Uma prática cada vez mais comum entre os RH’s de empresas é a realização de entrevistas por meio de telefone. O que muitos candidatos não imaginam é que aquelas perguntas aparentemente inofensivas já fazem parte do processo de seleção das empresas, muito menos que muitas pessoas não seguem para a próxima etapa de seleção.

As entrevistas por telefone são consideradas para que as empresas poupem  tempo em seus processos e possam otimizar seus recursos disponibilizados nos casos de entrevistas presenciais. Comumente esta etapa de seleção é usada pelas empresas para realizarem algumas verificações como se o candidato possui ou não conhecimentos citados no currículo, disponibilidade e pretensão salarial. As entrevistas via telefone são mais comuns nas primeiras etapas dos processos seletivos e pode ser que as empresas faça uso desta oportunidade também para passar mais informações sobre as vagas, como benefícios oferecidos, salários etc, além de verificar também se há de fato interesse do candidato por meio da forma com que o mesmo se porta mediante as perguntas realizadas, se o candidato tem domínio da língua, bem como as palavras empregadas durante a entrevista.

Em entrevista fornecida ao site G1, a coordenadora de recrutamento & seleção da Talent Group, empresa de recrutamento, seleção e terceirização de mão de obra, Janaína Andrade, diz: “A entrevista por telefone ainda não é utilizada por todas as empresas, no entanto, é uma tendência a ser seguida. O mercado anda muito aquecido e, muitas vezes, o profissional que enviou o currículo para a oportunidade não possui os pré-requisitos imprescindíveis, porém, isso só poderá ser confirmado através de uma análise detalhada do currículo e tirando todas as dúvidas com o candidato no contato telefônico”.

Embora a entrevista por telefone não seja utilizada para avaliações detalhadas do candidato, as avaliações básicas são sem dúvida bem analisadas, portanto, é de suma importância coerência e disposição do candidato para conseguir impressionar o recrutador e garantir a vaga pretendida. 

Por Jaime Pargan


De acordo com uma pesquisa realizada pela Page Personnel, os profissionais que estão sendo mais procurados pelas empresas são da área de Recursos Humanos. Só em 2014 – e o ano ainda nem terminou – 65% das contratações foram para o setor de RH das empresas de cargos de nível sênior. Na especificidade de cada cargo, os mais requisitados são Analista Sênior de Departamento Pessoal, Analista Sênior de Remuneração e Business Partner.

O estudo também consultou as empresas que mais contrataram esses profissionais nos últimos tempos e as melhores áreas para o RH foram de bens de consumo, varejo, construção civil e serviços. A região que mais se beneficiou com essas contratações foi o Sudeste, com 65% delas, depois vem a região Sul, com 25%, Nordeste (5%), Centro Oeste e a região Norte com apenas 2,5% cada.

A gerente da divisão de RH da empresa que realizou a pesquisa, Thalita Doering, afirma que essa movimentação toda ligada à área de Recursos Humanos se deve pelo fato das empresas estarem exigindo mais produtividade de seus colaboradores. E os profissionais de RH não são mais aqueles simples operacionais de antigamente. Hoje eles fazem parte da gestão estratégica da empresa para melhorias no negócio.

Segundo ainda Doering, os currículos com muitas experiências profissionais e habilidades específicas não têm sido os fatores predominantes para a escolha desse profissional de RH. O aspecto comportamental está tendo uma força maior nas contratações. Quem possui especializações em coaching e liderança está tendo uma valorização melhor também na hora da entrevista de emprego.

Os especialistas citaram algumas características de profissionais de RH contratados nos últimos tempos. A primeira delas é a capacidade de analisar o negócio. É o profissional que tem uma visão estratégica dos desafios da organização. Além disso, o empregado de Recursos Humanos precisa ter um entendimento não só da sua área, mas conseguir abranger para outros setores, que consegue ter uma abrangência de toda a empresa e seu funcionamento.

A próxima característica é ter um foco nos resultados. As empresas estão exigindo dos funcionários cada vez mais produtividade e eficiência para que os negócios saiam de forma positiva. O profissional de RH que possui uma facilidade maior de negociação também leva vantagem na hora da procura de um emprego. Lidar com os clientes, com os colegas e dominar as técnicas de comunicação e diálogo são pontos essenciais e diferenciais na hora da contratação. 

Por Carolina Miranda


O maior desafio hoje de uma empresa é conseguir criar uma cultura organizacional atraente e que consiga engajar os colaboradores na produtividade da empresa. E esse desafio fica para os profissionais da área de Recursos Humanos.

De acordo com uma pesquisa realizada pela SilkRoad, 53% dos trabalhadores da área de RH acreditam que conseguir levar um ambiente de leveza e descontração para a empresa é um dos temas essenciais.

Os dados foram obtidos de 853 executivos que estão no comando da área de RH das organizações. O próximo desafio desses profissionais é conseguir desenvolver e criar líderes na própria empresa, além do equilíbrio das diferenças de habilidades das equipes (45%). E, depois desses dois quesitos é que vem a dominação de recrutar bons funcionários (41%).

Os próximos desafios, e não menos importantes, são as garantias de orçamento para realização de treinamentos e o suporte da direção da empresa para os programas de recrutamento, seleção e aperfeiçoamento de colaboradores. Lutar contra a resistência à mudança e as melhorias de tecnologia no setor de RH também estão entre os requisitos citados.

O mais interessante é que os profissionais de RH já consideram – em sua maioria – que os substitutos dos colaboradores prestes a se aposentarem serão a geração Y, contudo é preciso prepará-los para esse grande desafio.

O investimento em tecnologia também é um consenso entre esses profissionais. Eles gostariam que todas as empresas já tivessem uma ferramenta que reunisse todos os dados e análises da organização capaz de traçar um perfil de produtividade de trabalho. Entretanto, para conseguir esse investimento, os trabalhadores de RH sabem que é preciso convencer as lideranças de que a área necessita desse orçamento tecnológico. E esse convencimento não foi considerado fácil para 20% dos recrutadores.

O estudo também questionou outros desafios que esses profissionais de RH precisam passar para conseguirem dar andamento ao setor. Infelizmente a maioria (53%) ainda menciona a necessidade de a empresa enxergar a área de Recursos Humanos como um setor estratégico e não apenas técnico ou funcional. 41% gostariam que o RH participasse ativamente da direção e pudesse opinar nas principais decisões empresariais. 

Por Carolina Miranda


A temporada de contratações de fim de ano está apenas começando e, para dar conta da demanda de contratações, as empresas terceirizadas também precisam de reforços. Por isso, a Allis, empresa que atua no setor de recursos humanos, está com 200 vagas abertas para várias áreas.

Há vagas para: analista de recrutamento, atendimento, atendimento externo, convocadores, auxiliares, recepcionista, segurança e limpeza. Os salários não foram divulgados, mas variam de acordo com a função e a cidade em que as vagas serão preenchidas.

As oportunidades são para várias cidades do país, como: Curitiba, Belo Horizonte, Bauru, São Paulo, Vitória, Salvador e outras. Para se candidatar, conhecer os salários e requisitos de cada vaga, acesse o site da Allis.

Por Camila Porto de Camargo

Fonte: IG Economia


No mundo das profissões da alta administração destaca-se o Diretor de Recursos Humanos. É comum a presença deste profissional em grandes corporações, nas quais é impossível que haja um único diretor para toda a área administrativa, por isso se faz necessária a presença de um profissional para dirigir todas as atividades inerentes ao Departamento Pessoal da empresa.

Tudo o que se relaciona às estratégias de seleção, treinamento e desenvolvimento de pessoas, formulação de políticas de cargos, salários e benefícios, integração e eventos e outros mais, passam pelo crivo deste profissional. As atividades são muitas, mas os ganhos são excelentes, normalmente salários, já que costumam ser contratados como funcionários efetivos nas empresas.

Para se tornar um Diretor de Recursos Humanos é necessário ter curso superior na área de Administração com especialização em Recursos Humanos/Gestão de Pessoas e cursos relacionados e pelo menos cinco anos de vivência na área.

Para saber um pouco mais sobre o assunto, clique aqui.

Por Lindomar Vieira


Listamos abaixo os endereços de agências de emprego e demais empresas que atuam no setor de recursos humanos, oferecendo capacitação, treinamento, recrutamento e seleção de empregados para diversos setores do mercado de trabalho na cidade de Santos, São Paulo.

Entre elas, destaque para o Grupo NPO, que promove treinamentos nas áreas Marítima- Portuária, importante devido à proximidade com o porto de Santos. Confira os endereços:

Trigo Consultoria em Recursos Humanos

Ativa RH Consultoria

Grupo NPO: Recursos Humanos, Terceirização e Mão de Obra temporária

Créditos: Cris Keller


Profissionais com experiência na área de recursos humanos e que estejam em busca de uma oportunidade não podem deixar de se candidatar à vaga de Especialista de Recursos Humanos, em aberto para a cidade de São Paulo.

A empresa contratante exige, além de experiência na área, habilidades no trato pessoal, já que irá se relacionar com pessoas que pertencem aos mais diversos setores da seguradora. Inglês fluente será considerado um diferencial importante. Entre demais atribuições, o candidato selecionado trabalhará aplicando técnicas de recrutamento e seleção de pessoal para a empresa.

Interessados devem acessar http://www.monsterbrasil.com.br/CreateAccount.aspx e fazer o cadastro. Boa sorte!

Fonte: http://www.monsterbrasil.com.br/

Créditos: Cris Keller





CONTINUE NAVEGANDO: