Alta no nível de desemprego do Brasil no primeiro trimestre de 2014




No primeiro trimestre, a taxa de desemprego no Brasil ficou em 7,1 %. Segundo o PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) esse percentual está maior do que o último trimestre de 2013, que ficou em 6,2%. Essa taxa referente aos números de desempregados aumentou este ano, pois existem diferentes situações que contribuem para esses dados.  

A parte do país que mais destaca no número de desemprego é a Região Norte e Nordeste, onde concentra uma classe de trabalhadores mais jovens, que trabalham como autônomos ou em um trabalho informal, ou seja, sem carteira assinada. São pessoas comercializando produtos nas ruas ou realizando serviços em casa, como também outras atividades remunerativas sem vínculo empregatício. E que muitas vezes consideram melhores este tipo de serviço informal por conseguirem ter mais flexibilidade e às vezes a rentabilidade financeira é maior. Há também uma grande concentração de trabalhadores aumentando na região Nordeste e Centro-Oeste segundo dados do IBGE.  


E ainda é divulgado pelo IBGE que jovens entre 14 e 17 anos estão com o número reduzido no trabalho infantil, sendo um aspecto positivo quando estes adolescentes podem se dedicar somente aos estudos e se preparar para uma melhor qualificação no futuro.

Muitas pessoas no país não estão trabalhando e nem estão em busca de trabalho, sendo um percentual de 39,9%, e esse perfil é considerado como “fora da força de trabalho”. Dentro deste parâmetro estão em maiores números as mulheres, sendo que muitas têm o cônjuge para arcar com as despesas, permitindo a esposa se dedicar somente aos cuidados com os filhos e as tarefas domésticas. Em seguida, são os idosos que ocupam o segundo lugar da classe “fora da força de trabalho”, justamente por já estarem aposentados.

Por outro lado, o aumento de pessoas fazendo greve está aumentando por todo o Brasil, muitos estão reivindicando melhores salários e outros benefícios que com o salário atual não está atendendo as necessidades da população.


Portanto, espera-se que a taxa de desemprego possa chegar a números reduzidos a cada ano, acreditando que no Brasil as pessoas possam viver em situações e qualidade de vida cada vez melhor.

Por Jaqueline Mendes

Relacionados



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *