As empresas podem monitorar os funcionários pelas redes sociais, por isso manter o bom senso é essencial para ter uma boa imagem no trabalho.

As redes sociais podem ser um auxílio para quem está à procura de um emprego, oferecendo páginas úteis de empresas onde os candidatos podem encontrar informações e vagas disponíveis.

Acontece que nem todos usam a ferramenta da melhor forma possível. Em alguns casos, as redes sociais podem se tornar o estopim de uma demissão. Isso acontece porque a maioria dos funcionários esquece que seus perfis sociais podem estar sendo monitorados pela empresa e até mesmo pelas concorrentes desta. Um perfil que mostra demais da vida do funcionário pode prejudicá-lo.

Não é proibido falar de sua vida pessoal, família ou lazer, mas tenha cuidado com o que posta. Pessoas que postam cada passo de sua vida, por exemplo, podem ser consideradas fúteis e até mesmo chatas. É preciso delimitar uma linha de postagens que podem ser mostradas publicamente.

Evite os erros de português. Embora a rede social tenha um caráter mais informal, erros graves podem prejudicar sua imagem na empresa.

Se você é um “ativista de rede social” cuidado! Opiniões tendenciosas e polarizadas podem afastar o empregador, ou “sujar” a sua imagem na empresa. A pior coisa que existe para a sua imagem profissional é ser taxado de radical.

E, por último, imponha um limite entre sua vida profissional e sua vida pessoal. Sabe aquela foto da bebedeira do final de semana? Melhor não postar. Ela pode não ser bem vista por um selecionador de emprego, ou pelo seu próprio chefe. Lembre-se que sua imagem está relacionada à da empresa, e provavelmente não é esta a imagem que a empresa deseja passar aos seus clientes.

Procure usar as redes sociais com cautela. Uma boa forma de utilizar a ferramenta como apoio ao trabalho é participar de fóruns de discussão sobre seu trabalho ou suas áreas de interesse. Isso demonstra que você é um profissional focado e interessado em sua área de trabalho.

Por Patrícia Generoso


Ter um bom perfil no LinkedIn requer diversos cuidados. Confira aqui algumas dicas de como montar um perfil de sucesso na rede social.

Ter um perfil no LinkedIn é quase que obrigatório, pois as redes sociais unem as pessoas e o LinkedIn une os profissionais e as empresas. A cada dia que passa cada vez mais empresas estão recorrendo ao LinkedIn na hora de contratar, por isso, é bom que você tenha um bom perfil, pois assim como antes era fundamental ter um bom currículo para ter maiores chances de conseguir um emprego, atualmente é indispensável que se tenha um bom perfil no LinkedIn.

A dica número 1 é ter uma boa foto no seu perfil. Lembra que no currículo a regra é nunca inserir foto? No LinkedIn é justamente o contrário, ter uma foto é obrigatório para garantir um bom perfil, mas cuidado, nada de inserir selfie ou fotos em momentos de descontração. Tire uma foto mais séria, mais profissional, sem exageros claro, mas também, que não seja em um momento de diversão.

Outra dica para garantir um bom perfil no LinkedIn é caprichar nas informações sobre sua vida profissional. Nada de ficar com preguiça nesta hora, pois quanto mais detalhado for o seu perfil, maiores serão as chances das empresas lhe encontrarem.

O ideal é que se reserve um bom tempo para trabalhar no seu perfil do LinkedIn, inserindo as informações profissionais, fotos e se tiver, até vídeos, pois o LinkedIn não é apenas uma página de currículos, mas também é um espaço de possibilidades e disponibiliza uma série de ferramentas, então saiba utilizá-las a seu favor.

Uma outra dica muito importante e que você deve prestar muita atenção é na hora de inserir suas informações profissionais relacionadas às empresas onde já trabalhou. Não faça como no currículo, onde você simplesmente descreve o trabalho executado.

No LinkedIn, o interessante nesta hora é você informar os resultados obtidos, mostrar que você fez diferença naquela empresa e todos os benefícios que você levou para o seu ambiente de trabalho.

No LinkedIn também é muito bom que se inclua informações sobre serviços voluntários ou causas sociais nas quais você atuou. Se você ainda não realizou nenhum trabalho neste sentido, é bom começar a pensar nesta hipótese, pois é uma forma de garantir conteúdo de qualidade ao seu perfil no Linkedin, pois não adianta ficar enchendo-o de informações que em nada acrescentam. As empresas acessam o seu perfil para saber se você é uma pessoa que gera resultados!

E esqueça aquela velha mania das outras redes sociais, de ficar adicionando contatos de forma aleatória, foque em qualidade e não na quantidade, pois no LinkedIn, mais vale ter poucos contatos que sejam realmente interessantes, do que ter uma lista enorme que nada tem a ver com você.

Por Russel


As Redes Sociais Corporativas podem auxiliar a empresa e aumentar a produtividade dos funcionários, porém, é preciso saber utilizá-las da melhor forma possível.

Todos já conhecemos os benefícios que as redes sociais trazem para as nossas vidas. Entretanto, todos conhecem também os potenciais malefícios advindos do uso dessas ferramentas. O fato é que hoje, parece ser inconcebível alguém não possuir sequer um perfil em algumas das muitas redes disponíveis. Essa mentalidade que prima pela integração, por conseguinte, não poderia ficar de fora do ambiente corporativo. As Redes Sociais Corporativas são uma tendência do mundo do trabalho contemporâneo e o seu crescimento tem sido estudado por especialistas.

Seja o simples mensageiro instantâneo que o funcionário abre todos os dias úteis para se comunicar com um grupo de colegas de empresa, sejam as redes sociais completas, nas quais é possível conhecer um pouco das características de cada colaborador, o importante é se manter conectado. Apesar de ser um recurso rico de possibilidades, as redes corporativas introduziram no ambiente de trabalho um novo modo de enxergar os dois fenômenos revolucionários da atualidade: a internet e a intranet.

Mas você, funcionário, tem utilizado a sua Rede Social Corporativa para fazer aquilo que favoreça a sua produtividade? Ela tem sido um canal poderoso para, por exemplo, você conquistar mais clientes e criar uma cadeia de contatos de excelência. Ela tem sido utilizada para levar o seu chefe a reconhecer determinadas qualidades ou defeitos em você?

Torçamos para que o lado positivo dessa ferramenta prevaleça na sua vida. Porque se assim estiver acontecendo, com certeza o seu papel na empresa tem sido o de encurtar as distâncias e o de reduzir os custos operacionais relacionados às tarefas comunicativas do dia a dia. E, é claro, as redes corporativas têm permitido a consolidação de novos negócios, agregando valor ao seu serviço.

Especialistas têm apontado que, com a afirmação das Redes Sociais, novas possibilidades documentais têm sido criadas, a exemplo, da necessidade de utilização de outros tipos de mídias, que não apenas os textos convencionais, mais associados à intranet.

Outro fator favorável no uso dessas redes diz respeito à interatividade entre os próprios colaboradores e parceiros, desde que isso não seja obscurecido pelo foco em aspectos geralmente irrelevantes da comunicação como, por exemplo, as conversações sobre assuntos ligados ao ambiente exterior ao trabalho em si.

Tal interatividade é poderosa em diversas situações do mundo corporativo, como aquelas em que um determinado executivo necessita apresentar um projeto para colaboradores que estejam espalhados por filiais existentes em locais muito distantes. Com isso, o ganho de tempo e a redução de despesas são as principais vantagens.

Como se pode ver, as redes sociais corporativas vieram para ficar, pois seus benefícios superam os malefícios, uma vez que estes têm demonstrado ser facilmente sanáveis.

Por Alberto Vicente


Um site norte-americano de recursos humanos realizou um estudo envolvendo a linha empregadores – candidatos – mídias sociais. De acordo com o levantamento feito, cerca de 51% dos empregadores e recrutadores que por um motivo ou outro consultaram os perfis dos potenciais candidatos em redes sociais afirmaram que encontraram algum tipo de conteúdo que acabou por impedir a contratação do mesmo. Conforme as informações apontadas pelo estudo no ano de 2012 esse índice foi na faixa de 34% e em 2013 de 43%.

Essa pesquisa feita pela empresa de recursos humanos foi encomendada pelo CareerBuilder e foi realizada nos Estados Unidos. O período usado para a pesquisa foi de 10 de fevereiro ao dia 4 de março. Nesse período foram entrevistados 2.138 gerentes de contratação e também profissionais de recursos humanos. Também foram entrevistados 3.022 trabalhadores do setor privado das mais variadas indústrias e empresas.

A análise feita pelo site ainda fez um levantamento de questões um pouco esquisitas que foram encontradas nos perfis dos profissionais e também quais as postagens (tipos) de conteúdos que fazem com que os candidatos sejam rejeitados.

Abaixo listamos alguns apontamentos levantados na pesquisa.

– Coisas estranhas que os recrutadores encontraram nos perfis dos candidatos:

  • Links que divulgavam serviços para “acompanhantes”;
  • Fotos que apresentavam um mandado de prisão;
  • Vídeos de exercícios para quem tem avós;
  • Um candidato que por brincadeira – ou não – apresentou um porco como sendo seu melhor amigo;
  • Um candidato que “tirava onda” por ter dirigido por várias vezes bêbado e nunca ter sido pego pelas autoridades;
  • Um candidato que havia processado a esposa por atirar na sua cabeça.

A lista de coisas estranhas vai bem mais longe. Tem gente que até incluiu no seu perfil fotos que conseguiu tirar do Pé-grande (aquele monstro gigantesco das lendas).

Mas nem tudo é ruim. A pesquisa também mostrou alguns pontos positivos. Cerca de 33% dos empregadores que participaram da pesquisa disseram que encontram certas coisas que aumentaram as chances de o profissional ser contratado. Outra fatia, representada por23% disseram que acharam coisas que foram fundamentais e que contribuíram diretamente para a contratação do profissional.

Então a dica é ter muito cuidado com o que se compartilha nas mídias sociais. Elas podem ser um currículo e tanto se bem aproveitadas.

Por Denisson Soares


As redes sociais sempre foram vistas apenas como um meio de comunicação entre amigos, onde se pode postar fotos, fazer comentários e enviar mensagens. Hoje em dia, como elas se popularizaram muito, acabaram se tornando uma grande aliada para veículos de propagandas e divulgações, e isso pode ser muito interessante na hora de buscar um emprego. Mas antes, para se ter êxito nessa busca, você deve saber usá-las corretamente para este fim.

Uma das redes mais conhecidas para trabalho é o Linkedin, pois ela é voltada exclusivamente para pessoas que desejam manter contatos profissionais. Para isso, a dica é que o profissional mantenha seu perfil sempre atualizado na rede, caprichar em seu network, além de participar de grupos que tenham recrutadores sempre atentos e também de grupos de debates.

O Linkedin é mais fácil por ser uma rede profissional. Mas, e as outras redes sociais como o Facebook, por exemplo?

O Facebook é utilizado mais como uma rede para entretenimento pessoal e diversão, mas mesmo assim é possível encontrar grandes empresas participando, e você pode usar isso como uma oportunidade, já que várias dessas empresas lançam campanhas e programas com oportunidades de trabalho através de suas páginas na rede. Mas, é preciso que você seja cuidadoso com a sua imagem pessoal, pois isso é algo em que os recrutadores estão muito atentos, por se tratar de uma rede aberta e pública. Outro motivo que os recrutadores sempre ficam atentos são as postagens feitas pelos candidatos em seus perfis, pois é a partir daí que é possível avaliar comportamentos e questões relacionadas à personalidade. Por isso, cuidado com fotos comprometedoras, um bom exemplo disso é fotos de baladas e festas em que muitas pessoas costumam exagerar, os recrutadores podem pensar que, se você não se preocupa com sua imagem pública como é que você se comportaria numa empresa, e por essa razão não haveria motivos para contratá-lo.

Caso queira evitar isso, você pode restringir a visualização das suas postagens para seus amigos íntimos apenas, isso impedirá que pessoas de fora vejam suas fotos. Para isso, utilize as marcações nas suas fotos, gerencie a privacidade diretamente na postagem e marque o local e somente as pessoas que estavam com você no momento.

Outra dica também é mudar as configurações do seu perfil para privado, marque a opção que apenas seus amigos adicionados podem ver.

Caso tenha dúvidas, clique neste link: www.facebook.com/about/sharing.

Por Daniela Almeida da Silva


Você é dessas pessoas que compartilham nas redes sociais tudo aquilo que faz? Tenha cuidado, pois isso pode refletir no seu mundo laboral. Atualmente com a explosão das redes sociais e os modos digitais de comunicação, está cada vez mais fácil perder o bom comportamento e acabar tendo deslizes como falar mal dos chefes, colocar publicações ou compartilhar fotos que sejam muito comprometedoras, enfim, nem sempre o que você coloca nas páginas de redes sociais será bem visto pelas pessoas.

É inevitável participar ativamente do universo virtual, principalmente pelo fato que hoje em dia é mais fácil encontrar vagas de emprego e buscar uma colocação nos meios digitais do que encontrar oportunidades nos classificados de jornais. As empresas procuram diminuir os custos ao máximo, esse fato influencia na hora de escolher por qual meio será divulgada uma oportunidade, mesmo que a disponibilização de uma vaga em um site pago de recolocação laboral seja pago, o valor não ultrapassa o custo de inserir esse mesmo anúncio em um jornal de boa circulação.

Essas facilidades oferecidas pela internet muitas vezes confundem as pessoas que tendem a concluir que hoje tudo é permitido nesse mundo, as pessoas se expõem demais e acabam comprometendo o seu currículo. Para que a internet seja uma aliada e não sua inimiga, nunca publique muitas coisas sobre sua vida ou manifeste os seus sentimentos principalmente se eles estão oscilando, caso um gestor da sua empresa veja isso pode ser que ele interprete errado e essa publicação que foi disponibilizada comprometa a sua imagem profissional perante a gestão da organização.

Quanto ao uso de redes vinculadas diretamente com o trabalho como Linkedin, para que você obtenha êxito deverá colocar informações relevantes com a sua atividade laboral, características e interesses profissionais. Neste caso a proatividade é fundamental, não se deve colocar o perfil e esperar que as propostas venham por si só, você precisará buscar fazer a sua rede de contatos.

Estas informações servem para que você seja mais criterioso na hora de atualizar sua página no  Facebook, Twitter, Youtube, entre outras redes sociais e também para que entenda que não é só criar um perfil em redes que estejam ligadas diretamente a recolocação no trabalho, a proatividade é fundamental para que o seu currículo seja visto e revisado com bons olhos.

Por Melina Menezes


Pesquisa realizada pela consultoria Michael Page revela que os executivos estão atualizando suas formas de se recolocar no mercado de trabalho. Mais da metade dos entrevistados (65%), na faixa dos 26 aos 30 anos afirmaram preferir as redes sociais e sites para coletar informações sobre vagas de trabalho, enquanto que cerca de 48% dos mais velhos (acima dos 40 anos) também utilizam das mesmas ferramentas.

De acordo com Sérgio Sabino, diretor de marketing da consultoria, essa tendência revela que a chamada geração Y é relativamente “mais dinâmica” do que as gerações anteriores e isso se reflete na forma como ela tem buscado novas oportunidades de trabalho, pela web. No entanto, como quase 50% dos executivos acima dos 40 anos também têm optado por buscar emprego do mesmo jeito, esse dinamismo não pode mais ser atribuído apenas à “geração Y”.

Fonte: info.abril.com.br

Por Alberto Vicente





CONTINUE NAVEGANDO: