Greve Geral 2017 – Quem vai Parar Sexta-Feira Dia 28-04-2017



Confira aqui quais setores devem paralizar suas atividades na próxima sexta-feira, dia 28 de abril de 2017.

Para quem depende de alguns serviços bancários, Correios ou transporte público, na próxima sexta-feira, pode ficar prejudicado, pois a Central Única dos Trabalhadores (CUT), em parceria com outros sindicatos, está programando uma paralisação geral no dia 28 de abril. A previsão é que outros movimentos também resolvam aderir a greve, que tem o objetivo de protestar contra as reformas previdenciária e trabalhista, proposta pelo governo de Michel Temer (PMDB).

Os líderes dos sindicatos estão organizando uma mobilização que vai se iniciar pontualmente às 17 horas no Largo do Batata, situada na zona oeste da capital paulista, até a casa do presidente Temer. A CUT ainda informa que não tem a expectativa de superar o número de pessoas da paralisação do dia 15 de março, mas seu principal objetivo é a total paralisação das atividades durante o horário comercial.



No dia 1 de maio, próxima segunda-feira, a CUT está planejando uma grande manifestação na Avenida Paulista e até hoje sete centrais sindicais se manifestaram e confirmaram maciça presença na greve do dia 28. O sindicato dos metroviários aderiu a greve de sexta-feira e vão paralisar as atividades dos trens e metrôs de São Paulo durante todo o dia e os avisos estão espalhados nas estações. Outro sindicato que confirmou presença na greve é os dos rodoviários do ABC Paulista e o órgão vai interromper suas atividades normais durante todo o dia 28 nas cidades que pertencem a região do ABC da grande São Paulo.

Outro setor que vai parar durante todo o dia, é os dos bancários da capital paulista e região metropolitana. O sindicato dos Correios e Telégrafos foi ainda mais fundo e antecipou a greve para o dia 26 de abril, às 22 horas e a paralisação será por tempo indeterminado, pois são vários os motivos da reivindicação. Os funcionários da prefeitura vão aderir a paralisação do dia 28, mas o sindicato da categoria ainda não definiu se a greve será durante todo o dia.

Além da reforma trabalhista e da previdência, o protesto tem como motivo o aumento salarial de várias categorias. Alguns professores da rede pública municipal de outros estados pretendem aderir à greve geral de sexta-feira. Tomara que todo o esforço gere algum resultado para os manifestantes.



Rodrigo Souza de Jesus

Nossos Cursos - Loja Trabalhou


Cursos de Aprimoramento Profissional. Visite nossa loja.




2 Comentários - Escrever um Comentário

  1. Greve, ou apoio ao Lula, os sindicatos estão com medo de perder a boquinha. Chega de tanta falcatrua destas entidades que dizem apoiar o trabalhador.

Post Comment