando. Então escolha outro idioma. Desde que a China abriu suas fronteiras e possibilidades mercadológicas, grandes empresas desse país estão atuando em diversas partes do mundo, e, é claro, no Brasil. Sendo assim, noções de mandarim podem ser bem interessantes, e deixar seu tempo livre com um toque especial para subir mais um degrau na sua carreira.  

Pelas mesmas razões, aplique seu tempo no estudo de línguas sim, mas não deixe de estar por dentro das notícias, leia, leia muito. Se intere de tudo que acontece no Brasil e no Mundo, um profissional bem informado pode encher os olhos dos empregadores. Podem te ajudar a desenrolar uma conversa bastante específica.

Quer outra opção? Se pensarmos em uma língua mais familiarizada com a nossa, pensamos no espanhol. Apesar de alguns obstáculos, o MERCOSUL ainda abre bastantes portas e possibilidades, ter o domínio desse idioma pode eliminar as fronteiras que ainda restam.

Claro que devem existir momentos para lazer, família, esportes, mas não se esqueça de separar uma parte do seu tempo livre para impulsionar sua carreira. Durante a leitura, por exemplo, por que não apostar em livros no idioma escolhido? Escute música da mesma forma, veja filmes sem legendas, tudo no idioma foco de suas escolhas. Qual língua é a melhor? O mercado tem possibilidades para todas, certamente a sua carreira deve chamar por uma delas.

Por Vivian Schetini


As Redes Sociais Corporativas podem auxiliar a empresa e aumentar a produtividade dos funcionários, porém, é preciso saber utilizá-las da melhor forma possível.

Todos já conhecemos os benefícios que as redes sociais trazem para as nossas vidas. Entretanto, todos conhecem também os potenciais malefícios advindos do uso dessas ferramentas. O fato é que hoje, parece ser inconcebível alguém não possuir sequer um perfil em algumas das muitas redes disponíveis. Essa mentalidade que prima pela integração, por conseguinte, não poderia ficar de fora do ambiente corporativo. As Redes Sociais Corporativas são uma tendência do mundo do trabalho contemporâneo e o seu crescimento tem sido estudado por especialistas.

Seja o simples mensageiro instantâneo que o funcionário abre todos os dias úteis para se comunicar com um grupo de colegas de empresa, sejam as redes sociais completas, nas quais é possível conhecer um pouco das características de cada colaborador, o importante é se manter conectado. Apesar de ser um recurso rico de possibilidades, as redes corporativas introduziram no ambiente de trabalho um novo modo de enxergar os dois fenômenos revolucionários da atualidade: a internet e a intranet.

Mas você, funcionário, tem utilizado a sua Rede Social Corporativa para fazer aquilo que favoreça a sua produtividade? Ela tem sido um canal poderoso para, por exemplo, você conquistar mais clientes e criar uma cadeia de contatos de excelência. Ela tem sido utilizada para levar o seu chefe a reconhecer determinadas qualidades ou defeitos em você?

Torçamos para que o lado positivo dessa ferramenta prevaleça na sua vida. Porque se assim estiver acontecendo, com certeza o seu papel na empresa tem sido o de encurtar as distâncias e o de reduzir os custos operacionais relacionados às tarefas comunicativas do dia a dia. E, é claro, as redes corporativas têm permitido a consolidação de novos negócios, agregando valor ao seu serviço.

Especialistas têm apontado que, com a afirmação das Redes Sociais, novas possibilidades documentais têm sido criadas, a exemplo, da necessidade de utilização de outros tipos de mídias, que não apenas os textos convencionais, mais associados à intranet.

Outro fator favorável no uso dessas redes diz respeito à interatividade entre os próprios colaboradores e parceiros, desde que isso não seja obscurecido pelo foco em aspectos geralmente irrelevantes da comunicação como, por exemplo, as conversações sobre assuntos ligados ao ambiente exterior ao trabalho em si.

Tal interatividade é poderosa em diversas situações do mundo corporativo, como aquelas em que um determinado executivo necessita apresentar um projeto para colaboradores que estejam espalhados por filiais existentes em locais muito distantes. Com isso, o ganho de tempo e a redução de despesas são as principais vantagens.

Como se pode ver, as redes sociais corporativas vieram para ficar, pois seus benefícios superam os malefícios, uma vez que estes têm demonstrado ser facilmente sanáveis.

Por Alberto Vicente


Um profissional inovador faz a diferença em seu ambiente de trabalho. Ele tem a capacidade de transformar algo comum em dinâmico e produtivo, agregando valor no resultado final.

O que é um profissional inovador? É o que estimula, orienta e sabe usar a criatividade da maneira certa no ambiente de trabalho. Ele tem a capacidade e habilidade de transformar um processo comum, em algo dinâmico, produtivo e que vai agregar valor para o cliente. Que tal conferir algumas dicas de como ser um profissional inovador e se destacar na sua empresa?

– Você realmente quer?

Querer é poder, e para isso, só depende de você e de suas atitudes. O profissional precisa ter a convicção que precisa mudar e planejar as mudanças necessárias, para alcançar o que realmente deseja. Desta forma, ele vai poder encontrar as condições necessárias que precisa para implementar as mudanças e desenvolver a direção.

– Você é curioso?

O profissional inovador precisa ser curioso, estar atento aos detalhes, correr riscos, ser persistente e ter flexibilidade. Por isso, ele precisa manter a mente aberta, fazer questionamento e gostar de encarar desafios.

– Qual a sua estratégia?

O profissional precisa planejar estabelecer os seus passos, buscar as respostas desejadas e assim estabelecer uma estratégia de inovação. Além disso, ele precisa ter conhecimento e ser observador, para que boas ideias possam surgir. O profissional inovador deve estudar olhar o passado, ter um bom conhecimento do presente e tentar pensar no futuro, para tomar as melhores decisões.

– Como é o seu relacionamento na empresa?

O profissional deve estabelecer bons relacionamentos na empresa em que trabalha. Por isso, esteja atento às necessidades da sua equipe de trabalho e através dos relacionamentos profissionais busque gerar e desenvolver novas ações. Portanto, é fundamental cuidar do seu networking. Quer aumentar os seus contatos profissionais? Invista em networking, congressos, palestras, entre outros eventos corporativos.

– A sua empresa é inovadora?

Se você é um profissional que tem o perfil inovador, busque por Organizações que invistam em criatividade e gostam de inovação. Assim, você vai poder colocar as suas ideias em prática e conferir os resultados. 

Por Babi


Os candidatos a uma vaga de emprego devem levar em consideração alguns aspectos sobre a vaga e sobre a empresa antes de se candidatarem a ela.

A busca pelo emprego está cada vez mais difícil, com muitos candidatos à mesma vaga, por isso a tendência é que aceitemos a primeira proposta de emprego que nos fazem, mas por mais difícil que esteja a situação do profissional, é preciso analisar bem a proposta de emprego recebida, para não vir a se arrepender posteriormente.

De praxe, os candidatos que se lembram deste pequeno, mas importante detalhe, consideram os quesitos principais, sendo eles: salário, benefícios, carga horária e distância da empresa.

Realmente, é impossível não considerar estes quesitos, pois se o salário não atende suas expectativas ou necessidades, nem adianta aceitar o emprego na esperança que haja um aumento de salário em um curto espaço de tempo.

Também não se deve aceitar um emprego, cuja empresa se localiza a uma distância muito grande da residência do funcionário, a não ser que o cargo seja muito importante, o salário bem atrativo, ao ponto de justificar até uma mudança para mais perto da empresa.

Mas só isso não é suficiente, é preciso considerar muito mais, antes de se candidatar a uma vaga de emprego, por exemplo, a responsabilidade que será exigida no cargo e os desafios que serão enfrentados.
Sempre que iniciamos em um emprego, temos diante de nós muitos desafios e é importante conhecer ao menos um pouco do que nos espera, quais são os desafios que teremos que enfrentar e o que a empresa espera de nós ao ocuparmos aquele cargo.

Há vagas de emprego, onde o candidato que vier a ocupar o cargo terá que viajar constantemente, ou terá que fazer hora-extra, etc. Outras vagas oferecem riscos, são mais estressantes, etc.
Então não espere ocupar o cargo para se informar sobre os desafios, antecipe tudo isso para ver se realmente, vale a pena se candidatar àquela vaga.

E também é importante considerar a possibilidade de construir sua carreira dentro daquela empresa, afinal, você não vai querer ficar "estacionado" em sua vida profissional. Você irá fazer sua parte, realizando cursos profissionalizantes, participando de palestras e eventos para manter-se atualizado, mas será que a empresa irá lhe oferecer uma estrutura onde você possa desenvolver todo seu potencial?
E principalmente, a empresa terá campo para você crescer profissionalmente, oferecendo-lhe melhores cargos e salários mais vantajosos?

Verifique tudo isso com antecedência, assim você estará garantindo um futuro profissional mais promissor.

Por Russel


Diversos fatores podem levar a uma demissão por justa causa e prejudicar a carteira de trabalho do profissional.

Ser demitido é um acontecimento natural na vida de qualquer trabalhador, mas a demissão por justa causa é uma anotação na carteira, que pode “sujar” completamente a carteira de trabalho do trabalhador. A justa causa é uma anotação que indica que o trabalhador teve um comportamento inadequado ou rompeu com alguma regra de conduta essencial na empresa.

Você sabe quais os principais fatores que podem levar a uma demissão por justa causa? Confira abaixo:

1 – Indisciplina:

Insubordinação às normas da empresa ou atos constantes de indisciplina. É preciso estar bem atento às regras comportamentais de cada empresa.

2 – Desleixo:

Atrasos constantes, faltas não justificadas constantes e produtividade baixa. Esses fatores demonstram que o funcionário não tem comprometimento com o trabalho e se recorrentes podem levar à demissão por justa causa.

3 – Abandono de trabalho:

É caracterizado pela falta do funcionário por 30 dias seguidos ou pela sua ausência ao final de algum benefício previdenciário.

4 – Prisão:

Se o funcionário for condenado à prisão, em regime fechado, e com pena que não cabe mais recurso, seu empregador poderá lhe demitir por justa causa.

5 – Embriaguez:

O funcionário que apresenta embriaguez comprovada durante o expediente de trabalho também está sujeito à demissão por justa causa, amparada por lei.

6 – Falta de discrição:

Se o funcionário divulga informações confidenciais sobre a empresa, que tragam prejuízo ou qualquer outro tipo de dano, a empresa pode também lhe demitir por justa causa. Por outro lado, segredos pessoais dos gestores não configuram motivo por justa causa.

7 – Agressão:

A agressão a qualquer colega ou superior dentro ou fora do ambiente de trabalho é considerada falta grave e é amparada por lei a demissão por justa causa nesses casos. Não é preciso que haja ferimento ou lesão corporal. Se um colega esmurrar o outro e houver testemunhas a justa causa se aplica.

8 – Jogos de azar:

Poucas pessoas sabem, mas jogar baralho ou os considerados “jogos de azar” pode ser considerada falta grave e levar à dispensa do empregado, por justa causa, desde que a produtividade do trabalho seja atingida.

Pequenos detalhes podem fazer a diferença entre uma demissão comum e uma por justa causa. É preciso estar atento e conhecer seus direitos. Caso você esteja sob o risco dessa anotação na carteira de trabalho, o aconselhável é que a lei seja consultada para esclarecer alguma possível dúvida.

Para que o risco da justa causa passe bem longe de sua carteira de trabalho, basta tomar os cuidados necessários e efetuar sua função com responsabilidade.

Por Patrícia Generoso


Sua vida pessoal afeta o seu desempenho no trabalho, por isso é importante que tudo esteja em equilíbrio.

O seu desempenho no trabalho depende, dentre outros fatores, também da sua vida pessoal. Se sua vida pessoal anda mal, provavelmente seu desempenho será afetado. É necessário um investimento pessoal, para que todas as outras áreas de sua vida sejam beneficiadas. Separamos algumas dicas para aumentar sua satisfação pessoal:

– Não tenha pensamentos negativos:

Todos nós alguma vez na vida já ouvimos que pensamentos ruins atraem coisas ruins e o mesmo acontece quando temos pensamentos bons. Essa crença popular pode sim influenciar sua vida. Quando temos uma postura mais otimista, tendemos a pensar de forma mais aberta e ficamos mais sujeitos a bons acontecimentos. Tente eliminar o excesso de pensamentos negativos de sua vida.

– Valorize seus pontos positivos:

Todos nós temos qualidades pessoais de que nos orgulhamos. Que tal começar a valorizar esses pontos ao invés de reparar nos seus defeitos? Valorizar as qualidades é o primeiro passo para se sentir bem consigo mesmo e ter uma vida mais saudável e produtiva.

– Tenha um Hobbie:

Se sua vida gira em torno de trabalho, estudos e família, provavelmente haverá horas em que o cansaço do dia a dia o atingirá, fazendo com que o peso das responsabilidades seja maior. Que tal investir algum tempo em algo que lhe dê prazer? Pode ser uma coleção, algum tipo de jogo, ou alguma atividade esportiva prazerosa. O importante é redescobrir seus gostos pessoais, brincar novamente, como uma criança! Sua autoestima irá agradecer!

– Cuide de sua aparência:

Está acima do peso? Tem algum problema no visual? Seu cabelo não lhe agrada? Algum desses fatores te incomoda?  Tire um tempo para resolver esses problemas. Uma autoimagem positiva é uma das melhores formas de ser bem sucedido pessoalmente. Uma pessoa que tem segurança em sua imagem passará esse sentimento para as outras pessoas, além de se sentir muito mais realizada.

– Ajude os outros:

Está se sentindo desmotivado? Acha que algo falta em sua vida? Que tal separar um tempo para fazer obras sociais? Seja visitar um asilo ou um orfanato, distribuir roupas e alimentos aos mais necessitados, ou ajudar algum colega de trabalho ou parente que precisem de apoio emocional. O importante é se sentir bem e ter a sensação de estar sendo útil.

Seja qual for o caminho escolhido por você é importante notar que a satisfação pessoal está intimamente ligada com se autoconhecer. Se você ainda não tem seu autoconhecimento, tire algum tempo para ir em busca dele, para saber quais das opções acima mais se adaptam ao seu estilo de vida.             

Por Patrícia Generoso


O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo, e ter algumas habilidades que façam o profissional se destacar fazem a diferença.

O mercado de trabalho atual está bastante competitivo e exigente em relação às habilidades dos profissionais. Quanto mais completo o profissional é, mais oportunidades estarão disponíveis. Principalmente as grandes empresas, estão mais exigentes em relação à formação de seus funcionários. Mas não é somente a formação acadêmica que está sendo considerada primordial nos profissionais atuais. Há diversas outras qualidades e habilidades essenciais para se destacar.   

Os valores também não são esquecidos, em um mundo cada vez mais corrompido. Honestidade, empatia, liderança, paciência, iniciativa, persuasão, entre diversas outras estão entre os traços de personalidade mais visados pelas empresas. No entanto, há algumas habilidades que podem ser consideradas essenciais em qualquer profissional, seja qual for sua área de atuação. Veja abaixo cinco habilidades para que você consiga se desenvolver no mercado de trabalho:   

1. Seja comunicativo:

Ser comunicativo não quer dizer que você deve falar o todo tempo. Um bom comunicador sabe a hora de se posicionar. É muito levar a opinião de outros em consideração e demonstrar isso em suas conversas. A habilidade de se comunicar bem com sua equipe de trabalho lhe dará muitas outras oportunidades, além de proporcionar um excelente ambiente de trabalho.   

2. Seja inovador:

Pense em soluções criativas para diferentes tipos de problemas. Comece por coisas simples em sua rotina pessoal. Com o tempo você conseguirá levar tal habilidade para o ambiente profissional, beneficiando a empresa que você trabalha. Lembre-se que profissionais inovadores que produzem soluções para as empresas são muito valorizados.   

3. Tenha o máximo de conhecimento em informática:

Em um mundo cada vez mais tecnológico não há como dispensar tal habilidade. Profissionais que obtêm um bom conhecimento em informática certamente estão à frente dos outros. Além disso, eles podem resolver pequenos problemas que poderiam prejudicar a produtividade caso uma equipe de T.I. tenha que se deslocar para resolvê-los.   

4. Seja prestativo:

Deixe de olhar apenas para o seu nariz. Procure trabalhar de uma forma colaborativa com sua equipe de trabalho. Ajude um colega caso ele precise e peça sua ajuda. Não o encare como um concorrente, mas como um parceiro para ajudá-lo a conseguir seus objetivos. Crescer junto é muito mais fácil e sólido do que se aventurar sozinho. Profissionais prestativos são mais amados e respeitados, visto que contribuem para o bom andamento da empresa.   

5. Saiba tomar decisões:

Planeje e conduza projetos de uma maneira crítica, mas sem exageros. Seja realista sempre. Elabore soluções para eventuais problemas e esteja atento o suficiente para detectá-los. Manter o foco e ser objetivo são características presentes em profissionais que tomam boas decisões.

Por William Nascimento


Fazer análises sobre o comportamento e se autoconhecer ajudam a encontrar seus verdadeiros talentos.

Todos nós temos talento, e isso é fato. Saber o que mais gostamos de fazer e o que nos faz sentir bem é um caminho para descobrirmos quais são nossos talentos, porém existem muitas outras coisas que podem nos ajudar a encontrar e descobrir em que somos realmente bons. Mas quais são eles?

– Conheça suas ambições:

Ambição é uma palavra perigosa e que algumas vezes pode ter uma conotação ruim. Não é esse o caso, com ambição aqui queremos dizer seus objetivos e sonhos, o que você deseja conquistar. Talvez o seu talento especial seja exatamente o que vai te fazer chegar aonde você quer, não tenha medo de se perguntar se o que faz atualmente é o seu verdadeiro sonho, questione-se e reflita sobre sua vida, só assim descobrirá seu verdadeiro talento.

– O que você gosta de fazer?

Fora da sua vida profissional, o que te dá prazer em fazer? Pense em seus momentos de lazer e em sua diversão, descubra o que te faz relaxar e se sentir bem, normalmente aquelas atividades que não te exigem nenhum esforço podem ser consideradas seus talentos. O autoconhecimento é uma ferramenta necessária para descobrir seu talento, pense sobre seus hobbies e sobre o que você faz nas horas vagas, descubra como isso pode ser usado a seu favor no ambiente profissional.

– Experimente:

Experimente coisas que você não conhece e que tem curiosidade, novos esportes, novos cursos, descubra novas áreas, sejam coisas fáceis ou difíceis, descobrir o novo também faz parte de descobrir novas partes de você que nem você mesmo conhecia, arrisque e percebe em que áreas você se dá bem ou não.

Como já dissemos, todos nós temos talentos e nem sempre nos conhecemos tão bem para saber quais são os que mais podemos aproveitar, por isso arrisque, conheça novas coisas e conheça a si mesmo, assim você poderá fazer o que mais gosta e ter uma vida mais feliz.

Por Tom Vitor de Freitas


É preciso muita organização e foco no que quer para conquistar seus objetivos. Com algumas dicas é possível organizar melhor sua vida e correr atrás do que realmente quer.

Todos nós temos metas, objetivos e sonhos, isso é normal de todo ser humano. Em diferentes níveis da vida, nós temos diferentes objetivos e metas, é o que nos motiva a continuar com um projeto, por exemplo. E quando o assunto é trabalho, existe algum segredo para alcançar esses objetivos? A resposta é não, mas existem dicas que te ajudam a organizar melhor sua vida e alcançar suas metas.

– Organize-se:

Tenha em mente o que você quer e não deixe coisas menores atrapalharem sua cabeça no trabalho, saber dividir as tarefas também é uma boa dica. Organização é uma palavra fundamental para você atingir os seus objetivos.

– Seja proativo:

Demonstre para seus chefes e superiores sua vontade de crescer, faça os seus trabalhos da melhor forma possível e se lembre de ser honesto no trabalho. Ser proativo é deixar que vejam todo seu potencial transformado na sua produção. Um grande passo para alcançar seus objetivos.

– Crie oportunidades:

Não espere que elas cheguem até você, faça as oportunidades aparecerem, de uma forma geral, isso significa correr atrás do que você quer. Também não seja tímido quando oportunidades aparecerem, é muito comum que alguns fiquem com um certo receio, mas tente sempre aproveitar o melhor do que você tem em mãos.

– Vida pessoal:

Não há como falar em subir em sua vida profissional sem mencionar sua vida pessoal, pois as duas coisas fazem parte de você. Cuide bem da sua saúde e esteja em dia com ela, seu corpo e sua mente são coisas muito importantes e te ajudam na hora de trabalhar, quando algo está errado com um dos dois, provavelmente trará consequências para o trabalho.

– Saiba o que quer:

Para finalizar, a coisa mais importante é saber exatamente o que são suas metas e seus objetivos, tenha isso muito claro na sua cabeça para saber quais são os passos necessários para se chegar lá. Depois disso o caminho fica mais claro e mais fácil de ser percorrido.

Por Tom Vitor de Freitas


Ser perfeccionista demasiadamente pode prejudicar o seu desempenho na empresa, mas é possível lidar com a situação.

Fazer as coisas com perfeição pode ser muito bom, mas em exagero, pode significar um problema, ainda mais no ambiente profissional. Ser muito perfeccionista significa que você provavelmente terá níveis de estresse e de ansiedade cada vez maiores ao longo de sua carreira. É comum confundir isso com busca pela excelência no trabalho, é importante saber que são duas coisas diferentes, buscar excelência não significa querer fazer tudo perfeito o tempo inteiro, mas dar o melhor de si para evoluir cada vez mais. Mas então como combater o perfeccionismo? Veja aqui algumas dicas!

– Avalie seu comportamento:

A dica mais importante tem que aparecer logo no início da lista: avalie se suas atitudes estão sendo perfeccionistas demais. Além de te prejudicar emocionalmente, como já citado aqui, isso pode abalar suas relações com os colegas de trabalho e até mesmo com seus superiores, que podem notar que você está muito estressado ou que seus trabalhos estão demorando a ser entregues.

– Reflita:

Essa dica pode soar um pouco abstrata, mas é muito importante. Você deve ter em mente que nem sempre o que é perfeito para você é o ideal para todos, muitas vezes um trabalho ou projeto precisa de mais rapidez e criatividade do que perfeccionismo nos mínimos detalhes. Refletir é essencial para saber se o que você está fazendo está prejudicando você ou até mesmo toda sua equipe.

– Mude seu comportamento:

Depois de percebido que você está sendo perfeccionista demais, você precisa se policiar. Para não afetar sua produção e nem as relações com as pessoas no trabalho, é essencial que essa mudança seja positiva, de forma que você consiga lidar com seu trabalho tendo níveis menores de estresse e ansiedade, se isso não acontecer, você apenas deixou de ser perfeccionista para ter outro vício, o que não é bom.

Existem ocasiões onde outras pessoas podem te ajudar também, mas saiba que você sozinho pode fazer isso, e é sempre melhor perceber e consertar seus erros.

Por Tom Vitor de Freitas


O profissional precisa cuidar da carreira e o primeiro passo é atualizar o currículo. Passar por uma demissão nunca é fácil, mas o profissional precisa ser otimista e manter o foco.

Não é fácil para nenhum profissional lidar com a demissão, principalmente se ela for inesperada, mas de toda forma, uma demissão nunca é bem-vinda e o profissional precisa estar preparado para seguir adiante e se não estiver preparado é melhor que o faço logo, pois não há tempo a perder.

A demissão afeta tanto o lado financeiro quanto o emocional, e a pior coisa que o funcionário faz nesta hora é ficar lamentando. É hora de ver que chegou ao fim a sua prestação de serviço naquela empresa, pode até ser que futuramente eles lhe chamem para uma nova entrevista, mas agora é hora de procurar um outro caminho para seguir.

E agora que foi demitido é hora de cuidar da sua carreira e o primeiro passo é atualizar o seu currículo, modificá-lo informando sobre a recente demissão e partir para uma nova oportunidade no mercado de trabalho.

Pode acontecer de você demorar bem mais do que gostaria para conquistar um novo emprego e enquanto espera, não poderá ficar parado, é importante investir em um trabalho freelance ou temporário, até porque você precisa de uma renda. E é importante incluir estes trabalhos em seu currículo, isso demonstra que você está sempre buscando alternativas.

Fazer cursos dentro de sua área de atuação é importante e mais ainda agora que foi demitido. A vantagem é que você vai ter mais tempo e pode investir em cursos online que são mais baratos e alguns até são gratuitos. O importante é continuar mantendo-se atualizado.

Importante também é você buscar boas referências, pois quando estiver em uma entrevista de emprego isso contará bastante. Tenha cuidado então quando for demitido, para continuar mantendo o bom relacionamento com a empresa onde trabalhava, pois ela poderá lhe ajudar, dando boas indicações suas para o seu novo empregador.

Por mais que você gostasse do antigo emprego, lembre-se que quanto antes você esquecê-lo, melhor, pois você precisará manter o foco agora em uma nova oportunidade!

Mantenha contato com seus ex-colegas de trabalho, pois eles poderão lhe ajudar a encontrar um novo emprego e procure manter-se animado, de bom humor e muito otimista, para que você cause boa impressão quando for a uma entrevista de emprego.

Por Russel


Pessoas comprometidas demonstram em atitudes no dia a dia e trabalham para conseguir bons resultados e melhorar o seu desempenho e de sua equipe.

Você é comprometido com os seus objetivos profissionais? Você sabia que o seu comprometimento está ligado ao seu sucesso no ambiente profissional? As pessoas que são comprometidas demonstram isso em atitudes durante o cotidiano e desta forma trabalham para conseguir bons resultados e melhorar o desempenho.

– Comprometimento x Sucesso

A falta de comprometimento gera desgaste de energia, tempo e falta de interesse. Quando os profissionais não estão comprometidos com a empresa ou com o sucesso da equipe, por exemplo, os resultados tendem a ser negativos. Além disso, também consome mais recursos do que o necessário para a Organização.

Portanto, o ideal é que o profissional estabeleça prioridades no trabalho, seja proativo e comprometido com a sua equipe para alcançar o sucesso. Ou seja, não aguarde até a sexta-feira para organizar a sua mesa ou terminar o relatório, inicie o quanto antes e dê o melhor de si durante o desempenho das suas atividades.

– Comprometa-se com o todo!

Você acha que depois que a sua parte do trabalho estiver pronta, os resultados podem ser alcançados? O trabalho de uma equipe comprometida é realizado pelo “todo” e não de forma individual. Portanto, depois que terminar a sua tarefa, que tal procurar auxiliar os outros profissionais?

É preciso firmar compromisso com o todo, caso contrário poderá estar jogando fora a sobrevivência da empresa e ela poderá ser fechada com o tempo. Portanto, cumpra os seus prazos, acordos e trabalhe em equipe, e não de forma individual.

– A falta de comprometimento pode contaminar o ambiente!

Quando um profissional não está comprometido com o objetivo da empresa, ele pode contaminar o resto do ambiente. Por isso, o líder deve procurar entender e conhecer a sua equipe de trabalho, estabelecer metas e desafios e auxiliar as pessoas na execução de suas tarefas. O sucesso de uma Organização está ligado ao comprometimento e ao trabalho em equipe de todos os profissionais.

Por Babi


Demissão inesperada é um pesadelo, mas manter a calma e usar a criatividade são pontos que podem auxiliar a superar este momento.

Em tempos de crise, todos os trabalhadores estão na berlinda, e demissões inesperadas acontecem, mesmo quando o trabalhador é um ótimo funcionário e tenta cumprir todas as suas obrigações com perfeição, pois em uma crise econômica, existe o tal corte de gastos e a redução de custos, mas você já parou para pensar o que fazer caso você seja demitido sem esperar?

Na maioria dos casos, a demissão inesperada é um pesadelo, principalmente, quando não há nenhum planejamento familiar ou aquela reserva de dinheiro tão necessária em tempos de crise, mas se você infelizmente sofreu uma demissão inesperada, leia as dicas abaixo que te ajudarão a superar esse momento difícil.

– Primeiramente não se desespere:

Não entre em desespero, pois você não é o primeiro e nem o último a passar por uma situação dessas. Não pense nas dificuldades, tente demonstrar força para a sua família e acredite em si mesmo, em suas qualificações e em sua capacidade.

– Faça um novo orçamento doméstico:

Refaça seu orçamento doméstico, corte desperdícios e gastos supérfluos e reveja suas dívidas. Não fique pensando em quitar a maioria de suas dívidas, pois você pode estar gastando uma boa parte de seu acerto de contas recebido pela empresa que o demitiu. Tenha mais precaução, pois esse dinheiro será o seu pilar de sustentação até você conseguir a sua nova recolocação no mercado de trabalho.

– Faça cursos de capacitação:

É de fundamental importância aproveitar o tempo que você está parado para se aperfeiçoar profissionalmente e melhorar o seu currículo. Muitas instituições oferecem cursos gratuitos para profissionais que estão fora do mercado de trabalho, oferecendo também auxílio transporte e alimentação, sendo que o único gasto que você terá, será o gasto de tempo e de disposição.

– Use a criatividade:

Nos momentos difíceis a criatividade fica aguçada, então aproveite para pesquisar e para pensar em uma forma alternativa de ganhar dinheiro, não tenha vergonha de tentar uma nova forma de ganhar dinheiro, muitas pessoas conseguem ser bem sucedidas em momentos iguais ao que você está passando, então tente inovar, faça uma pesquisa de mercado e arrisque.

Enfim, pense positivo e acredite, tenha fé que em breve tudo irá passar e você estará empregado novamente.

Por Rodrigo da Silva Monteiro


Baixa remuneração, problemas de relacionamento com os colegas de trabalho ou superiores e distância da família são alguns dos motivos que fazem com que as pessoas peçam demissão.

Pedir demissão talvez seja o momento mais difícil em toda a carreira profissional, mas há motivos que levam o profissional a ter que fazer esta escolha, algumas vezes até mesmo contra sua vontade. Baixa remuneração, problemas de relacionamento com os colegas de trabalho ou superiores, distância da família, são alguns dos muitos motivos que podem fazer com que um trabalhador venha a pedir demissão de seu emprego.

Entre os principais motivos para que um profissional peça demissão está o fato da empresa se mudar para um lugar que seja muito mais distante. Isso é muito comum entre empresas que buscam um local onde terão menos gastos, seja com aluguel, IPTU, etc. Outras empresas se mudam para um outro local em busca de novos mercados, ou porque encontraram um ponto em local estratégico, ou a empresa pode se mudar para um imóvel recém construído pertencente à empresa, que terá melhores e maiores instalações e não será preciso mais pagar aluguel. Para a empresa, a mudança de um local para outro quase sempre significa melhoria financeira, nas vendas ou na distribuição das mercadorias, mas o mesmo não acontece para os profissionais, sendo que alguns podem ser beneficiados, passando a trabalhar mais perto de casa enquanto que outros passarão a trabalhar muito longe da família, ficarão muito mais tempo no trânsito e pode ser que o pedido de demissão acabe sendo inevitável.

Outro motivo muito comum, que leva um profissional a pedir demissão são as discussões com colegas de trabalho ou superiores. Muitas vezes nem chega a ter discussões, mas o clima fica pesado e isso interfere no emocional do profissional, sua produtividade cai, o trabalho se torna muito mais cansativo, ele perde aquele desejo de continuar crescendo dentro da empresa e acaba não encontrando outra solução que não seja pedir demissão.

Antes, porém, devem ser feitas algumas tentativas, por exemplo, levar o problema ao superior ou encarregado da área e pedir uma troca se setor, ou até mesmo procurar o colega de trabalho e procurar ter uma conversa, onde mesmo que eles não se tornem amigos, mas que ao menos mantenham um clima favorável ao trabalho e não deixem as diferenças interferirem na vida profissional de ambos.

Mas o profissional também pode vir a pedir demissão por estar insatisfeito com a remuneração e quando não consegue um aumento de salário ou uma promoção, acaba buscando uma nova oportunidade no mercado de trabalho e a demissão se faz necessária para ele buscar uma renda que o atenda.
Este caso também merece atenção e cautela, para que o profissional não corra o risco de perder o antigo emprego sem antes já estar seguro de que irá ter um novo.

Por Russel


Networking é a capacidade de manter e desenvolver uma rede de contatos formais, ou seja, profissionais.

Você já parou para pensar o que é o Networking? Não? Então é hora de ter mais atenção a isso. Neste artigo vamos explicar de maneira clara e objetiva do que se trata e como melhorá-lo e o que fazer dele ou com ele. Então, vamos lá!

Primeiramente, chamamos de networking aquela dita capacidade não apenas de manter, mas também de desenvolver uma rede de contatos formais. Claro que com o objetivo de que alguns interesses em comum sejam atendidos. Em outras palavras é o mesmo que montar uma rede de contatos profissionais – o network – onde os integrantes têm em vista a construção de parcerias, a idealização de projetos, novas oportunidades de trabalho dentre diversos outros pontos.

Quando se mantém um bom network os benefícios são bem maiores para aqueles que o praticam além, é claro, de possibilitar um bom ciclo de relacionamentos.

Por isso, selecionamos algumas dicas simples para que qualquer pessoa possa aplicar e melhorar seu networking. Confira:

– Liste os interesses:

O profissional precisa centrar seu foco em si mesmo ou até mesmo na empresa em que está. O objetivo é permitir que se possa estabelecer e investir em contatos importantes na área.

– Planeje um discurso:

Não é uma propaganda política. Neste caso, ensaiar um discurso é apenas fazer uma lista sobre suas melhores qualidades como profissional. Além disso, é preciso ser breve ao se apresentar. Uma boa dica é usar exemplos bem-humorados ou interessantes para despertar a atenção das pessoas.

– Ache um diferencial:

É importante que o profissional tenha o mínimo de bom senso e cuidado para ser uma pessoa interessante. Usar o perfil profissional bem “apresentável” pode ser uma boa sacada para que ele possa servir como uma “boa apresentação” de si mesmo.

– Faça-se entender:

Ser mal interpretado por outros profissionais em especial de uma rede de networking é péssimo. Por isso, não ache que é uma perda de tempo ler e reler textos de e-mails e outras informações. A principal finalidade disso é que a ambiguidade seja evitada principalmente quando o assunto for explicar as habilidades próprias e conhecimentos.

Há muito mais que se pode fazer para se ter um bom network. Ter uma rede social apenas com contatos profissionais é uma arma a mais a seu favor.

Aproveite as dicas e boa sorte!

Por Denisson Soares


Conheça-se e saiba o que fazer para ser uma pessoa de sucesso

A forma como você se comporta revela muito sobre você, revela até o que você poderá conseguir em sua vida. E é bom conhecermos estes comportamentos para observarmos nós mesmos e aprendermos um pouco de nós e, assim, poderemos procurar melhorar em determinadas questões ou atitudes.

Um comportamento interessante de quem tem perfil vencedor é que estas pessoas nunca ficam procurando desculpas pelos fracassos ou erros, as pessoas com perfil de vencedor procuram aprender com seus erros, verificam o que não fizeram direito e procuram aprender e logo partem para outra tentativa. Você é uma pessoa assim, ou está sempre buscando desculpas?

A pessoa bem sucedida também não fica copiando o que as outras pessoas estão fazendo, elas têm intuição, confiam na sua capacidade e fazem a diferença.

Se você é uma pessoa que fica procurando copiar quem já se deu bem profissionalmente, então é bom rever suas atitudes, pois isso não vai te levar a lugar nenhum.

Outro comportamento muito típico de uma pessoa vitoriosa é que ela não fecha os olhos para seus defeitos, suas fraquezas, pelo contrário, estas pessoas se conhecem muito bem e por isso mesmo procuram trabalhar seus defeitos, procuram melhorar no que ainda não são boas o suficiente.

Os vencedores também não precisam contar com o incentivo das outras pessoas para seguir adiante com seus objetivos. Estas pessoas são suas próprias incentivadoras, porque elas conhecem o seu potencial, acreditam em si, estão determinadas a trabalhar o quanto for preciso para realizarem seus sonhos.
Se você é uma pessoa que está sempre precisando de alguém para lhe incentivar a ir adiante, você poderá é ficar parada no mesmo lugar.

Procure fazer uma autoanálise, veja bem seus comportamentos e certamente você vai conhecer muito de sua pessoa.

Você fica lamentando quando não consegue algo? Reclama quando algo foge de seu controle? Tenta ser o melhor para mostrar para as pessoas? Desiste de algo quando percebe que é mais complicado do que você imaginava? Tenta prejudicar outras pessoas para conseguir crescer? Fica por aí julgando as pessoas? Fica inflando seu ego quando consegue algo?

Não precisa ser nenhum especialista para ver nosso comportamento, analisá-lo e descobrir quem somos de verdade!

Uma vez que soubermos realmente quem somos, poderemos traçar metas, mudar atitudes e pensamentos, para procurarmos ser pessoas melhor.

Por Russel


Atualmente, um tema que é muito discutido no âmbito das empresas e corporações é de como deve ser tratada as relações de namoro entre colegas de trabalho, a fim de que esta relação de afeto não atrapalhe os interesses de rendimento e produção da empresa.

O certo é que envolvimento amoroso ou familiar entre colegas de trabalho é tratado de maneira distintas nas empresas. Na maioria das vezes, essa distinção acaba sendo resolvida unicamente com a política de cada empresa à respeito do assunto.

Normalmente, namoros, relacionamentos amorosos, casamentos e relações parentais costumam ser toleradas pela maioria das instituições, desde que não haja uma relação de interdependência direta ou subordinação entre os envolvidos.

Contudo, esta é uma postura muito particular de cada instituição, pois há aquelas que até preferem e criam situações em que parentes e amigos podem ser até mesmo indicados para vagas existentes, sendo que o que não pode ocorrer são pressões, a fim de influenciar admissões, promoções, prêmios, transferências ou demissões.

Vale salientar que aquelas pessoas que zelam por sua imagem profissional devem evitar envolvimento amoroso com colegas de trabalho, o que pode vir a prejudicar toda uma carreira ou, no caso de um possível desentendimento, pode gerar até mesmo uma demissão indesejada.

Da mesma forma que, se o relacionamento não der certo, as pessoas, pelo fato de trabalharem juntas, terão que conviver obrigatoriamente de forma pacífica e profissional no ambiente laboral, o que para a grande maioria das pessoas é muito difícil, haja vista que o término de uma relação, na maioria das vezes, sempre gera desgastes ou até mesmo inimizades.

Por outro aspecto, os profissionais que exercem cargos de chefia devem ter cautela, porque muitos subordinados se aproximam com o objetivo de ter algum interesse ou alguma vantagem oriunda de um relacionamento, seja de amizade ou amoroso, da mesma forma que tem chefes que tiram proveito da situação e acabam incorrendo no crime de Assédio Sexual.

O certo é que este tema complexo deve primeiramente ser uma opção individual de cada profissional e, quando os limites são extrapolados, a empresa deve interferir na tentativa de sanar qualquer irregularidade antes que ocorram coisas mais graves. 

Por Adriano Oliveira


Para um mercado de trabalho cada vez mais competitivo é impossível não investir na formação para que se possa ampliar a experiência.

Nos grandes centros econômicos brasileiros, como as capitais, o profissional mais valorizado é aquele que se preocupa em estar sempre atualizado, buscando cursos e qualificação profissional, seja em curta, média ou longa duração. E como descobrir a formação que dará um “boom” na sua carreira? As tendências de mercado geram e assumem diversas áreas e se, por exemplo, você for formado em Comunicação, que tal fazer uma pós-graduação em Redes Sociais ou Marketing Digital? Ambas são grandes tendências nessa área. Mas você pode estar pensando: mas não tenho dinheiro agora para investir. Isso é mais comum do que se imagina e a boa notícia é que existem muitos cursos gratuitos oferecidos por universidades renomadas no país, basta fazer uma pequena busca sobre esse assunto.

Você também pode ampliar a sua experiência de trabalho conseguindo empregos na modalidade freelancer, sendo remunerado ou sendo voluntário de alguma instituição, é uma excelente escolha para o seu currículo, as empresas privilegiam, e muito, profissionais que façam voluntariado.

Se você não está empregado, por que não procurar alternativas que não estejam na sua área? Talvez seja possível descobrir uma nova profissão ou investir em uma nova carreira, que será mais satisfatória e poderá lhe proporcionar novos desafios e paixões. 

É necessário estar aberto a novas opções, querer desenvolver o intelecto e ter força nas mãos e no cérebro. Nesse atual mercado é preciso muita sagacidade, disposição, diferencial, conhecimento e muito, muito estudo. Se quiser mostrar que a sua capacidade, é bom começar a se mexer, levantar da cadeira e mostrar todo o potencial existente na sua cabeça e mãos; um trabalho conjunto entre cérebro e máquina, onde o resultado será bastante satisfatório tanto para o contratante quanto para o contratado. Afinal de contas, as duas partes querem lucrar, não é mesmo? E assim é que as empresas veem não só apenas com os olhos, mas analisam com a mente e a parte técnica.

O trabalho anda de mãos dadas com a formação e com a experiência, pois só é possível conseguir um tendo o outro. Não é nada demais pensar que se estuda muito, pois esse muito na sua concepção pode ser pouco para outros. Inúmeros profissionais batalham todos os dias para se desenvolver, ampliar o conhecimento e evoluir dentro da empresa onde trabalham. Mais do que investimento, agora é a hora de se dedicar profundamente para que se possa estabelecer uma vontade unânime: ter dinheiro; pois é com ele que todas as vontades são realizadas (ou quase todas, sem exagero).

Então levante dessa cadeira, vá se matricular em um curso para que assim, você esteja qualificado para ampliar a experiência de trabalho. 

Por Agnes Lutterbach


Neste segundo mês de 2015 muitos colaboradores não voltam com entusiasmo e determinação para o trabalho. Uma frase muito conhecida é que as coisas no país só começam a funcionar depois do carnaval. Mas, essa é uma realidade que precisa ser mudada, porque desde o início do ano, as pessoas devem se sentir motivadas para encarar os desafios do cotidiano no trabalho.

A desaceleração da produtividade no início do ano já é uma tradição. Por que não começar a mudar este fato? Por que não iniciar o ano com força e dando o seu melhor? A motivação parte de dentro do profissional, e a empresa precisa contribuir para tornar o ambiente produtivo para o trabalho também.

A tendência é que 2015 seja um ano receoso, por isso, os gestores precisam estar atentos para manter a sua equipe de trabalho produtiva. Ou seja, eles devem fazer com que os problemas se tornem um desafio. Em períodos de crise é difícil ganhar destaque, porém, é uma fase que proporciona muitas lições e aprendizados.

Desta forma, os profissionais devem procurar aprender com os tempos difíceis também. Procurar evoluir de forma profissional, ou seja, aprendendo a lidar com os problemas. Portanto, o ano de 2015 deve ser encarado com esforço e seriedade, para que o trabalho possa ocorrer de forma produtiva, mesmo em tempos de crise.

Uma estratégia recomendada é incentivar os trabalhadores desde o começo do ano, e este incentivo deve ser mantido. Além disso, os gestores não devem motivar em poucos períodos, mas, sim, de forma constante, para que a equipe mantenha o ânimo e a determinação. Assim, a empresa vai crescer independente do período e a rotina no ambiente de trabalho será melhor para os colaboradores.

Para os profissionais, realizar um trabalho de qualidade faz a diferença, além de trazer novos aprendizados. Portanto, independente do período, saiba manter a sua equipe motivada, para que bons resultados sejam alcançados.  

Por Babi


Se você é um empreendedor, investidor, tem um negócio próprio ou mesmo trabalha como vendedor na área de vendas, obviamente está sempre atento à sua margem de lucro, seja ela obtida por meio de vendas, investimentos, poupanças, títulos, etc. E é por isso que você escolheu essa profissão, ou essa atividade, justamente por obter boas margens de lucros. Bom, aí depende muito da atividade e da margem de lucro que te interessa.

Veja agora alguns meios de como obter uma boa margem de lucro:

1. Suas atividades devem ser proporcionais aos seus ganhos:

Quando falamos em ganhos, associamos a ideia de que ele estar associado com o que fazemos e como fazemos. Por exemplo, um mestre de obras cobra o valor proporcional do que ele vai fazer numa obra, ou seja, sua mão de obra possui um valor fixo, e o contratante deve respeitar isso. A não ser que ele faça uma oferta, e assim, ambos negociam de uma forma que fique melhor tanto para um quanto para o outro, de uma maneira justa.

2. Resultados e comissionamentos:

Quando falamos em comissão geralmente já pensamos na área de vendas e na profissão de vendedor. Mas não é só os vendedores que possuem comissões. Há corretores, negociadores, técnicos, consultores, e outros profissionais que também se beneficiam de comissões, e cada área possui um piso ou uma porcentagem estabelecida. Nesse caso, os profissionais liberais ou autônomos saem ganhando, pois dependendo da bagagem profissional que ele tiver, poderá obter excelentes margens de lucros, trabalhando para diversas empresas e em serviços paralelos. É possível também, o profissional assalariado obter bons lucros. Para isso, converse com o seu supervisor a respeito de resultados. Se você tiver resultados para apresentar, melhor ainda, caso seja um profissional novato no estabelecimento, mas experiente na área, negocie sua margem de lucro de acordo com o resultado que pode oferecer. Seja realista e não prometa aquilo que esteja longe de alcançar no momento. Apresente etapas com estratégias e ações.

Por Daniela Almeida da Silva


Fazer algo para vender pode ser a coisa mais fácil desse mundo, desde que seja com muita dedicação e que tenha um objetivo específico. Se seu objetivo é só ganhar dinheiro, poderá utilizar a imaginação solta, agora, se o seu objetivo é atingir o mercado, então você deve estar bem preparado com o que poderá encontrar pela frente, como competitividade, qualidade e diversas outras marcas prontas para tentar “roubar” a sua ideia.

Para qualquer uma das duas intenções você terá que criar algo para vender, certo? Pois trabalhar com vendas é a forma mais fácil e rápida de atingir seus objetivos e ter lucratividade, pois é uma atividade que utiliza meios de troca e valor.

Veja agora alguns exemplos de como criar um produto certo para você vender, ou lançar no mercado:

1. Alinhe sua necessidade com a necessidade de consumidores no momento:

Isso equivale ao que você pode criar com o que as pessoas estão buscando ou gostando de comprar no momento. Por exemplo, na época do verão, onde o calor é intenso, você pode fazer sorvetes com sabores diferenciados para vender e lucrar. Para isso, veja se a sua necessidade do momento (investimento) estão de acordo para iniciar o negócio. Outro exemplo, seria aproveitar uma certa tendência do momento para criar algo ou procurar algo para revender. Não se esqueça de estar devidamente preparado para arcar com as despesas do produto. Faça suas contas de quanto precisará e de quanto lucro terá a partir do que você investir.

2. Tenha tempo suficiente:

Note que desenvolver uma atividade extra pode ser diferente de desenvolver um negócio, por exemplo. Se você quer só ganhar dinheiro com o seu produto, então pode fazer dela uma atividade parcial. Agora, desenvolver um negócio requer um pouco mais do seu tempo, além de disciplina e determinação. Uma coisa é fazer sorvetes e tricôs para vender em sua casa, outra coisa é correr atrás de abertura de empresa, impostos, investimentos e fornecedores, além de se dedicar a tarefas de vendas, que é diferente de colocar uma plaquinha na sua casa escrita “Vendem-se sorvetes”.

Por Daniela Almeida da Silva


Um planejamento deve ser a primeira coisa que você precisa fazer no começo do ano, ou no começo de tudo, afinal, a vida é sempre um recomeço para aqueles que lutam e sabem onde pretendem chegar.

Na verdade, você tem a opção de fazer vários planejamentos, e não apenas um só, pois assim fica mais fácil de você manejar sua vida. Esses planejamentos todos juntos podem se tornar seu planejamento anual, um grande projeto para cumprir durante o ano. Veja agora como você pode fazer isso:

1. Faça uma análise geral de tudo:

Primeiro, faça uma análise geral de sua vida e separe por categorias, incluindo a parte financeira, amorosa, espiritual, profissional, etc. Coloque tudo o que você achar que precisa ser mudado ou alterado para ocorrer mudanças positivas em sua vida. Não tenha medo de ser sincero com você mesmo. Caso houver necessidade, envolva outras pessoas que fazem parte de sua vida atualmente, como esposa ou marido, filhos, amigos, sócios, parentes, clientes, etc. Especifique tudo quanto for necessário.

2. Organize-se de maneira correta:

Depois que estiver tudo especificado, comece a anotar tudo o que você quer que mude em sua vida, por etapas. Por exemplo, se você precisa de uma promoção ou um aumento de salário, coloque isso na categoria profissional (já que envolve um emprego), caso queira aumentar seus rendimentos líquidos, então nesse caso deveria ser anotado na categoria financeira, pois nesse caso, você está especificando algo independente (se você for um empreendedor ou trabalhar por conta, por exemplo).

Veja que as categorias podem ser diferentes se separadas corretamente, assim você terá uma visão maior de como agir, conforme determinada área. Anote tudo e vá agindo conforme as estratégias que você criar, as quais devem ser diferentes para cada uma das situações. É como diz a maioria dos livros de autoajuda: “Se quer um resultado diferente, faça algo diferente”. Não se esqueça de acompanhar suas progressões constantemente nas anotações que você fizer. Compare-as três meses depois, seis meses depois ou um ano depois.

Por Daniela Almeida da Silva


Quem quer evoluir na carreira e gosta muito do que faz, pode lutar para ser eficiente e ter uma boa promoção no trabalho, porém, para alguns esse caminho pode ser incerto, a não ser que você siga as dicas a seguir:

1. Dedique-se ao seu trabalho 100%:

Dedicar-se 100% ao seu trabalho é o máximo que você pode fazer para ser visto pelo seu chefe como um possível empreendedor, habilitado para ganhar uma promoção e um aumento de salário. Para isso, faça sempre o melhor que você sabe fazer e da melhor maneira possível. Aumente ainda suas características pessoais, como ser pontual no trabalho, não faltando e nunca chegando atrasado, por exemplo. Faça tudo o que eles quiserem e esteja sempre disponível integralmente para a empresa.

2. Sua produtividade tem que estar acima da média:

Quem quer ter uma promoção no emprego, deseja-a não apenas por causa do salário ou o tipo de posição que ela oferece, mas também para mostrar suas competências e a possibilidade de aumentar seus talentos, para assim subir cada vez mais de posição. Mas, para isso, você precisa construir uma reputação infalível junto à empresa, trabalhando arduamente com muito profissionalismo e dedicação a tudo que lhe for imposto como tarefa.

3. Faça valer a pena:

A empresa precisa conhecer, e conhecer bem, o profissional que ela pretende colocar em um novo posto. E se você quiser que esse profissional seja você, terá que mostrar grandes intenções em tudo o que você fizer, pois seu chefe precisará identificar isso em você. Além de seus méritos, busque também ter uma relação boa com profissionais que estejam no posto que você almeja, isso te ajudará muito como chegar lá.

Uma outra dica é tornar-se popular entre outros profissionais da empresa. Quanto mais popular você for entre os profissionais que estejam no posto que você quer, mais chances você terá de obter essa promoção.

Por Daniela Almeida da Silva


As férias são essenciais para um bom descanso e para colocar a cabeça no lugar depois de um longo período exaustivo de trabalho e preocupações. Porém, muitos profissionais sentem dificuldade de retornar ao trabalho depois desse período, seja por causas pessoais e até mesmo profissionais. Se você está entre alguns desses, veja o que você precisa fazer para não cair em tentações:

1. As férias são merecidas, mas também são tentações para muitos, já que podemos levar isso tão a sério a ponto de acomodar nossas intenções e objetivos com o trabalho. É preciso tomar muito cuidado com isso, já que estamos vulneráveis ao que nos traz conforto. Antes de sair de férias, deixe bem claro na empresa ou na equipe que você trabalha, quando irá sair e quando irá retornar de férias, pois caso contrário, poderão ocorrer imprevistos e conflitos desnecessários com outros profissionais.

2. Certifique-se de que tudo esteja bem antes de você sair de férias. Deixe tudo organizado, relatórios terminados, projetos concluídos, reuniões feitas com todos os profissionais, clientes atendidos, ligações realizadas, pedidos feitos, etc. Tudo isso possibilitará a você umas férias sem preocupações e perturbações, ou melhor dizendo, ninguém precisará ficar ligando e te incomodando em suas férias para falar de trabalho e perguntar sobre coisas que você tenha deixado pendentes.

3. Além de se organizar profissionalmente, lembre-se também de se organizar pessoalmente. Deixe as tarefas de sua casa todas em dia, se você não for viajar com sua família, por exemplo, deixe bem claro para eles quando vai, quando volta e para onde você vai. Tudo isso apenas para você curtir suas férias sem se preocupar com mais nada, além de você mesmo. Enfim, curta suas férias bem tranquilo, para que você não passe por frustrações quando precisar retornar ao trabalho.

Saiba que tudo o que você fizer antes, contribuirá para um bom aproveitamento de suas férias.

Por Daniela Almeida da Silva


Quando somos convocados para iniciar em um novo emprego, sempre ficamos ansiosos pelo fato de termos que passar pelo período de experiência. Esse período de experiência normalmente vai de 15 dias a três meses, dependendo da função e da empresa. Mesmo assim não fique nervoso e veja algumas dicas para você se sair bem nesse período de experiência:

1. Peça informações:

A primeira coisa que você deve fazer em um ambiente onde você é novo e não conhece nada e nem ninguém, é pedir todas as informações necessárias para agir de forma correta. Para isso, converse com pessoas do seu setor a respeito da funcionalidade da empresa, das regras e das funções de seu setor, principalmente. Preste bem atenção na forma como as pessoas trabalham e absorva o máximo de informações e conhecimentos possíveis.

2. Seja ágil e hábil em sua função:

A diferença entre uma pessoa ágil e hábil é que a primeira se destaca por agilidade e rapidez em tudo o que faz, já a segunda tem por sua principal função, o uso das habilidades para se aperfeiçoar. As empresas gostam muito de produtividade, então, você precisa estar preparado para oferecer isso, ainda mais em condição de experiência, onde você é observado e analisado constantemente. Seja sempre proativo, e não espere que alguém mande você fazer algo, prontifique-se a fazer por vontade própria sempre. Além disso, desenvolva habilidades para te ajudar nessa empreitada. Tudo isso certamente surpreenderá a todos.

Uma coisa muito importante para se lembrar também, é você usar sua criatividade para criar novas formas de trabalho. Ofereça sugestões novas para incrementar o método de trabalho do seu setor, desde que elas estejam dentro da política de qualidade da empresa.

Se você deseja passar na experiência, então terá que agir diferente no seu ambiente de trabalho. Não tente causar apenas impressões, pois elas tendem a serem superficiais, desaparecendo com o tempo, e não é isso que as empresas buscam.

Por Daniela Almeida da Silva


Ter autocontrole nada mais é do que ter controle de si mesmo. As pessoas que têm autocontrole possuem um equilíbrio maior sobre tudo. Nada controla elas e elas também não deixam nada que é externo controla-las. Se no momento, ter autocontrole é o seu objetivo, veja o que você deve fazer:

1. Adquira paciência:

A paciência pode ser o começo de tudo, pois possibilita você ficar calmo e tranquilo antes de tomar qualquer decisão. É interessante que você cultive a paciência sempre em momentos de tensão e estresse, pois assim você estará condicionando a ter autocontrole com o tempo.

2. Esvazie seu coração:

Uma das coisas mais importantes também para você adquirir o autocontrole com o tempo é você esvaziar seu coração de mágoas, ódio, rancores e ressentimentos. Quando estamos tomados por um desses sentimentos, a tendência é eles só aumentarem, e quanto mais eles aumentarem, mais intolerante e impulsivo você será com pessoas e eventos cotidianos. Lembre-se de que uma pessoa que tem autocontrole não deixa nada e nem ninguém te influenciar.

3. Não leve nada para o lado pessoal:

Essa é uma boa alternativa para quem quer manter o autocontrole em todos os sentidos. Sempre quando alguém tentar te ofender ou te rebaixar, não ataque da mesma maneira, apenas deixe passar a situação e não leve para o lado pessoal. Às vezes, quando estamos com a cabeça quente, a tendência é querer revidar e fazer o pior. Mas, é nessa hora que você precisa ter o autocontrole para não se deixar levar pela situação.

4. Saiba se comunicar:

A comunicação é a chave perfeita para o entendimento entre as pessoas, por isso, sempre quando houver imprevistos, prefira o diálogo do que discussões e conflitos. A melhor coisa que você tem a fazer é permanecer atento para que tais eventos não voltem a acontecer, e se acontecer, saiba que sua missão será desenvolver o autocontrole.

Por Daniela Almeida da Silva


Aproveitar o fim de semana é a melhor coisa que todos têm a fazer depois de uma semana cansativa e exaustiva de trabalho. Porém, não basta apenas aproveitar, é preciso saber como aproveitar, e para isso, veja algumas dicas abaixo que podem te ajudar:

1. Minimize seus gastos:

Fim de semana não é um só, certo? Então, para quê aproveitá-lo gastando mais do que você pode? Está certo em querer levar sua esposa naquele maravilhoso restaurante ou seu filho naquele famoso parque de diversão. Mas tudo precisa ser planejado e com limites, pois amanhã você pode não ter condições de oferecer o mesmo. Por isso, antes do mais nada, prefira sempre um programinha em casa, com um bom filme, uma boa comida no almoço, pipoca com refrigerante à tarde e uma pizza tamanho família à noite. Deixe o restaurante e o parque para um feriado ou para quando você quiser surpreender sua família em algum dia especial.

2. Visite parentes e pessoas próximas:

Uma outra alternativa de aproveitar seus fins de semana é sair para visitar aquele parente distante ou aquele amigo de infância que você não vê há anos. Para isso, programe-se sempre que possível, um passeio diferente. Organize um almoço na sua casa e chame seu parente ou amigo para vir visitá-lo ou avise a ele que você vai vê-lo, assim, você poderá se organizar melhor com sua família.

3. Programe-se para outros passeios:

Há vários programas gratuitos disponíveis hoje em dia, desde teatros, museus, parques, eventos e exposições sobre temáticas diversificadas. Para isso, fique por dentro da programação de sua cidade. Geralmente, grandes metrópoles possuem centros culturais com diversas opções de lazer, já algumas cidades de interior, por exemplo, organizam alguns shows gratuitos de vez em quando, e programas para pessoas de diversas taxas etárias, como stand-up de comédias, cinemas gratuitos, etc.

Vale a pena ficar atento para aproveitar coisas diferentes de vez em quando.

Por Daniela Almeida da Silva


Para termos um bom dia de trabalho, precisamos nos aliar a diversas maneiras de adaptação, sendo que cada uma delas devem condizer com você mesmo, sua rotina e personalidade. Veja agora algumas dicas para ajudar você a ter um bom dia de trabalho:

1. Divida suas tarefas:

Se no seu trabalho você é responsável em realizar diversas tarefas, divida elas uma a uma e estabeleça uma meta diferente para cada. Primeiro, tenha paciência e não seja um compulsivo por trabalho, senão, mesmo separando-as você não conseguirá realizar todas elas com eficiência.

2. Gerencie seu tempo:

O tempo com certeza tem que ser seu melhor aliado. Se você estabeleceu uma meta para cada tarefa, agora precisa correr contra o tempo. Não tenha medo e nem vergonha de trabalhar de um jeito diferente das demais pessoas, pois cada um tem sua maneira de agir e de produzir, tudo de acordo com o seu ritmo e personalidade.

3. Não misture assuntos pessoais com profissionais:

Essa dica tem que ser essencial para se ter um bom dia de trabalho, pois nada pior do que ter que ir trabalhar pensando se o filho está ou não dando trabalho na escola, se a empregada da sua casa vai faltar ou não, se o seu companheiro ou companheira está com outra pessoa ou não, etc. Desse jeito você nunca terá um bom dia de trabalho. É preciso ter disciplina para aprender a separar coisas pessoais de negócios. Para isso, deixe seus problemas do lado de fora da empresa e se dedique apenas às suas metas. Caso contrário, melhor nem pensar em ir para o trabalho.

Enfim, para se ter um bom dia de trabalho, é necessário que você crie força de vontade para não deixar eventos externos te influenciar. Evite a rotina do dia a dia e seja mais flexível em todas as suas tarefas, sejam elas pessoais e do trabalho.

Por Daniela Almeida da Silva


De uma forma geral uma empresa de sucesso tem vários fatores que a podem levar ao sucesso. Entretanto, alguns se destacam mais do que outros. Um deles está bastante ligado à qualidade do ambiente de trabalho no qual o profissional se vê diariamente e consequentemente acaba por incorporá-lo a sua vida. Afinal de contas, aquela velha história de que trabalho é uma coisa e a vida do profissional fora dele é outra está cada vez mais ultrapassada. Querendo ou não as coisas acabam se “esbarrando” em um momento ou outro.

Muitos donos de empresa não se dão ao trabalho de entender que o profissional precisa se sentir em casa, livre e bem recebido no ambiente de trabalho. Caso contrário a empresa no lugar de lucrar vai perder com profissionais que não produzem tanto quanto deveriam. Quando o ambiente – o que inclui patrão, colegas, clientes, ou seja, tudo – não ajuda o que era uma boa ideia de negócio pode acabar se tornando algo inútil.

Aconteceria o contrário se o ambiente de trabalho fosse um pouco mais agradável. Mas aí vem uma questão importante: a qualidade do ambiente de trabalho não é feita apenas de “coisas e descontração”. Mas também de uma confiança entre os membros que compõe a empresa.

Confiança é uma palavra chave. O funcionário que não confia no seu colega, o patrão que não confia no funcionário, o funcionário que não confia no chefe. Há diversas variações e motivos para a “não confiança”.  Se o chefe quer um ambiente produtivo ele deve saber ouvir todos os lados. E mais, ele deve estimular essa comunicação aberta.

Às vezes o funcionário está claramente desestimulado, o chefe vê isso e percebe que acaba prejudicando a empresa, mas não chama o mesmo para um conversa franca. Isso acontece porque muitas vezes sabe que vai ouvir algo que não quer. Porém que é verdadeiro. Esse já é um erro de gestão gravíssimo e o primeiro passo para perder a confiança de um colaborador.

Um fato muito importante que contribui para deixar qualquer funcionário desestimulado – o que acaba fazendo com que o mesmo trabalhe contra a empresa até sem saber – é a diferença com que é tratado. Isso é bastante sentido em empresas familiares. O sujeito só por ser parente do dono já carrega a ideia de que vai ser tratado diferente de outro profissional qualquer. O pior é quando isso se confirma. Ou seja, ele pode e eu não. É mais ou menos assim: “Se é com o funcionário a culpa é dele. Se é com o parente do chefe… esquece. A culpa também é de alguém menos dele”.

Ser realista é outro ponto importante. Muitas pessoas confundem o realismo de alguém com pessimismo. Se por algum motivo o chefe vai atrasar o pagamento do funcionário é mais do que conveniente que o avise antes mesmo de chegar a data de pagamento. Esse é apenas um exemplo, mas de longe o mais inconveniente. Isso principalmente se for uma pequena empresa.

O funcionário, assim como a empresa tem contas a pagar. A questão é que muitas vezes não se deixa claro para o funcionário a situação. Se empresa está com problemas de gestão e falta de produtividade mesmo com a rotatividade dos profissionais é bom rever se o problema é no funcionário ou na gestão.

Estamos tratando de coisas simples aqui. Entretanto, se pontos como esses persistirem por um bom tempo dificilmente a empresa irá se recuperar. E ressaltando mais uma vez que tudo se complica para uma empresa pequena mais do que para uma grande que tem muitas vezes outras saídas.

Em muitos casos não é preciso nem perguntar se o profissional está satisfeito já que está estampado na cara dele que não. Quando o chefe perceber isso significa que alguma atitude de sua parte deve ser tomada, e rápido.

Por Denisson Soares


Muito se fala sobre a dificuldade das pessoas em encontrar um bom emprego, mas o que às vezes é esquecido é de como as empresas podem achar os candidatos ideais para uma vaga determinada.  

Atualmente, as organizações têm ido mais fundo no que diz respeito ao auxílio que pode ser conseguido através do uso de redes sociais. Muitas vezes são elas que ajudam a localizar profissionais de qualidade. Principalmente nesta época do ano, as empresas precisam contratar novos trabalhadores já que alguns antigos pediram demissão, foram demitidos, estão em férias, ou simplesmente pelo fato da empresa ter crescido e precisar de mais pessoas para trabalhar nos seus processos. Os motivos podem ser os mais variados, mas na hora de contratar sempre encontra-se algum obstáculo.

Para melhorar a vida de quem está à procura de emprego e quem está procurando um colaborador, a tecnologia tem sido um fator chave. Hoje em dia, colocar o seu perfil numa rede social, o qual possa ser acessado por empresas ou por candidatos pode ser o primeiro passo para o sucesso. As empresas podem divulgar as suas vagas no Facebook e outras redes sociais e também podem localizar currículos através do site LinkedIn. Ambas as formas são interessantes e aumentam as chances de achar com perfis compatíveis com o procurado pela empresa.  

As organizações também têm olhado com bons olhos os sites onde as pessoas cadastram os seus currículos e nos quais a empresa pode divulgar as vagas. Algumas dicas importantes para que as empresas possam achar bons trabalhadores e que estes tenham perfis alinhados com o da organização são fazer uma boa divulgação das vagas que estão em aberto, definir claramente as funções, tarefas e responsabilidades a serem assumidas pelo novo contratado, filtrar bem os possíveis candidatos antes de marcar uma entrevista, atualizar sempre o banco de dados dos potenciais candidatos às vagas da empresa e sempre observar as referências antes de efetivar um trabalhador. 

Por Melina Menezes


Toda a qualidade e a produtividade do seu trabalho e de tudo o que você faz depende exclusivamente da sua capacidade de concentração. Portanto, não tente forçar nada quando seu cérebro não está em bom funcionamento ou quando você está ansioso ou disperso demais. Para isso, acompanhe as dicas abaixo e veja o que você pode fazer:

1. Tire um tempinho para um descanso:

Parece clichê, mas não é. Há inclusive evidências científicas que comprovam que quanto mais descansada uma pessoa estiver, mais proativa e concentrada ela consegue ser. Uma mente bem relaxada é capaz de produzir o dobro do que se ela tivesse funcionando sob pressão. Por isso, sempre quando você estiver em uma tensão, pare tudo o que está fazendo e relaxe, descanse. Limpe a sua mente de qualquer pensamento e respire fundo por um tempo.

2. Tenha pelo menos um plano ou uma meta:

Começar o dia apenas com a mesma rotina de sempre pode ser mais cansativo do que você imagina. Coloque um foco em algo e faça um plano, uma meta para você realizar no dia. Assim, você se sentirá mais concentrado do que nunca, já que está trabalhando por um propósito.

3. Seja mais saudável:

Muito cuidado com alimentos gordurosos e com baixo teor nutritivo, pois eles são capazes de desacelerar a mente e afetar sua concentração, já que a maioria deles causam um desconforto. Por isso, prefira sempre alimentos saudáveis e faça exercícios físicos regularmente. Escolha melhorar seu desempenho comendo alimentos saudáveis, seus resultados serão incríveis.

4. Ambiente de trabalho:

Muitas pessoas não se dão conta, mas o ambiente de trabalho pode influenciar muito a capacidade de concentração de alguém. Por exemplo, se você trabalha em uma sala onde todo mundo conversa e fala alto ao mesmo tempo, dificilmente você conseguirá se concentrar. Por isso, se isso for um problema pra você, peça para trocar de lugar ou de sala, ou trabalhe você mesmo em um lugar mais reservado.

Por Daniela Almeida da Silva


Algumas pessoas pensam que para trabalhar melhor é preciso trabalhar demais. Mas isso nem sempre é verdade. Para se trabalhar bem, você só precisa ser flexível o suficiente para não ter que abrir mão de sua qualidade de vida. Para isso, atente-se às dicas a seguir e veja como você precisa fazer:

1. Gerencie seus e-mails:

Quanto menos e-mails tiver em sua caixa de entrada, menos distraído você ficará. Por isso, cancele qualquer assinatura de newsletter que não te interesse. É preciso encarar seu e-mail apenas como uma ferramenta de trabalho e não como uma forma de lazer e diversão. Leve isso muito a sério. Caso você não tiver como evitar isso, separe então algumas horas do seu dia, que não seja em seu expediente, para ler e esvaziar os e-mails de sua caixa de entrada. Isso ajudará você a ter mais disciplina.

2. Faça uma coisa de cada vez:

Você até pode ser um compulsivo por trabalho, mas deve fazer uma coisa por vez. Uma boa dica é trabalhar com programas, assim, você pode trabalhar com um de cada vez, conforme suas tarefas. Caso você não usar a internet para trabalhar, e só manter as janelas fechadas. Isso também funciona para quem trabalha o dia todo com e-mail e demais softwares de computador. Trabalhar com tudo ao mesmo tempo prejudica o seu foco e o seu trabalho renderá menos.

3. Desative todas as suas notificações:

Isso vale para quem fica o tempo todo conectado, seja em um smartphone ou em um computador. Toda vez que surgir uma notificação em sua tela você vai sair do foco para dar aquela espiadinha, e isso com certeza vai te atrapalhar. Você pode até pensar que um minutinho de vez em quando pode não ser nada, mas, se você somar cada minuto por dia, por semana e por mês, em um ano você terá perdido um bom tempo.

Por Daniela Almeida da Silva


Dia de reunião é realmente o dia mais chato e mais ansioso para alguns profissionais, pois é o dia em que vai ser cobrado resultados, relatórios, metas, e diversos outros tipos de assuntos relacionados com a empresa em que se trabalha. Se momentos antes da reunião você é daqueles que ficam se perguntando sobre o que falar na hora, então as dicas abaixo são para você:

1. Esteja preparado:

Primeiro de tudo você deve estar preparado sobre o que vai falar. Esteja com tudo pronto junto de você: planilhas, projetos finalizados, resultados e metas atingidas, etc. Tenha todos os resultados em números, não só por porcentagens e gráficos. Treine, se for possível, tudo o que você precisa falar na hora. Tenha em mente de que você precisa ser rápido e preciso em tudo o que fizer. Nada de enrolar ou falar demais, para depois ninguém entender corretamente o que você está falando. Por isso, seja sempre claro e breve.

2. Procure falar bem:

Não basta só falar, é preciso falar bem. Evite usar gírias e jargões no momento em que tiver dirigindo a palavra aos demais no momento da reunião, pois isso pode se tornar um ponto a menos na sua carreira. Evite também algumas brincadeiras sem graça e humor exagerado e sem fundamento. Tudo deve ser tratado de forma clara e sem rodeios, preferencialmente.

3. Esteja sempre aberto a perguntas e sugestões:

Esteja preparado, no momento em que você estiver falando, a respeito de perguntas e sugestões que possam virem de outros profissionais. Considere isso normal. Se isso acontecer, respeite as normas e responda tudo da melhor forma, com cautela e sempre com muita atenção. Agradeça aos elogios e sugestões e esteja sempre aberto ao novo. Enfim, não esqueça de se manter calmo e paciente o tempo todo. Nada de ansiedade ou nervosismo, pois eles podem te atrapalhar, e muito.

Por Daniela Almeida da Silva


A amizade entre as pessoas é algo essencial na vida de um ser humano, pois somos seres sociais e necessitamos estar sempre em contato com o outro. Quem tem amigos é capaz de viver feliz e com uma boa saúde, isso de acordo com relatos de alguns estudos científicos. Não é à toa que quando estamos tristes, por exemplo, sempre procuramos aquele amigo mais íntimo e próximo para desabafar, tirar as angústias e tomar uma cervejinha gelada para matar a solidão e "afogar as mágoas", como todos dizem.

Fazer amizade pode ser fácil, graças aos entusiastas de plantão, e difícil, para a infelicidade dos tímidos. Portanto, antes de sair por aí fazendo amigos novos, veja o que você precisa saber:

1. Empenhe-se em ouvir mais:

Uma das melhores virtudes de um bom amigo é a capacidade de saber ouvir sem julgar, apenas ouvir. Por isso, se você é um bom ouvinte, considere-se meio caminho andado. Não é preciso sair por aí fazendo os outros falarem só para você mostrar que é um bom ouvinte. Apenas dedique-se a esta virtude quando alguém precisar desabafar ou estiver passando por um momento muito difícil. Observe que até aqui você não precisa ser um melhor amigo da pessoa, basta ter empatia e se colocar no lugar dela por um instante. A partir daí pode nascer uma grande amizade.

2. Seja mais gentil:

Gentileza gera gentileza. Não é isso que aprendemos? Pois é, essa é uma boa forma de causar uma primeira boa impressão quando você quer fazer novos amigos. Ninguém gostaria de ser amigo de alguém que despreza isso. Não precisa ser aquela pessoa que paga a conta da mesa de chopp todo final de semana só para se mostrar, pois isso realmente ficará algo muito forçado. Apenas empenhe-se mais em ajudar as pessoas, trate-as bem, assim como você gostaria de ser tratado, e assim você terá grandes amigos.

Por Daniela Almeida da Silva


Ter uma boa influência implica em diversos fatores, e todos eles variam muito. Você pode ser bem influente verbalmente, fisicamente, intelectualmente, etc. E isso depende muito da posição em que você se encontra. Se você está em um cargo muito importante em uma empresa, por exemplo, terá bastante chance de ser influente verbalmente, mas em alguns momentos terá que ser mais flexível referente a isso. Veja agora algumas dicas de como se tornar mais influente na empresa que você trabalha:

1. Seja curioso:

Quando você se tornar curioso, todos verão que você é uma pessoa que está sempre disponível para novos aprendizados, e as pessoas gostam de estarem perto de quem está sempre disposto a aprender, pois isso atrai a atenção.

2. Fique atento às suas posturas:

A postura comportamental é uma das mais observadas pelas pessoas, pois ela sempre causa a primeira impressão, que fazem as pessoas terem uma imagem de você a primeira vista. Por isso, fique sempre atento ao tipo de comportamento que você está acostumado a emitir, desde verbal ao físico, pois ele pode influenciar tanto positivamente quanto negativamente as pessoas ao seu redor.

3. Tenha mais empatia:

Outra coisa bastante rara e que de alguma forma pode chamar a atenção das pessoas ao seu redor é a empatia. Uma pessoa que é capaz de se colocar no lugar da outra quando ela faz algo de errado, por exemplo, causa tanto impacto quanto um talento. Por isso, não basta ser um bom profissional que sabe lidar com números, gráficos e relatórios, é preciso também saber como lidar com pessoas, e mais do que isso, com aquilo que move as pessoas: a emoção. Pois é no campo das emoções que a vida acontece e os maiores expectadores somos nós mesmos. Não é à toa que grandes líderes religiosos são tão venerados e aclamados pelo povo, pois o que eles mais fazem é lidar com a emoção das pessoas.

Por Daniela Almeida da Silva


A maioria dos profissionais prefere levar trabalho para casa por diversos motivos, entre eles a falta de organização, compulsividade por trabalho, horas extras, procrastinação, projetos em atrasos, entre outros motivos. Mesmo assim, quanto mais desculpas você tiver para levar trabalho para casa, mais você fará disso um motivo forte para fazê-lo. Então, para evitar que isso aconteça, siga as dicas a seguir:

1. Seja fiel às suas prioridades:

Levar trabalho para fazer em casa no final do expediente não quer dizer sempre que você é um profissional exemplar. Não necessariamente. O ideal seria você cumpri-lo durante o período do seu trabalho, pois quanto mais você acumulá-lo, mais trabalho terá para fazer. Portanto, limite-se às suas prioridades e estabeleça um tempo de realização para cada uma delas. Lembrando que o seu trabalho deve estar em primeira posição.

2. Faça uma tarefa de cada vez:

A compulsão por trabalho também leva o profissional querer fazer tudo ao mesmo tempo, ficando no fim atolado de afazeres e todos eles com prazo para entregar. Isso só atrapalhará a sua atenção e te deixará desorganizado. Estabeleça uma meta diferente para cada tarefa e faça-a uma de cada vez. Mesmo que não dê tempo de você terminar tudo em um dia só, evite levar para casa e deixe para fazer no dia seguinte. A menos que a entrega de alguma delas seja urgente.

3. Programe-se:

Uma outra maneira de fazer suas tarefas em seu expediente, é programar-se de maneira correta. Para isso, tenha sempre anotado tudo em uma agenda o que você precisa para realizar suas tarefas com precisão e em menos tempo, respeitando o prazo de entrega de cada uma delas. Isso ajudará você a ter disciplina e a administrar melhor tanto o seu tempo quanto as suas tarefas, ainda mais se você tiver muitas delas para fazer em menos tempo. Só não se esqueça de se programar sempre.

Por Daniela Almeida da Silva


Você sabe o que é ter perseverança? Ter perseverança é viver em paz, tranquilo, com aquela leve certeza bem no fundo, no íntimo, de que as coisas estão bem e estão sempre dando certo. Para se ter perseverança é preciso também ter um estilo de vida com harmonia. Para saber mais, siga as dicas a seguir:

1. Saiba exatamente o que quer:

Tudo fica mais fácil quando sabemos o que queremos. Não importa o que seja, apenas tenha um objeto, assim ficará mais fácil desenvolver a perseverança.

2. Livre-se da dúvida:

A dúvida, com certeza, será um dos principais obstáculos que você terá que enfrentar. E para enfrentá-la você precisará muito da perseverança, aquele sentimento de tranquilidade e paz. Para isso, livre-se também de atitudes que te trazem a dúvida, como ficar se comparando aos outros, pois sua perseverança dependerá de seus pontos fortes para se desenvolver. Livre-se também de alguns hábitos que só te trazem mais dúvida e baixa autoestima, como usar drogas, beber, fumar, comer compulsivamente, etc. Pratique coisas que você gosta e que te fazem bem, como esportes, leitura, viajar, etc.

3. Seja uma pessoa mais serena:

A serenidade nos ajuda a entender melhor os fatos e nos deixa mais seguro, e para você usufruir da perseverança dependerá muito dela. Por isso, evite a ficar preso a incidentes que só te causam estresse e desmotivação. Domine pequenas atitudes que podem mudar o seu dia, como, por exemplo, dar bom dia ao faxineiro da empresa ou surpreender alguém que um dia te humilhou. Isso pode fazer você se tornar uma pessoa cada vez melhor e a enxergar as coisas de um modo diferente, pois a perseverança é um estado de espírito, um sentimento que caminha lado a lado com pessoas que praticam a bondade e que estimulam a pureza.

Enfim, trabalhe na perseverança no dia a dia e coisas boas acontecerão ao seu redor.

Por Daniela Almeida da Silva


Você sabe o que é ter senso crítico? Normalmente se ouve muito a respeito de senso comum, senso de humor, bom senso, etc. E sempre todos estes jargões estão relacionados com a palavra “senso”. Nunca paramos para pensar o que essa palavra significa e o que ela representa para nós. Afinal, o que devemos saber sobre senso crítico e como podemos desenvolvê-lo? Eis aqui algumas dicas:

1. Desprendendo do senso comum:

Quando todos concordam com uma mesma opinião, por exemplo, ou quando uma ideia está vinculada ao padrão de pensamento coletivo, podemos dizer que há um senso comum sobre elas. Em geral, o senso comum permeia as classes menos beneficiadas, pois ele está diretamente ligado com a educação recebida e também com os meios de comunicação que a pessoa está envolvida. Por isso, se você quer desenvolver o senso crítico, deve se desprender de ideias de senso comum, ou seja, deve parar de pensar igual à maioria. Uma pessoa com senso crítico está sempre em busca da ciência, de reflexões, pesquisas e de tudo que é concreto e pode ser comprovado. O senso crítico pode ser considerado um bem para a sociedade quando empregado de cultura e ideias inovadoras. Um indivíduo que preza pelo senso crítico jamais se deixará levar pelos outros, pois aprimora sua maneira de pensar às suas capacidades intelectuais, e para ele, o conhecimento é sempre aproveitável.

2. Pense de maneira crítica:

A melhor forma de você adquirir senso crítico é pensar de maneira crítica, ou seja, questionar tudo e qualquer coisa que lhe impõem a respeito. Tente solucionar seus problemas de forma coerente, estudando e refletindo sempre qual a melhor alternativa para resolvê-lo. Você pode também participar de debates para aumentar seu poder de argumentação, e colaborar com conhecimentos de diversas naturezas. Nunca deixe de ler sobre vários assuntos e pesquisar sobre tudo que você ainda não sabe.

3. Estude muito:

É difícil pensar de maneira crítica sobre os problemas de sua área de atuação se você não tem grande entendimento sobre a mesma. Isso significa que você deve estudar muito. É preciso ler, conversar com pessoas das mais diversas áreas e linhas de pensamento e comparar vários exemplos práticos para formar seu próprio pensamento acerca do tema em questão.

4. Cuidado com o emocional e os “joguinhos”:

Pessoas têm seus próprios interesses e estão, em geral, mais interessadas em tecer julgamentos e opiniões que reforcem suas posições. Quando contrariadas, algumas pessoas podem apelar para o lado emocional ou partir para a pressão, os famosos “joguinhos”.

Por isso, mantenha sempre seu foco na argumentação, não no tom ou em quem está envolvido com a questão. Mantenha distância emocional do objeto em discussão.

Dicas de livros:

  • Senso Crítico de David Carraher
  • Freakonomics, de Steven Levitt e Stephen Dubner

Por Daniela Almeida da Silva


Você já parou para pensar que cada vez mais as circunstâncias e as tecnologias novas estão afastando as pessoas de suas famílias e de todos de que mais se ama? Pois é, infelizmente as pessoas estão dando importância para coisas irrelevantes e esquecendo de que o tempo passa depressa, e amanhã ou depois pode ser tarde demais para lembrar disso. Porém, há sempre um tempinho para refletir, não é mesmo?

Quando queremos muito algo, um dia inteiro passa a ter 48 horas se for possível, só para poder nos dedicarmos àquilo que mais nos interessa. Então, por que não usarmos esse tempinho para algo importante como a família, por exemplo? Aqui vão algumas dicas:

1. Trabalho:

Sabemos que o trabalho excessivo às vezes nos tira a atenção de outras coisas e também acaba afastando as pessoas. Talvez ele até contribua um pouco para isso. Mas, por um outro lado, esse fator depende exclusivamente da própria pessoa, ou seja, é ela quem tem que decidir a hora que começa a trabalhar e a hora que tem que terminar seu expediente e ir embora para casa, ficar com a família, e de preferência, evitar fazer horas extras e não levar trabalho para casa. Para isso, você só precisa ter disciplina. Empenhe-se todos os dias sair no mesmo horário do trabalho, marque um encontro com sua família na mesa para jantar todos os dias juntos. Assim, você começará a se adaptar à essa rotina facilmente. Terá tempo suficiente para seu expediente só no trabalho e o final do dia com a sua família.

2. Fique menos em redes sociais:

Como falado antes, os dispositivos móveis com suas tecnologias novas estão afastando cada vez mais as pessoas. Se você é um adepto a redes sociais, por exemplo, estabeleça apenas alguns minutos do seu dia e não fique o tempo todo como de costume, pois isso atrapalha muito as relações no plano real.

Por Daniela Almeida da Silva


Falar em público infelizmente ainda é um problema para uma grande parte das pessoas.  Frequentemente, pessoas estão cada vez mais tendo pânico de falar em público, seja por timidez, seja por algum trauma já sofrido anteriormente. Mas, o que fazer diante desse problema? Veja algumas dicas simples para te ajudar:

1. Respiração:

A respiração melhora a circulação e favorece a oxigenação no cérebro, pois quando estamos muito nervosos e ansiosos, sofremos um aumento na pressão sanguínea e às vezes até falta de ar, dependendo da pessoa. Por isso, quando você tiver que falar em público, pare de 30 minutos à 1 hora antes para praticar exercícios de inspiração e expiração, relaxe e imagine que tudo sairá bem.

2. Exercício do espelho:

Uma outra dica importante e até bem conhecida há um bom tempo é a técnica do espelho, que consiste em se olhar no espelho e falar como se você estivesse realmente na frente de uma plateia. Você também pode fazer esta técnica sem o espelho. Para isso, você precisaria de um lugar com um espaço bem grande, e ali, deverá falar sozinho, expressando-se como se estivesse em uma plateia. Com o tempo, você se adaptará e se acostumará. Lembre-se de que isso não irá garantir a perca total do seu medo de falar em público, apenas te auxiliará. Por isso, dependendo do caso, é sempre bom procurar ajuda de um profissional.

3. Cursos:

Existem cursos que podem ajudar você a se expressar melhor em público, como por exemplo cursos de teatro, música, rádio e TV, entre outros. Você também pode consultar profissionais especialistas em voz, cursos de como falar em público, entre outras diversas técnicas disponíveis no mercado hoje em dia. Enfim, há uma vasta gama de técnicas que podem ser usadas hoje em dia, e cada uma delas são direcionadas a um tipo de público diferente. Por isso é necessário identificar antes qual a causa do seu medo.

Por Daniela Almeida da Silva


Dizem que a primeira vez a gente nunca esquece. Essa experiência realmente pode significar algo marcante para muitos, independente do contexto. Mas, tratando-se de trabalho, podemos colocar várias coisas em questão. A primeira é como e o que fazer no primeiro dia de trabalho. E isso não depende só da pessoa, depende também de outros aspectos. Veja alguns deles:

1. Conheça bem a empresa nova: Nada melhor saber com quem você está lidando, para isso, conheça melhor a empresa e a área em que ela atua. Mesmo que você seja um profissional com vasta experiência no campo, tenha sempre em mente de que você precisa conhecer bem a empresa antes de ir colocando o que sabe na prática. Veja também quais são as expectativas da empresa, os meios de comunicação, os tipos de setores e o que cada um deles faz, conheça os funcionários, os clientes e quem são os fornecedores; os projetos realizados e os que ainda estão em andamento e, principalmente as últimas atividades realizadas pelo profissional que trabalhou ali antes de você.

2. Comece pelo o que a empresa achar melhor: Depois que você tiver conhecido tudo, agora é hora de colocar a mão na massa de verdade. Mas não com o que você quer e como você quer. Primeiro, deverá esperar seu superior se manifestar, pois suas atividades deverão estar de acordo com aquilo que a empresa espera, ou seja, com aquilo que estiver dentro da necessidade dela.

3. Trabalhe com suas competências: Depois de tudo, além de você atuar com suas experiências adquiridas, o mais importante ainda é trabalhar com competências, ou seja, dar o melhor de você e o melhor de suas habilidades e capacidades, pois o primeiro dia de trabalho representa muito tanto para a empresa quanto para você mesmo e isso pode te trazer resultados positivos durante a sua carreira na nova empresa.

Por Daniela Almeida da Silva


Novo cargo, novo trabalho. Não é isso que esperamos? Pois é. Mas a maioria das pessoas que muda de cargo numa empresa muda até de cabeça, e é aí que as coisas podem piorar ao redor delas, começando com as relações dentro da empresa, por exemplo. Veja o que você precisa fazer quando mudar de cargo na empresa:

1. Melhorar a relação entre as pessoas na empresa: Muitas pessoas acham que para ser chefe ou ter um bom cargo é preciso ser superior às outras pessoas e fazê-las serem submissas, mas isso não é verdade. Para você se tornar um bom chefe, primeiro precisa se tornar um excelente líder. Não é porque você é chefe agora que tem que tratar as pessoas mal ou deixar de ter uma boa relação com elas como um profissional para ajudá-las a progredirem também. Saiba que todos passam por isso e nada e nem ninguém tem o direito de magoar as pessoas.

2. Melhorar o ambiente de trabalho: É tarefa sua melhorar não só o seu ambiente de trabalho, mas o ambiente de trabalho em que todos vivem. É tarefa sua contribuir para a melhoria coletiva em prol de um bom aproveitamento do trabalho e da mão de obra da empresa. Para isso, consulte melhor sobre o que você pode estar fazendo a respeito. Vale tudo, desde que esteja dentro da programação de suas atividades profissionais para com a empresa.

3. Criar estratégias necessárias de atuação: Sua atuação é de sua inteira responsabilidade, por isso, faça dela uma boa experiência. Crie algumas estratégias para facilitar a sua atuação. Saiba que para cada tipo de trabalho, em diferentes setores, você precisará de estratégias diferentes, por isso, faça-as de forma única. No começo, se você sentir alguma dificuldade, peça auxílio às pessoas à sua volta, não tenha receio, pois se você é novo na empresa, é o mínimo que pode fazer.

Por Daniela Almeida da Silva


Muitas pessoas passam a vida inteira fazendo planos e estabelecendo metas para seu futuro, mas quando chega a hora de colher os frutos de sua jornada, praticamente se acomodam em um canto e ali ficam esperando o fim da vida.

Querendo ou não, tudo na vida são escolhas, e estamos o tempo todo fazendo elas, até de forma inconsciente, sem ao menos perceber. Ser livre para viver suas próprias escolhas também implica em alguns fatores, tais como:

1. Acreditar em si mesmo:

O que seriam de suas escolhas se você não acreditasse na sua capacidade? O que seria de nós sem nossas próprias escolhas? Para responder essas duas perguntas você só precisa acreditar em você mesmo. É preciso, antes do mais nada, saber que tudo na vida depende de nós mesmos para que as coisas saiam como o esperado.

2. Abrir mão do pessimismo:

Muitos falam que o pessimismo não leva a nada, mas poucos abrem mão dele. Para abrir mão dele você precisa trocar crenças velhas por crenças novas que não sejam limitadoras e pessimistas, como, por exemplo, ao invés de acreditar que gato preto traz azar, acredite que um gato preto traz abundância, pois sua cor preta é uma cor expressiva e que armazena energia. Assim, você começará a se sentir bem melhor.

3. Compartilhar:

Outra coisa que você precisa aprender a fazer na vida é compartilhar. De que adianta conquistar tudo o que você quer para viver sozinho, isolado do mundo, sem amigos e pessoas que querem o seu bem? Para ser feliz e completo é preciso compartilhar com o próximo suas conquistas, assim você estará aumentando sua capacidade de liderança e ao mesmo tempo ajudando quem precisa. Enfim, para viver suas escolhas, é preciso ser livre. Livre para aprender mais a cada dia, para saber que tudo na vida tem seu fluxo natural e que as coisas caminham para o bem, para a evolução.

Por Daniela Almeida da Silva


Quer melhorar sua capacidade de argumentação? Então siga estas dicas abaixo:

1. Saiba compartilhar ideias:

Ao invés de ficar querendo impor suas ideias aos outros, aprenda primeiro a compartilhá-las, pois desta forma você estará abrindo seu leque de possibilidades para um bom discurso.

2. Na hora do discurso, mantenha o foco no assunto e estabeleça um objetivo:

Se você for fazer um discurso, por exemplo, tenha sempre em mente antes o assunto que você quer falar e estabeleça o objetivo que você quer com ele. Para seu discurso sair como esperado, você precisa fazê-lo por etapas, ou seja, seu discurso deve ser baseado em uma sequência lógica de argumentos, para que o ouvinte se sinta mais confortável e entenda melhor o que você está querendo dizer.

3. Explore sua linguagem corporal:

A nossa linguagem corporal é uma forma essencial de transmitir intenções e sensações que a linguagem verbal, ou a fala, não seria capaz de transmitir. Nessa hora vale tudo. A forma como você gesticula suas mãos, face, braços, pernas, o andar, o olhar e outros movimentos que podem se complementar se você souber usar no momento em que estiver transmitindo sua mensagem. Assim, seu discurso ficará mais convincente para os ouvintes.

4. Transforme seu discurso em uma conversa prazerosa:

Não importa se você esteja falando com uma pessoa importante ou não, você pode transformar o seu discurso em uma conversa muito prazerosa. Para isso, saiba que você não está simplesmente falando para uma pessoa, e sim com uma pessoa. Lembre-se sempre de utilizar uma linguagem adequada para cada tipo de público. Evite piadinhas ou linguagem informal muito exagerada. Mantenha a sua voz num tom adequado, nem muito alta e nem muito baixa para não causar impactos desnecessários.

Seja bastante flexível com as pessoas, faça perguntas quando achar necessário e estiver dentro do assunto e leve o discurso como se ele fosse uma conversa normal.

Por Daniela Almeida da Silva


Você já parou para pensar na sua trajetória? Quantas coisas alcançou ao longo do caminho? Que tal começar a ter orgulho de si, e de quem é neste mundo? É preciso que você tenha orgulho de todas as conquistas e do caminho que percorreu. Certamente, você passou por muitas dificuldades, superou obstáculos e o mais importante: continuou e não desistiu. Já parou para refletir, tudo o que conseguiu? Que mesmo que as coisas sejam difíceis, você insiste, porque acredita que vai dar certo?

Fazer reflexões é fundamental para a carreira, principalmente, se deseja mudar em algum ponto ou focar em novos desafios. Ter orgulho da sua vida e da sua trajetória faz o trajeto valer a pena.

Você está gostando de si como é? Se não, por que não mudar? Aproveite esse fim de ano para pensar sobre si mesmo, suas atitudes e o que quer para si. Muitas vezes, as pessoas tentam ser aquilo que não são devido aos padrões impostos pela sociedade ou mesmo para agradar aos pais e como consequência acabam perdendo a autenticidade e deixando de lado de ser quem são. Portanto, muitas vezes é preciso ter firmeza e coragem nas suas convicções e ser realmente quem é, ou seja, seguir a carreira que deseja. Por isso, enfrente as coisas e acredite no seu potencial para alcançar o que deseja e tenha orgulho da história que está construindo para o seu futuro.

Cada um de nós é diferente e pensa de maneiras distintas. Por isso, descubra o que quer para si mesmo, enfrente os desafios e mude os padrões se achar necessário. Respeite os seus valores e esteja sempre em movimento, para fazer acontecer, o que acredita, que vale a pena. Não deixe os outros viverem a sua vida, viva-a de maneira plena, com os pés no chão e respeitando seus valores e princípios.

Tenha orgulho de si e do caminho que está seguindo. 

Por Babi


Um novo ano sempre traz novas expectativas profissionais. Mas é necessário se preparar para conseguir aproveitar as oportunidades que os novos dias trarão. A chegada de 2015 não será diferente em relação aos desafios profissionais. É necessário estabelecer metas de curto e médio prazo para não deixar que o início do ano seja apenas passageiro.  

Seja prático para conseguir alcançar seus objetivos. Pense nos contatos que você pretende obter, nos cursos que irá fazer e nos prazos que deverá cumprir. Organize-se para que ainda sobre tempo para você pensar em sua carreira como um todo com o objetivo de se sentir ainda mais preparado. Assim, outras empresas poderão desejar seu perfil profissional para fazer parte dos objetivos da instituição.  

Para que você consiga ser um bom profissional, que seja disputado entre as empresas, veja as dicas abaixo:  

– Enfrente os problemas:

As empresas desejam funcionários que encarem com problemas para resolvê-los. Nenhuma corporação de alto nível pretende contratar funcionários que colocam os problemas para debaixo do tapete, como se eles não existissem. Para se destacar é preciso conhecer o desafio e resolvê-los com melhor eficiência possível.  

– Seja humilde para aprender:

Essa é uma qualidade que todo profissional deve ter não importa o cargo que ocupe. Não existe funcionário 100% perfeito. Todos precisarão sempre aprender e se aperfeiçoar. Por isso, os recrutadores procuram por pessoas que são humildes para aprender as funções presentes na empresa e conceitos do cargo que ocupará.  

– Não coloque obstáculos para mudanças:

Diante de uma crise interna, cerca de 49% das empresas querem que seus funcionários tenham uma alta capacidade de adaptação. Por isso é preciso que você esteja pronto para as mudanças que poderá surgir em seu ambiente de trabalho.  

– Seja bom em relacionamentos profissionais:

Nada é mais importante do que você saber lidar com pessoas. O relacionamento interpessoal sempre foi e continuará a ser importante. Em 2015 não será diferente. É preciso que você saiba como lidar com todas as pessoas no ambiente de trabalho, não importa o cargo que ocupem e em que nível se reportam a você. Por isso invista como nunca em relacionamento profissional.

Por William Nascimento


Quanto mais precisamos cumprir com nossas obrigações no dia a dia, parece que mais nos desatentamos dela, e, por incrível que pareça, ficamos a mercê da desorganização. Isso é  um péssimo sinal para o funcionário de uma empresa ou para qualquer outro profissional que deseja se organizar pelas suas obrigações. E por falar em obrigações, podemos considerar como principal, o cumprimento dos horários de trabalho, pois na falta deles, não haveríamos como organizar nossa vida e nem nossos planos profissionais. Nesse caso, alguns aspectos devem ser levados em consideração, tais como:

1. Planejamento:

Você poderá ouvir essa palavra durante sua vida inteira, pois ela é um dos aspectos mais importantes na vida de pessoas organizadas. Uma vida sem planejamento é como se não existisse. Sem contar que o planejamento faz parte de nossa vida. Levantamos de manhã cedo e já sabemos para onde vamos e o que fazer durante o dia. Nosso cérebro já se programa para agir de acordo com esses pequenos planejamentos durante o dia. Por isso que um planejamento é ideal para você que não quer perder seu horário de trabalho ou de seus compromissos importantes. Para isso, utilize meios para se programar no seu dia a dia, como despertadores, agendas, programas e softwares de internet, entre outros. O importante é não perder a hora.

2. Determinação:

Quem tem determinação, dificilmente vai perder a hora com facilidade ou deixar se levar pelas circunstâncias da rotina. Para isso, se prevê antes de mesmo das coisas acontecerem como, por exemplo, um executivo que tem várias reuniões por mês. Normalmente, ele que dá as coordenadas na sua vida. Planeja antes de tudo e exige que todas as suas coisas saem como planejadas, ou seja, é sempre fiel às suas obrigações, ainda mais se tratando de reuniões, pois precisa chegar a tempo, nos horários estabelecidos.

Portanto, antes do mais nada, programe-se para que todas as suas coisas saiam como planejadas.

Por Daniela Almeida da Silva


O humor é um atributo importante para mantermos nossa motivação. Se estamos com bom humor, ficamos bem motivados, otimistas, com a autoestima elevada e todos querem estar perto da gente. Pessoas que mantém um bom humor todos os dias, não estão se preocupando só com elas, mas com os outros ao seu redor também, e para isso, é dotado de criatividade. É geralmente, uma pessoa brincalhona, de bem com a vida, empática, simpática e positiva. Sabemos que às vezes não é fácil manter um bom humor todos os dias, infelizmente. No caso das mulheres, que sofrem oscilações de humor por causa dos hormônios decorrentes do período pré-menstrual, isso tende a ser um problema. Mas nada está perdido, é preciso ter vontade para controlar. Para isso, veja o que qualquer pessoa pode fazer:

1. Resgatar a autoestima:

A autoestima nos ajuda a manter o bom humor. Se você se reservar em enxergar apenas o melhor que há em você, com certeza depois de um certo tempo estará com a sua autoestima fortíssima, feito uma rocha. Não vá pelos aspectos externos, e sim pelos internos primeiro, como motivação, inteligência, boa conduta, habilidades, etc. Depois que você valorizar os aspectos internos, os externos serão o de menos, ou você os enxergarão de forma diferente. Assim, quando você aprender a gostar de você, se tornará uma pessoa mais livre, dispersa e sorridente.

2. Investir em amizades:

Pessoas que têm muitos amigos são bem mais alegres do que aquelas que se sentem sozinhas, pois normalmente são mal-humoradas. Ter companhia a todo momento faz uma pessoa ser mais divertida e a ser mais prestativa, e com isso, ficam mais simpáticas com as outras. As pessoas gostam de quem é divertido, pois a diversão é algo que contagia a todos, independente da condição, gênero e idade. Por isso, invista em seu potencial como amigo e aprenda a gostar de estar com pessoas.

Por Daniela Almeida da Silva


Quando estamos inseridos em um ambiente onde existem várias pessoas convivendo juntas por muito tempo, é normal umas quererem saber da vida das outras para estarem por dentro de tudo o que acontece ao redor delas. Infelizmente, algumas pessoas levam isso tão a sério que são capazes de transformar a vida de outras num verdadeiro inferno. Quando isso acontece, normalmente vem acompanhado de confusão, brigas e desentendimentos, e se for em um ambiente de trabalho então, para piorar, as confusões sempre terminam em demissões, e muitas vezes, em condições precárias. Se você é do tipo de pessoa que procura fugir disso, então preste atenção nas dicas a seguir:

1. Foque no seu trabalho:

Pessoas sem motivação e sem propósitos de vida normalmente têm a cabeça vazia, por isso fica buscando bisbilhotar a vida alheia para ter certeza de que tem gente pior que elas. Numa situação dessas, a melhor coisa a se fazer para se prevenir é focar nos resultados do seu trabalho, pois assim você só terá a ganhar. Caso contrário, o pior poderá sobrar pra você.

2. Selecione suas amizades:

Outra alternativa é selecionar suas amizades, ainda mais em um ambiente de trabalho. É sempre bom saber em quem se confia para contar suas coisas e conversar sobre qualquer assunto.

4. Não dê palpites:

Quando você estiver conversando com alguém e essa pessoa começar a falar de alguém, mude de assunto ou diga que não quer conversar sobre coisas que não lhe diz respeito. Assim, essa pessoa ficará tão envergonhada e constrangida que nunca mais falará mal de alguém para você, em respeito à sua postura. 

Outra dica também é não ficar falando muito de sua vida particular, pois isso pode gerar curiosidades acerca de você. Depois disso, as pessoas irão querer saber cada vez mais da sua vida, e, quando menos você esperar, seu nome estará no meio de fofocas. Portanto, previna-se.

Por Daniela Almeida da Silva


Muitas pessoas passam o dia todo na empresa e não se alimentam direito. Passam o dia apenas comendo lanches, sucos e doces e esquecem de que precisam levar sua alimentação a sério para poder ter uma vida produtiva e saudável na empresa. Às vezes, não é porque não querem, e sim por causa da falta de tempo e também de falta de informação a respeito do assunto. Por isso, veja algumas dicas abaixo e melhore sua alimentação no trabalho:

1. Leve alguma coisa pra comer no trabalho:

Muitas pessoas reclamam da comida do restaurante da empresa, outras ainda se recusam comer porque está de regime. Para isso, você pode optar por levar alguma comida de sua casa. Pode ser frutas, sanduíches naturais, legumes cozidos, cereais ou fazer aquela marmitinha com a sua comidinha do dia a dia. Não precisa ser nada exagerado. Apenas para você se manter bem alimentado no período em que você estiver trabalhando na empresa.

2. Coma nos intervalos:

Outra boa alternativa é comer entre um intervalo de 3 em 3 horas. Para isso, tenha sempre algum alimento disponível, de preferência que seja saudável, como frutas, barra de cereal, entre outros. Lembre-se sempre que para você sentir menos fome nos intervalos, é necessário que você esteja bem alimentado durante o dia, por isso, não deixe também de tomar um bom café da manhã e de almoçar.

3. Cuidado com alimentos gordurosos:

Alimentos gordurosos podem atrapalhar a digestão e fazer você se sentir mal durante seu expediente. Por isso, evite comer frituras, salgadinhos, biscoitos recheados e outros alimentos gordurosos que contém açúcar. Durante o dia, você também pode optar por bebidas como chás, café, sucos naturais, iogurte, entre outros. Algumas dessas bebidas fazem bem e favorecem a digestão.

Enfim, saiba que é muito importante você ter uma alimentação saudável no ambiente de trabalho, pois caso contrário, você poderá se sentir improdutivo e com energia baixa para ter criatividade.

Por Daniela Almeida da Silva


Passamos a maior parte do nosso tempo no trabalho, e muitas pessoas ainda não conseguem viver bem em nos  ambientes dele, por mais que a maioria  ofereçam aos funcionários diversas  áreas de lazer, diversão e bem estar. Viver bem no trabalho é sinônimo de qualidade de vida, por isso temos que tentar fazer o possível para que possamos viver em harmonia e paz com ele. Para isso, veja o que você pode fazer:

1. Levar um pouco de sua casa para o seu trabalho:

Se você conseguir levar algumas coisas de sua casa para seu trabalho, começará a se sentir bem melhor. Você pode levar objetos como um porta-retrato com a foto de sua família, plantas, amuletos, almofadas de sofá e tecidos para decorar seu ambiente, entre outros objetos para você decorar o restante de seu ambiente de trabalho.

2. Fazer amizades confiáveis:

Uma outra alternativa válida é fazer boas amizades no trabalho. Mas, para valer a pena, essas amizades tem que ser verdadeiras, senão não te acrescentarão em nada. Por isso, veja quem são as pessoas que realmente estão do seu lado, observe se essas pessoas querem mesmo o seu bem e fique do lado delas. Às vezes uma boa amizade nos dá muita força pra continuar em situações constrangedoras.

3. Entrar em contato com seus familiares:

Quando você tiver um tempinho no seu trabalho, peça para o seu chefe deixar você ligar para seus parentes para você ficar mais tranquilo e se sentir melhor. Você perceberá que com essas atitudes, aos poucos começará a sentir melhor, e como se estivesse em sua própria casa. Vale lembrar que o seu sentimento em relação ao trabalho também deve mudar, para assim você ter uma satisfação significativa. Tente estabelecer uma boa conexão com o seu trabalho e verá que as coisas mudarão para você, principalmente a forma de enxergá-lo.

Por Daniela Almeida da Silva


Se você é um profissional que atua de acordo com a sua vocação e está consistente nela, então saiba que agora o mais importante a se fazer é definir seus objetivos. Porém, antes do mais nada, lembre-se sempre que um objetivo é diferente de uma intenção. Veja que intenção é quando te dá aquela vontade momentânea, como por exemplo: intenção de tomar um sorvete, intenção de ir à praia, etc. Ou seja, você prevê fazer algo, e prontamente o faz. Já um objetivo é um sentimento que te impulsiona e que te leva a um propósito consigo mesmo.

Muitas pessoas têm em suas mentes várias intenções, e andam dizendo por aí que são objetivos. Infelizmente, mal elas sabem que estão equivocadas. Diferentemente de uma intenção, um objetivo é algo que tem que ser definido dentro da gente. Precisam ser específicos, mensuráveis e estarem em um plano determinado para serem logo realizados.

Um objetivo que está definido em nossas vidas nos dá uma visão de futuro perfeita e nos estimula a criar expectativas positivas. Apenas ganhe alguns minutos por dia para defini-los com clareza e verá como faz a diferença. Antes disso, siga algumas das principais regras para te ajudar a definir seus objetivos verdadeiramente:

1. Analise tudo o que você já fez e verifique se todos eram ou não um objetivo. Se não for, descarte-os.

2. Faça uma lista de tudo o que você quer para a sua vida.

3. Veja o que é possível ou não realizar seus objetivos dentro de suas estratégias.

4. Procure organizar e separar objetivos de intenções imediatas. Não se esqueça de que intenções são apenas vontades.

5. Avalie se seus objetivos são compatíveis com suas estratégias.

6. Descreva todos os seus objetivos com riqueza de detalhes.

7. Determine prazos para a realização de seus objetivos.

8. Lembre-se de todos os dias colocar suas estratégias em prática para realizar seus objetivos.

9. Saiba ter paciência e persistência.

10. Esteja preparado para poder colher seus frutos.

Por Daniela Almeida da Silva


Mesmo depois de muitos anos de estudo e dedicação à sua carreia, chega uma hora que você começa a ter dúvidas sobre a sua carreira profissional. Nessa hora, veja o que você pode fazer:

– Análise de sua carreira:

Em geral, nossas principais decisões a serem tomadas nascem de uma análise de fatores internos, ou seja, ver o que está nos afetando e afetando nossa carreira no momento. Porém, nunca vire as costas para a sua verdadeira vocação nessa hora, pois é ela que dirá o que fazer.

– Decida a empresa certa:

A decisão sobre qual empresa trabalhar continua sendo um dos fatores da análise de sua própria carreira. Portanto, se você não está satisfeito com a empresa que está trabalhando no momento, procure uma outra oportunidade em uma empresa diferente e que esteja alinhada aos seus valores.

– Emprego ou negócio próprio:

Se está difícil se estabelecer em uma empresa, então, veja a possibilidade de abrir um negócio próprio dentro da sua área. Existem muitos profissionais que estruturam suas carreiras em um negócio próprio depois de trabalhar anos e anos em empresas. Preferem crescer financeiramente do que buscar o sucesso por meio da experiência.

– Avalie sua posição no mercado:

Muitas vezes as pessoas ficam frustradas pelo simples fato de não posicionarem suas carreiras da melhor forma no mercado de trabalho, que nada mais é do que se adequarem a uma área específica de atuação. Por isso, se você sempre se identificou com uma área de sua carreira, não hesite em segui-la, mesmo que para isso, você tenha que abrir mão da experiência que adquiriu. O que vale é a sua coragem.

Portanto, vale sempre lembrar que, não basta fazer somente o que você gosta, é preciso sempre buscar traçar uma meta, ou uma estratégia objetiva e lutar o suficiente para você atingir o que deseja em sua carreira profissional. Nessa hora vale tudo, só não vale deixar de cumprir sua missão.

Por Daniela Almeida da Silva


Não importa a fase que você se encontra, você sempre se questionará a respeito do caminho certo, se você o está seguindo da maneira correta ou não. Infelizmente, a maioria das nossas decisões é tomada em momentos de rebeldia, ou seja, definimos aquilo que não queremos para a vida e assim tomamos nossos rumos baseados naquilo que nos falam, e por fim, acabamos definindo aquilo que não queremos na vida, sem o mínimo de clareza.

Para se sentir plenamente realizado, todos precisam estar atuando onde se sentem melhor e onde seus talentos possam ser usados livremente.

E, você, já tem consciência dos seus objetivos? Caso não tenha, considere então as seguintes dicas:

– Conheça melhor a si mesmo:

Nada melhor do que conhecermos a nós mesmos para poder tomar uma decisão importante na vida. Quando nos conhecemos bem, não temos medo de tomar decisões, por mais difíceis e cruciais que elas sejam.

– Avalie sua própria vida:

Às vezes quando queremos muito alguma coisa e ela não está alinhada à nossos valores, nos sentimos frustrados, por isso, é muito importante estar sempre reavaliando nossa vida e nossas prioridades para ter certeza se estamos tendo consciência plena daquilo que queremos.

– Converse com sua consciência:

Conversar com nossa consciência nada mais é do que olhar para dentro de nós mesmos para entrar em contato com o nosso mais profundo eu interior, para fazer uma autoanálise de nós mesmos. Desta forma, estaremos dando lugar para os nossos profundos desejos, baseados na nossa mais profunda intenção, se manifestarem, e assim concluiremos a nossa vocação. Se você tiver essa atitude, terá a chance de se encontrar consigo mesmo, e esse encontro pode sim nos fazer solitário, mas, com o tempo, verá que valerá a pena, e será extremamente gratificante. Por isso, tire algumas dúvidas consigo mesmo, e quando menos esperar, verá que ainda há muito o que fazer na sua vida.

Por Daniela Almeida da Silva


Sabemos que errar faz parte da vida. Quando nascemos e aprendemos a andar, caímos no chão várias vezes até conseguirmos nos equilibrar sobre nossas próprias pernas e assim caminharmos sozinhos. Mas, para isso, é preciso cair várias vezes. Portanto, mesmo que sejamos competentes, talentosos e esforçados, temos que aceitar a condição de errarmos às vezes e compreender que isso sim é humano.

Querer ser uma pessoa perfeita faz você se tornar impotente e arrogante. Portanto, quando pensar em querer ser perfeito, reflita da seguinte forma:

– Compreenda de uma vez por todas que você pode até ser uma pessoa sensacional, mas tem que aceitar o fato de ser imperfeito às vezes. Quando adquirimos a humildade de admitirmos isso, estamos dando a chance de as pessoas se surpreenderem com nós mesmos. Talvez o segredo da perfeição resida nessa atitude.

– Tenha sempre em mente de que amanhã é sempre um novo dia, e assim, teremos a oportunidade de buscar sermos melhores cada vez mais, e a cada dia. Podemos estar cada vez melhor pelo simples fato de estar aprendendo.

– Apesar de lutarmos sempre a cada dia, manter a cabeça fria e uma postura sempre otimista ajuda muito, e, você verá que faz toda a diferença na hora de você tomar suas decisões.

– Saiba que, só o fato de você ser uma pessoa honesta e batalhadora já faz uma grande diferença entre as pessoas, pois infelizmente ainda é difícil encontrar alguém digno de confiança e honestidade. Estas atitudes, com certeza, é o mais alto grau da nobreza humana, e, portanto, sendo assim, você estará andando no caminho certo.

Enfim, aconteça o que acontecer pense sempre que você procurou dar o melhor de si e que é capaz de se superar sempre, pois você possui dentro de si a energia necessária para ir à luta todos os dias e mostrar quem você quer ser, apesar de suas fraquezas. Acredite na sua importância.

Por Daniela Almeida da Silva





CONTINUE NAVEGANDO: