Hoje em dia, onde o mercado cresce e modifica-se acentuadamente em seus paradigmas, o rigor na contratação de um novo colaborador é tanto que presidentes de grandes corporações chegam a entrevistar os aspirantes aos cargos oferecidos, pessoalmente.

A necessidade é entender sua equipe, conquistar a confiança e confirmar o êxito na escolha. Com isso, consequentemente, é possível extrair o melhor destes profissionais. Cara a cara com o seu futuro chefe não basta proferir palavras ensaiadas e ensinadas na faculdade; é necessário deixar claro seus objetivos, falar de resultados concretos (e os mais importantes) que já conquistou, socializar experiências como gestor, mostrar que dedicou-se a estudar a empresa (valores, missão, organização), concentrar-se em questões estratégicas, controlar o nervosismo e aí então mostrar-se sereno diante da avaliação.

Lembre-se a busca por trabalho é acirrada, mas garante seu lugar aos melhores profissionais. Seja um deles!

Fonte: Revista Você S/A

Por Teresa Almeida


Todos sabem que não é preciso nem agradável ser um puxa-saco para agradar o chefe. Acertar na dose requer um pouco de equilíbrio. Mas não precisa ser muito exagerado em modéstia a ponto de deixar em branco seu bom trabalho.

Chefe gosta que pense como chefe, que aja como empreendedor. Não adianta ser competente se não tiver a confiança do seu superior. Eis algumas dicas simples para conquistá-lo:

– Procure antecipar as necessidades dele e até mesmo exceder suas expectativas, saiba o que ele quer e, também o que não quer;

– Evite quebra de braço, não é por que você começou a pensar como chefe que vai competir com ele;

– Não diga sim para tudo o que ele diz, eles também gostam de ser confrontados, principalmente por quem oferece soluções;

– Esqueça o relógio, se você fica acompanhando o ponteiro até marcar 18 horas, isso denota falta de comprometimento;

– Cuidado com exageros, saiba se vender e aceitar elogios, mas não se torne arrogante querendo ser melhor do que seus colegas.

Por Zilmara Filisbelo

Fonte: Guia do Empreendedor

Quando a chefia abusa de sua autoridade e exerce seu poder sobre colaboradores de outras equipes, normalmente ele é incompreendido levando a um sentimento de aversão dos demais.

Mesmo não entendendo que o motivo principal é o crescimento e a busca por resultados como um todo, estes profissionais não aceitam criticas, feedbacks ou orientações de quem não é seu superior imediato.

Vários argumentos são ditos, como por exemplo: “porque não cuida de sua equipe antes?”, ou “deixe que o nosso supervisor cuide disso!”, porém nenhum deles entende que a razão de orientação sobre a equipe de colegas não se dá por mostra de poder, mas sim pela visão que aquilo pode trazer melhorias a todos.

Por José Alberi Fortes Junior


Ponderar e conhecer todas as características de uma equipe antes de começar a delegar as funções e novas atribuições é obrigação de líderes, que são treinados para isso.

Todo o embasamento antes da delegação possibilita uma alta margem de acerto e com isso o mapeamento de resultados é muito mais eficiente, afinal todas as  funções são definas pelas aptidões, o que gera prazer e contentamento de todos em participar do processo.

Para um líder o gerenciamento é mais rápido e mais eficiente, e os objetivos serão mais fáceis de serem alcançados.

Mas, em alguns casos, os erros de atribuição de obrigações, não é necessariamente da chefia, pois quando não existe treinamento nem uma orientação certamente problemas podem ocorrer nesta árdua responsabilidade.

Por José Alberi Fortes Junior


Quem já passou por uma experiência de ter o chefe ou liderança substituída por prazo determinado, caso de férias, por exemplo, pode enfrentar alguns problemas e pode gerar muita confusão.

Caso o perfil seja diferente e o modo de gerir os subordinados seja distinta, pode ocorrer muita resistência e os resultados certamente serão afetados, o que pode comprometer o relacionamento já construído e solidificado pelo responsável que está ausente.

Esta mudança pode desmotivar os subordinados em inicio de trabalho, afinal estão ainda sendo moldados e pode gerar uma motivação em profissionais que andavam desmotivados e com sérios problemas com o atual gestor.


Certa intimidade e coleguismo com o chefe é extremamente saudável e bom para o profissional. Porém quando o patrão torna-se amigo o empregado deve saber o limite dessa amizade dentro da empresa.

Certas intimidades devem ser evitadas, e deve-se também, ter muito cuidado com o modo de falar. Pois ele ainda é seu chefe.

Ser o amigo do patrão tem seu lado bom, é claro, mas tem também seu lado ruim. Certamente em alguma promoção podem duvidar da capacidade do funcionário. Para ser o amigo do chefe deve-se assumir as conseqüências, mas lembre-se: saber o limite e lembrá-lo do ambiente que estão é primordial para manter sua vida profissional bem resolvida.

Por José Alberi Fortes Junior


Inúmeras vezes nos sentimos perseguidos e discriminados pelo chefe, superior ou patrão.

Na maioria das vezes isso essa perseguição está somente na nossa cabeça e não na realidade. Nossos atos e ações sempre serão questionadas e os resultados serão, sem exceção, cobrados de forma a atender às necessidades da empresa.

O melhor sempre será o diálogo e a empatia. Tente se colocar no lugar de seu chefe, para verificar se a posição dele é compreensível, depois disso, caso ainda fique algum tipo de dúvida em relação ao modo como foi lidada a sua atitude, converse e exponha sua opinião e seus sentimentos.

Por José Alberi Fortes Junior


Cada vez é mais difícil de arrumar emprego direto em posições de lideranças e chefias. As grandes empresas hoje preferem promover antigos colaboradores e através de processos seletivos internos, podem ser bastantes críticos, pois conhecem já o histórico profissional de todos.

Outro fator favorável para a promoção em vez da contratação de chefias é a motivação que estes processos geram. Criam a filosofia no funcionário de sempre estar em evolução, estudando e se aprimorando.

Mas a contratação externa também ocorre, mas agora elas são muito criteriosas e no período de experiência são testados quase todos os requisitos. Portanto, continue enviando os currículos, afinal um bom profissional não será nunca deixado de fora.

Por José Alberi Fortes Junior




CONTINUE NAVEGANDO: