Após a demissão sem justa causa, o funcionário pode continuar com o plano de saúde, arcando com as despesas deste.

Uma demissão é sempre um choque e um momento muito difícil para o trabalhador, principalmente por que alguns benefícios são cortados, fazendo com que a qualidade de vida do empregado caia. Mas poucos sabem que há a possibilidade de continuar com o plano de saúde oferecido pela empresa mesmo após a demissão.

A lei conhecida como Lei dos Planos de Saúde (Lei 9.656/98), regulamentada pela ANS (Agência Nacional de Saúde suplementar), prevê no seu artigo 30 que todos os funcionários demitidos sem justa causa podem continuar com o plano de saúde empresarial por até um terço do tempo em que trabalhou na empresa, com prazo mínimo de seis meses após a demissão e máximo de dois anos. O prazo mínimo é válido mesmo que o trabalhador tenha ficado somente um mês na empresa.

Mas um detalhe é importante para que o funcionário continue com o direito do uso do plano de saúde: o empregado tem que ter contribuído para o pagamento das mensalidades do plano. Se a empresa pagou 100% do plano, o direito não é concedido ao trabalhador.

Após o desligamento, o empregado continua com o direito de usar  o plano, pelo período previsto em lei, mas terá que arcar com as mensalidades sozinho, sendo extinta da empresa qualquer responsabilidade de pagamento das parcelas do plano.

Assim que o trabalhador conseguir um novo emprego, o benefício é cortado e o vínculo com o plano de saúde extinto.

Para que seus direitos sejam assegurados, é preciso conhecê-los bem. Algumas empresas não passam essa informação ao trabalhador e outras até mesmo não conhecem essa lei, o que faz com que muitos trabalhadores acabem perdendo a cobertura médica, em um período que mais precisariam.

Se o desempregado tiver problemas para garantir seus direitos, a ANS aconselha ao trabalhador procurar o departamento de recursos humanos da empresa de seu plano de saúde, e caso o erro persista, entrar em contato com a ANS pelo telefone 0800 7019656, ou pela internet, no site da Agência, que possui uma central de atendimento ao consumidor.

Em últimas instâncias a justiça pode ser acionada para garantir o direito do trabalhador.

Por Patrícia Generoso


Constantemente as empresas estão em busca de profissionais que, realmente, somem ao grupo organizacional. Ter uma boa formação acadêmica e excelentes especializações não é o único requisito: colaboradores responsáveis, proativos, dinâmicos e engajados são o foco dos entrevistadores. 

Mas o que será que um bom profissional deve, obrigatoriamente, ter como qualidades principais? São exatamente estas qualidades que iremos abordar neste artigo: veja as 10 principais características de um profissional considerado bom e competitivo ao mercado de trabalho

1- Afinidade com a empresa: Possui como objetivos a serem atingidos os mesmos de sua nova empresa. Por isso, cada nova conquista corporativa significa uma conquista pessoal. 

2- Ambição: Profissionais ambiciosos, que gostam de ir além, submetem-se ao desconhecido e ao diferente, ou seja, aceitam novos desafios com facilidade. 

3- Automotivação: Colaborador que desenvolve suas tarefas sem a necessidade de motivações externas. Não espera por estímulos de terceiros. 

4- Autonomia: Um profissional com autonomia própria não espera que os outros façam por você. Ele planeja as ações por si só e "coloca a mão na massa". 

5- Comunicação: Ser bem comunicativo é imprescindível em meio ao ambiente corporativo. Saber expressar suas ideias com facilidade chama a atenção dos contratantes. 

6- Comprometimento: Cumprir com todos os objetivos e tarefas propostas é o mínimo que se espera de um profissional. Doar-se à empresa, de modo que supra todas as necessidades direcionadas á função é destacável. 

7- Flexibilidade: Colaborador aberto a novos desafios e mudanças, sem analisá-las como ameaças. 

8- Inovador: Profissionais criativos e que, acima de tudo, apresentam novas ideias, seguindo uma constante. 

9- Integração: Aqueles que mantêm um bom relacionamento interpessoal conseguem integrar-se à equipe com mais suavidade e facilidade. Pode ser adicionada à integração a facilidade de trabalho em equipe. 

10- Gerenciamento de tempo: Um funcionário que sabe lidar com seu tempo ganha pontos. Não "perder" tempo e utilizá-lo com maestria, direcionando-o a questões realmente importantes, é uma qualidade bastante apreciada. 

Por Tati M.


Sabe aquela pessoa que só de ficar perto dela você se sente mal? Pois é, essas pessoas são conhecidas como "negativas" e estão por toda parte. Um dos ambientes mais propícios de pessoas assim é no trabalho, pois é lá que colocamos em jogo todas as nossas habilidades, capacidades e energia psíquica.

Querendo ou não, de certa forma, somos influenciados pelo ambiente, e, por se tratar de influência, as pessoas contribuem totalmente no direcionamento de uma ação ou intenção. Um ambiente com muitas pessoas negativas pode influenciar brigas, desarmonia, inveja, desmotivação, e outros fatores que podem contribuir para a insatisfação dos envolvidos. Se você trabalha em um ambiente assim, veja o que você pode fazer para não se deixar influenciar e ter mais qualidade de vida:

– Esteja sempre atento ao comportamento das pessoas. A todo momento elas emitem sinais de aprovação e reprovação.

– Faça sempre a sua parte, independente se as circunstâncias não favorecerem muito.

– Quando você se sentir influenciado, estabeleça um limite entre você e a situação e saiba que a atitude depende apenas de você.

Não fale muito a respeito de você, principalmente de seus problemas, pois pessoas negativas costumam usar do ponto fraco das pessoas para a influenciarem, e muitas vezes também para criticarem.

– Uma das coisas mais preciosas nas relações entre as pessoas é a intimidade, por isso, seja mais seletivo. É mais fácil sair uma discussão com pessoas que você tem intimidade do com pessoas que você considera desconhecidas.

Jamais dependa de palpites de outras pessoas. Lembre-se de que nem todos estão ali para ajudar e você também não conhece suficientemente para depositar sua confiança.

Cuidado com fofocas e informações que não são verídicas dentro de uma empresa. Isso pode ter consequências gravíssimas.

Enfim, você precisa estar atento a todo momento. Não precisa ser indiferente com as pessoas, apenas saber quem pode contribuir com a sua evolução ou não. São pequenas atitudes, mas que podem fazer toda a diferença.

Por Daniela Almeida da Silva


Não é difícil de encontrar profissionais, não importando o seu setor de atuação, que em um momento ou outro no exercício de sua função sabe que deve dizer um “não” e acaba respondendo com um “sim”. Geralmente quando alguém faz isso uma das primeiras sensações que aparece é a do desgosto, da frustração e até mesmo da raiva. O motivo para isso é bem simples: imagine que a pessoa já está cheia de trabalho para fazer, seu colega aparece e pede para ele dar uma ajudinha…e a pessoa vai. Como resultado vai ter trabalho acumulado.

Pode não parecer, mas sair respondendo sim para tudo que é pedido, profissionalmente falando, acaba por roubar muito o tempo da pessoa.

Os motivos que levam alguém a dizer sim quando deveria ser um não pode ser os mais variados possíveis. A pessoa pode querer parecer mais solicita e disposta e etc.

Dizer não no trabalho é bastante simples. Entretanto, o profissional precisa ser assertivo, ter certeza do que é importante no momento, uma boa dose de coragem e claro, respeito com o próprio tempo e produtividade.

A lista abaixo traz alguns itens para reflexão nesse assunto:

– Não se envergonhe por dizer não: Nenhum profissional tem a capacidade física e psicológica de ser “o bonzinho” o tempo todo. É interessante observar que qualquer pessoa tem problemas em dizer não. Mas fica o aviso: geralmente quem ouve um não (com decência) de alguém pode até despertar uma certa admiração. É algo do tipo: ele consegue dizer e eu não! De qualquer maneira é bom se policiar para não ofender ninguém.

– Sem adiamentos: Se é para dizer não diga logo e pronto. Quando se adia a decisão tomada a única coisa que se está fazendo é prolongar a aflição.

– Não crie desculpas ou mentiras: Se não dá para ajudar um colega ou ainda pegar tal atividade do chefe explique que aquela sobrecarga poderá prejudicar a qualidade e a produtividade. É uma forma racional e realista de explicar o motivo do não. Bem  melhor do que dizer que está com dor de cabeça ou que tem que pegar o filho na escola.

– Não para o chefe: Quando se trata do chefe a dificuldade de dizer um não é bem maior. Vale a mesma dica anterior. É bom criar uma lista e deixar claro para ele quais são as principais prioridades no momento. É o caso, por exemplo, de um convite para uma festa. Se o profissional for e depois não ter como entregar o trabalho em dia é problema. A ausência muitas vezes é justificada pela competência.

Por Denisson Soares


Alguma vez você deve ter escutado a palavra 'procrastinar' ou 'procrastinação'. Mas você sabe o que significa? De acordo com o dicionário a palavra procrastinar significa deixar para fazer uma coisa depois, ou seja, prorrogar, adiar, prolongar, etc. Quem nunca deixou um serviço para fazer depois em um determinado momento do dia que atire a primeira pedra.

A maioria dos profissionais resolve fazer outra coisa no lugar das obrigações. Seja ver um e-mail, uma rede social, dar uma olhadinha nas mensagens do celular, etc. Ou seja, dar uma 'procrastinada' no serviço, não é? Alguns momentos de descontração podem ser considerados importantes, se não forem exagerados, claro, já que quase ninguém consegue focar no trabalho o dia todo. Além disso, pesquisas apontam que um funcionário que tira um tempinho para fazer outras coisas que são prazerosas para ele, tem a probabilidade de ter uma produtividade melhor na empresa. É óbvio que tudo deve ser feito com muito bom senso, para que as coisas não saiam fora do lugar, e não é bom o funcionário ficar mais tempo procrastinando do que focado em suas obrigações.

Mas a questão é: você costuma fazer isso de forma correta? Você sabe aproveitar esse tempinho para realizar alguma atividade que seja útil para você como profissional? Saiba que é possível investir esse tempo em coisas interessantes e de grande valia para você e seu trabalho. Como, por exemplo, atualizar seu currículo, ver as notícias do dia a dia, procurar uma nova oportunidade de emprego, organizar seu espaço de trabalho, enviar e-mails e procurar manter contato com pessoas interessantes, são algumas dicas que você pode usar para procrastinar seu tempo de forma inteligente e investir em coisas interessantes e proveitosas.

Saiba que procrastinando de forma correta ou não, é preciso ter sempre um equilíbrio entre distração e obrigação, caso contrário isso pode comprometer sua postura com a empresa. Mesmo assim, se precisar, não custa nada tentar, certamente isso te trará bons frutos.

Por Daniela Almeida da Silva


O entusiasmo de ter conseguido um emprego nem sempre se prolonga por muito tempo, grande parte dos jovens que iniciam o seu caminho profissional na empresa acabam cometendo alguns erros que podem afetar diretamente a manutenção da vaga numa empresa.

Algumas pessoas costumam acreditar que a hora mais difícil é quando comparecem na entrevista. Geralmente, a entrevista de emprego é vista como um interrogatório, e isso é um engano, a entrevista nada mais é que uma negociação, na qual ambas as partes colocarão sobre a mesa o que se espera da outra parte, é o momento de tentar ver se essa realmente é a oportunidade de trabalho que você estava esperando, então não fique na defensiva, seja cordial e não fique nervoso.

Embora possa parecer díficil manter a calma, você deve pensar que conseguir o emprego não é a parte mais complicada, manter o seu posto é um desafio, por isso, neste artigo serão dadas algumas dicas para que você não tenha problemas no seu dia a dia e consiga atingir os seus objetivos dentro da empresa.

Pesquise sobre a empresa antes de se postular ao cargo, isso evitará atritos depois. Você precisa saber se os seus objetivos e valores estão alinhados com os da empresa.

Conforme foi dito anteriormente não creia que a entrevista é um interrogatório, ela é uma forma de negociação entre empregador e futuro colaborador.

Não queira crescer rápido, tudo tem seu tempo. Não crie expectativa nem seja ansioso. Lembre-se que como recém-contratado você precisa conhecer a empresa e isso leva um tempo, adquira habilidades e aproveite todas as oportunidades de aprendizado que a empresa oferecer.

Elimine o impulso da sua vida profissional. Não confunda impulso com proatividade, o impulso gera decisões precipitadas, conflito com os colegas e você acaba passando uma imagem de arrogante e impaciente.

Você não sabe tudo. Dê oportunidade às demais pessoas de interagir com você, às vezes “trocar uma ideia” pode render muitos frutos, você pode conhecer alguém que está há mais tempo na organização e acaba aprendendo um pouco mais sobre ela. Seja sociável, faça a sua rede de contatos, não fique sozinho num canto da sala, integre-se, interaja.

Não deixe de estudar, desenvolver-se profissionalmente é a chance para uma carreira de sucesso por isso siga em frente nos estudos, não desanime.

Por Melina Menezes 


Muitos profissionais sonham com a empresa ideal para trabalhar e formar uma carreira estável. Mas, será que essa empresa existe ou é apenas um sonho perfeito? Bom, talvez a realidade seja bem diferente do que nós imaginamos.

O que pode ser considerado ideal para uns não é ideal para outros e assim por diante. Querer estar sempre em um patamar acima condiz com a nossa ambição de auto-superação, e talvez isso tenha origens até primitivas por causa da nossa necessidade de preservação da espécie.

Mas, com base em resultados de algumas pesquisas realizadas a respeito,  a empresa ideal nada mais é do que aquela que dispõe políticas institucionais de recursos humanos para todos, sem exceções como distinguir cargos, treinamentos, oportunidade de carreira, reconhecimentos, ambiente confortável e agradável, programas de qualidade de vida, prêmios de participação, entre outros. 

De acordo com Stefi Maerker, diretora da SEC, esse perfil mencionado existe e é mais real do que parece, por mais difícil que seja. Muitas empresas já estão despertando para a necessidade de crescimento igual para todos. 

Os participantes da pesquisa alegaram que teoricamente, os empresários têm se preocupado em investir apenas em seus profissionais que ocupam cargos mais elevados. Infelizmente, a maioria das empresas brasileiras possuem excelentes programas de incentivos voltados apenas para cargos de liderança ou equipes de vendas, e isso pode contribuir para a falta de motivação dos demais colaboradores.

Para Stefi, outro fator que deveria ser integrado no perfil da empresa ideal é a o desenvolvimento de planos de carreira para as secretárias, por exemplo. As secretárias sempre estão em busca de reconhecimento profissional e merecem aproveitar essa oportunidade, seja para a sua melhoria ou até mesmo para mudar sua área de atuação, caso tenha interesse. Por fim, o ideal mesmo é que todos tenham o mesmo direito de participar dessas oportunidades, assim, a empresa crescerá junto.

Por Daniela Almeida da Silva


Todos nós somos livres para procurar o que é bom para a nossa sobrevivência no mundo. Mas algumas pessoas sentem-se amarradas, presas a conceitos e crenças que elas mesmas criam, recusando-se a promover mudanças na vida com medo de não saber resolver seus conflitos. 

A área financeira é o principal fator de instabilidade de muitas pessoas, e talvez seja por esse motivo que muitas delas não estão sempre preparadas para mudanças, como, por exemplo, procurar uma nova oportunidade de trabalho.

Procurar um novo emprego pode não ser um bicho de sete cabeças se você sabe o que quer. Se o único impedimento do momento for seu emprego atual, siga algumas dicas para saber o momento certo de pedir demissão:  

– Você está insatisfeito: 

Não tente procurar um motivo. Se você já não acorda feliz, vive de mau humor e não faz suas tarefas com amor, então você não está satisfeito com o seu trabalho. Talvez nem seja por causa do salário ou do excesso de responsabilidade, é que chega um momento em que precisamos respirar novos ares e sentimos a necessidade de buscar novos horizontes. Para isso, comece a procurar novas oportunidades mesmo ainda estando no seu emprego atual.  

– Converse com o seu superior:

Antes de tomar qualquer decisão, tente contornar a situação, talvez isso possa te surpreender. Converse com o seu chefe a respeito de um aumento de salário, mudança de setor, de horário ou diminuição das tarefas, e se caso não tiver retorno, comece a estudar a hipótese de pedir demissão.  

– Vá devagar:

Se aparecer outra oportunidade, veja se vale a pena primeiro e avalie quais serão suas chances de ter os mesmos benefícios ou mais vantagens nesse novo emprego. Se tudo der certo, respire fundo, escolha um dia e negocie com seu chefe uma saída que não prejudique ambas as partes. Não se esqueça de conversar na nova empresa que ainda precisa resolver todas as questões de demissão antes de começar a trabalhar. 

Por Daniela Almeida da Silva


Ter dois empregos pode representar tanto um sonho quanto um pesadelo para algumas pessoas, vai da intenção e do objetivo de cada um. Os americanos têm um ponto de vista diferente de nós brasileiros, por exemplo, eles valorizam a possibilidade de ter dois empregos, não porque aumentam seus ganhos, mas pelo reconhecimento e status que isso pode trazer. 

É certo que a economia dos Estados Unidos é bem diferente das políticas trabalhistas do Brasil. Aqui, para se ter dois empregos pode ser algo bastante burocrático, dependendo da área e da empresa. Agora pense, se um emprego já toma muito do nosso tempo, imagine dois? Dois turnos, dois chefes, duas responsabilidades, etc. Mas também tem outro lado: dois salários, duas experiências, duas férias, etc.

Se mesmo assim você escolheu ter uma dupla jornada de trabalho em sua vida, precisa se preocupar com alguns pontos importantes:

1. Crescimento na carreira e desempenho profissional: ter que se dedicar a duas tarefas ao mesmo tempo pode prejudicar seu desenvolvimento e fazer você perder chances de crescimento profissional. Além disso, com a correria de ter que dar conta de dois empregos você pode perder o foco e ter dificuldades de administrar seu tempo.

2. Vida pessoal: sua vida pessoal pode se tornar uma rotina exaustiva e acabar afetando até seu bem-estar físico e emocional. Se dedicando a dois empregos com certeza terá uma agenda sempre lotada, provavelmente com pouquíssimo tempo para se alimentar bem e relaxar seu corpo devidamente. Cuidado com sua saúde.

Vale lembrar que no Brasil não existem leis que impedem alguém de ter dois ou mais empregos registrados ou não em carteira. Porém, se essa for a intenção, é necessário deixar a situação bem clara para ambas as empresas para evitar possíveis divergências. Seja sincero!

Avalie e veja o quanto essa experiência valerá para você, seja pelo lado financeiro ou pelo lado profissional. E mesmo assim, tente sempre equilibrar vida profissional, pessoal, família, lazer e descanso.

Por Daniela Almeida da Silva


As chances de um profissional temporário ser efetivado em uma empresa são grandes, mas para isso, ele precisa estar preparado, pois se ele for efetivado é porque têm capacidade e logo as cobranças em torno dele aumentarão 100%. Nesse caso, ele precisará ter muita paciência e dar o seu melhor nessa sua nova jornada. 

Mas antes de tudo isso, para que um profissional seja efetivado, é necessário duas coisas:

1.     A empresa precisa estar com necessidade de aumentar seu quadro de funcionários; 

2.     O trabalhador deverá se destacar entre outros trabalhadores temporários, pois dependendo do quadro da empresa nem todos poderão ser efetivados.

Para aumentar as suas chances de fazer parte do time de profissionais vencedores nessa jornada, atente-se a algumas dicas que a Triunfo Consultoria e Treinamento oferece a respeito do assunto:

– Invista totalmente em você: como um dos fatores mais importantes, a empresa precisa sentir que você está investindo em você mesmo para o mercado de trabalho. Você pode começar pesquisando cursos na internet e conversando com outros profissionais. Não se esqueça de colocar tudo em prática depois.

– Esteja interessado e atento: mostre serviço, procure entender como funciona os processos da empresa e aumente seu nível de colaboração, estando atento aos detalhes e nos resultados da empresa.

– Trabalhe em equipe: trabalhar em equipe com certeza é um dos aspectos mais valorizados entre as organizações, pois isso envolve a capacidade de organização, adaptação e flexibilidade. Não fique apenas centrado nos seus afazeres, interesse-se pelas demais atividades, crie, pergunte, inove e demonstre capacidade para lidar com diversas situações.

– Saiba compartilhar e ouvir: respeite as opiniões de seus colegas de trabalho, pois isso garante reconhecimento e te valoriza não só como ser humano, mas como um bom profissional. Quando ideias novas surgirem, compartilhe, dessa forma elas terão mais visibilidade.

– Seja otimista: se você acordar todos os dias com pensamentos bons, você atrairá bons acontecimentos para você. Além disso, as pessoas perceberão você mais motivado e capacitado para lidar com diferentes conflitos, e isso é muito bom.

Por Daniela Almeida da Silva


Algumas pessoas não sabem, mas a competição é um sentimento negativo. Por outro lado, a ela tem instinto primitivo de preservação, em que temos a necessidade de sobressairmos para conseguirmos o melhor posto, e em consequência disso uma melhor sobrevivência.

O lugar em que mais se vê competições com certeza é em um ambiente de trabalho, pois é ali que estão todas as nossas competências. No entanto, nem sempre as competições são vistas como boas, há pessoas que não conseguem lidar com isso, e se esse for o seu caso, aprenda com algumas dicas como evitar que isso aconteça:  

– Seja prudente:

Você precisa entender que com ou sem competições há regras a serem seguidas e que isso sim faz diferença. Não é a capacidade de conseguir competir e sim a de fazer a diferença, respeitando o limite dos outros, que fará você chegar a algum lugar.  

– Saiba perder:

Saber perder também é uma característica de um grande vencedor. Quando estamos cientes de nosso valor como profissional, essa característica é vista como algo positivo, mas quando a dúvida e o medo perduram, é sinal de que você não acredita em si mesmo. Nesse caso, reveja a possibilidade de melhorar seu ponto de vista a respeito de você e de outras pessoas, por exemplo. Quando alguém alcançar um objetivo sinta-se vitorioso como ele e não fique desanimado.  

– Esteja preparado:

Não é porque existe competição em seu ambiente de trabalho que você deve estar o tempo todo competindo. Saiba reconhecer seus pontos fracos e fortes e usá-los apenas a seu favor. Tenha uma posição neutra para qualquer tipo de situação recorrente e saiba esperar.

– Faça a sua parte:

Se o assunto é competição, então nada melhor que competir com você mesmo, ou seja, vença seus próprios medos, sua ansiedade e seus sentimentos negativos. Saiba que fazendo a sua parte você estará colaborando com suas obrigações sem afetar ninguém. Não perca tempo tentando agradar alguém, seja você mesmo.

Por Daniela Almeida da Silva


A obsessão por trabalho excessivo durante o dia pode fazer com que as pessoas se esqueçam delas mesmas e também de outras tarefas que a valorizem como pessoa. Saber separar momentos de descanso e relaxamento depois de longas jornadas de trabalho é essencial também para um bom desempenho no trabalho. Se a mente e o corpo não estiverem bem descansados você não se sentirá produtivo.

Shirley Ferraz Crispilho, fisioterapeuta do Hospital San Paolo, diz que devemos fazer alongamentos diariamente, mesmo quando não temos esforço físico no trabalho. Apenas fazer esportes e frequentar academia não é o suficiente para um bom equilíbrio e o funcionamento do corpo. O alongamento é uma técnica terapêutica capaz de esticar os músculos e prepará-los para a atividade adequada. Dessa forma, seu corpo irá se adaptar aos movimentos necessários do corpo. O alongamento também é importante após a realização de atividades físicas, pois ajuda a tonificar os músculos e elimina toxinas indesejáveis.

Fazer pausas em um dia cheio de trabalho para ter um momento de relaxamento recarrega as energias perdidas durante o dia e melhora o estresse, a depressão, a hipertensão e a ansiedade. E para isso, são necessários apenas alguns minutos por dia, nos momentos mais estressantes, como no meio de um trânsito, numa reunião ou numa agenda lotada. A fisioterapeuta diz que sentimentos como frustração, raiva, medo e rancor deixam o corpo sobrecarregado e dificulta a organização das ideias. Após o relaxamento, a tendência é que a mente fique leve e livre de pensamentos indesejáveis.

Você pode aperfeiçoar seu desempenho pessoal até mesmo durante seu expediente. Para isso, estique braços, pescoço e pernas, isso irá conduzir seu equilíbrio, levando-te a um bem estar corporal e mental, além de manter sua postura correta, diminuindo o cansaço decorrente de suas tarefas excessivas e repetitivas. Quando mente e corpo estão equilibrados, nossa vida também está. Cansaço pode ser normal quando não compromete nossa saúde de um modo geral e significativo.

Por Daniela Almeida da Silva


As emoções são um dos maiores atributos do ser humano, mesmo que no mundo dos negócios, por exemplo, as pessoas tenham aquela ficção de que um bom profissional precisa ser inteiramente racional. 

Se você tenta infalivelmente negar seus sentimentos, isso quer dizer que eles podem estar atrapalhando sua produtividade.

Uma pesquisa realizada pela escola de aprendizagem corporativa Cultman, relatou que 89% dos líderes não são capazes de admitir que são tomados pelas emoções no dia a dia.

Para Rogério Boeira, especialista e proprietário da escola, isso deve comprometer a produtividade até mesmo em qualquer cargo. Ele ressalta ainda que, mais do que tentar ocultar algo que é inerente e necessário para a nossa humanidade, deveríamos pelo menos utilizar a nosso favor. 

Veja a seguir três hábitos saudáveis listados pelo especialista para inspirar o autoconhecimento em suas escolhas profissionais:

1. Permita-se sentir mesmo o que for ruim:

Estar sempre calmo não quer dizer que esteja equilibrado. "Vivencie as emoções, mesmo se elas forem negativas", diz Boeira.

Ele ainda acrescenta que ignorar não vai fazer as emoções desaparecerem completamente. Quanto mais você deixar fluir, mais chance você terá de solucionar um problema. Por exemplo, você sente raiva de seu chefe, para resolver isso não precisa brigar, claro, o que você deve fazer aqui é processar as emoções internamente para procurar entendê-las.

2. Não pense apenas, escreva:

Quando escrevemos, expressamos também nossos sentimentos através do papel e isso pode auxiliar nosso consciente com novas informações. De acordo com Boeira, esse ato faz com que os verdadeiros sentimentos venham à tona.

"Se você não der forma ao seu pensamento com a fala ou com a escrita e permanecer apenas no mundo imaginativo, o conflito tende a percorrer por caminhos mais convenientes para ele e nada irá se resolver", assegura.

"Por exemplo, você pensa que admira uma pessoa, mas no fundo pode estar sentindo inveja dela. Você pode descobrir isso na escrita", afirma o especialista.

3. Reconheça suas limitações e as dos outros:

"Quando precisar tomar alguma decisão, esteja muito atento às suas fraquezas, expectativas e desejos. A seguir, desenvolva a mesma sensibilidade para com os outros", diz Boeira.

"Por exemplo, se um acordo entre você e fornecedores não saiu, pode ser que seja por causa de algo que não seja financeiro ou físico. Talvez existam aspectos emocionais como desespero e ansiedade, tomando conta de você, e identificá-los pode ajudar na resolução para ambas as partes", conclui Boeira.

Por Daniela Almeida da Silva


Indubitavelmente o chefe é a figura que é sempre mal vista pelos funcionários, e, particularmente cada um tem lá seus motivos para não simpatizar com ele.

E você, já pensou em alguma vez se colocar no lugar dele? Já pensou como seria se fosse um chefe?

De acordo com uma pesquisa realizada com mais de 3.089 líderes, a consultoria de gestão de negócios global Hay Group chegou a uma conclusão de que 63% dessas pessoas não conseguem criar uma boa convivência ou um bom "clima" entre sua equipe de trabalho. Isso se dá pelo fato de muitas empresas deixarem de lado o desenvolvimento pessoal de cada um. Não investem nas competências dos funcionários e isso acaba afetando toda a equipe e seus resultados.   

A diretora de Gestão de Carreiras da empresa Right Management, Simone Leon, aconselha que o melhor que as empresas podem fazer é investir na criação de bons líderes, mesmo que o caminho a ser percorrido ainda seja longo. Se você deseja ser um líder, veja se suas características batem com as observações abaixo. Caso baterem, reveja melhor suas possibilidades.    

1 – Você deseja ser promovido apenas pelo status do cargo:

Saiba que ter uma promoção não significa apenas que você subiu de cargo. Ser líder não significa que tenha que mudar o seu jeito de ser e viver dando ordens aos outros. O status pode cegar as pessoas pelos benefícios e experiências que ele oferece, e as pessoas acham que é só isso que vem com a nova promoção. Se você teve uma promoção é porque confiam em você e que você tem capacidade, então use isso a seu favor de uma forma positiva, seja humilde o suficiente para aprender com isso.    

2 – Você não possui uma visão macro do negócio:

De acordo com o especialista em RH, Rodrigo Evangelista, da empresa Hprojekt, uma boa estratégica para ver se você está preparado para ser líder é medir seu conhecimento a respeito do negócio em que trabalha. Normalmente, um funcionário operacional se limita apenas em seu setor, o que não é correto. No início, um líder novato pode ter dificuldade em ampliar sua visão de negócio, mas não deve deixar isso impactar sua equipe. O ideal é se informar e usar esses detalhes para expansão da área.    

3 – Você não gosta de trabalhar com pessoas:

Não é porque se tornou chefe que tem que ser o melhor amigo dos funcionários, mas também você não será um verdadeiro líder se não souber o nome de cada um deles, por exemplo. Para ser um líder é preciso ser um bom administrador de pessoas, caminhando lado a lado delas profissionalmente.      

4 – Você não lida bem com burocracias:

Todo líder tem que seguir as regras da empresa e isso tem que ficar bem claro. Você tem que ser o exemplo. Se isso não cabe muito a você, então talvez tenha que pensar mais a respeito desse lado. Um líder supervisiona se todos estão seguindo as regras, e sabe como reagir em cada situação.    

5 – Você acha que ninguém trabalha tão bem quanto você:

Ser um líder é saber orientar alguém a fazer uma tarefa tão bem quanto você, e não querer ser o dono do conhecimento para tê-lo só para você. Siba que terá que fazer isso o tempo todo.

Por Daniela Almeida da Silva


Existem pessoas que transmitem carisma de forma natural. São pessoas que chegam a um lugar, por exemplo, e já agradam a todos. Em uma empresa, elas são as mais populares e transmitem confiança a todos, desde a equipe ao chefe.

Recentemente, a escritora de negócios Gwen Moren escreveu um artigo na Fast Company falando a respeito disso. Ela disse que cada um tem uma representação diferente de uma pessoa carismática e que carisma, sobretudo, não é um dom à parte. A partir deste assunto, a escritora criou seis palavras-chave que servem para serem trabalhadas para o desenvolvimento de seu magnetismo pessoal, e assim, quem sabe, se tornar uma pessoa carismática. Confira:    

1 – Poder: as pessoas têm um significado equivocado sobre essa palavra. Mas, na verdade, ela sugere uma mistura de boa linguagem corporal, autoconfiança e expressões faciais e na voz. Gwen diz que essas características são, normalmente, o que as pessoas percebem.  

2 – Persuasão: quem tem magnetismo pessoal atrai outros naturalmente para sua maneira de pensar, e isso é um fator importante para se ter carisma. Para isso, é preciso ter entusiasmo sobre o que você pensa e diz, pois isto transmite confiança.  

3 – Imagem: de acordo com a autora, as pessoas processam uma opinião sobre você em frações de segundos, e no momento que ela é formada, será difícil ser mudada ou descartada. Na verdade essa afirmação é baseada em um estudo feito pela Universidade de Princeton e pela Universidade de Glasgow, as quais descobriram que as pessoas percebem como você é em menos de um segundo.

4 – Habilidades interpessoais: pessoas que são carismáticas são boas ouvintes e se comunicam bem, indo além do que apenas falar. É preciso respeitar e entender as opiniões de cada um. Interagir sem invadir o espaço das outras pessoas. Normalmente as pessoas são capazes de detectar isso no tom da sua voz e quando olharem em seus olhos, onde elas encontrarão conforto.

5 – Adaptabilidade: isso nada mais é do que você tratar os outros da forma que eles gostariam de ser tratados, sem que isso lhe cause desconforto. Nessa hora vale compreender todas as pessoas como elas são, independente das suas diversidades. Quando ocorre mudanças, por exemplo, as pessoas carismáticas sempre arrumam um jeito de adaptar sua forma de se relacionar ao ambiente.  

6 – Visão: pessoas que são carismáticas têm opinião própria sobre o que as estimulam e costumam passar essa visão para as outras pessoas. Elas sabem expor suas mensagens e ideias sem ultrapassar as das outras pessoas, criando um ambiente propício para isso.

Por Daniela Almeida da Silva


Uma das principais áreas que oferecem oportunidades de trabalho no nosso país é a de atendimento ao cliente, principalmente para as funções de Operador de Telemarketing Ativo ou Receptivo, onde empresas de médio e de grande porte realizam a contratação de centenas pessoas a cada semana.

Como você deve saber da mesma forma que existe vagas disponíveis no mercado para atuar com atendimento, existe também um número grande de concorrentes, por isso, é mais do que fundamental estar bem preparado para oferecer um diferencial.

Saber algumas regras básicas de como fazer um bom atendimento pode ser esse diferencial que tanto deseja conhecer, e aqui vamos mostrar quais são essas dicas que fará de você o melhor candidato para qualquer oferta de trabalho que surgir nesse ramo.

Primeiro é necessário enfatizar que nos dias de hoje as pessoas conhecem muito bem os direitos que possui, e a maioria ainda cita que não voltaria a fazer um negócio com uma empresa que não lhe atendeu bem.

Dessa forma é possível que você tenha a noção de como é importante ser um bom profissional, que prioriza acima de tudo a ética e a empatia.

Falando em empatia, caso você ainda não conheça o que isso significa, saiba que essa palavra tem um excelente significado para quem atua com atendimento ao consumidor, pois o mesmo quer dizer que é preciso se colocar no lugar da outra pessoa para atendê-lo da mesma maneira que gostaria de ser tratado. Essa é a regra fundamental para um bom atendimento.

Ser ágil não quer dizer que você precise cortar as informações que estão sendo repassadas pelo cliente, por isso, escute sempre com muita atenção e tenha muita educação para ajudar na solução do problema. Mas vale ainda ressaltar que o atendimento não pode ser também longo, pois isso gera desconforto por parte do cliente.

Cuidado com o momento para fazer estipulação de prazo, pois o mesmo deve ser cumprido para que o cliente permaneça satisfeito.

Siga esses passos e você vai ser o número 1 da sua empresa.

Por Josiane Fernandes de Jesus


Um dos principais motivos dos funcionários sofrerem com o estresse no trabalho acontece pela falta de conhecimento em realizar uma boa organização do seu tempo e da realização de suas tarefas.

Muitos ainda podem pensar que isso é uma bobagem, porém, aqueles que visam qualidade de vida, e também qualidade em todas as tarefas que devem ser realizadas dentro de sua empresa deve pensar sim nas melhores maneiras de se organizar no tempo de trabalho, período de descanso, entre outros demais fatores que vamos citar aqui.

Saber utilizar bem o tempoé considerado um diferencial por muitos administradores de empresas de médio e de grande porte, pois um candidato que possui esse perfil tende a render muito mais do que os demais profissionais, e saiba que isso acontecer independente de sua área de atuação.

Para ser ainda mais produtivo é preciso separar a realização de suas atividades durante o dia, semana e durante todo o mês, e isso deve ser feito através de categorias de importância, como por exemplo, colocar em primeiro lugar a realização de atividades que possuem maior urgência, depois realize as tarefas de planejamento e rotina.

A partir de hoje comece o seu trabalho realizando as atividades dessa maneira. Fala o que é mais urgente primeiro, pois no começo do dia a sua disposição tende a ser maior para os grandes desafios.

Depois realize as demais atividades, tendo sempre o período de pausa durante café da manhã e almoço conforme é previsto por lei.

Evite também ficar muito tempo conectado no celular ou usando as redes sociais, pois isso pode atrapalhar e ter fazer perder muito tempo.

Ainda vele ressaltar que ter um período de descanso durante a noite, sendo o ideal de 8 horas de sono, é fundamental para conseguir realizar esse tipo de organização e ter a disposição no começo do seu dia, e no final vai ser possível notar que vai sobrar mais tempo para aproveitar a sua vida pessoal.

Por Josiane Fernandes de Jesus


Geralmente quando alguém se torna chefe foi porque batalhou muito para isso. Demonstrou responsabilidade e capacidades que outros não teriam. Mas como se sabe que ninguém é perfeito, nem mesmo os chefes, eles também têm certas “normas de conduta” que devem ser seguidas para ao menos ter um bom relacionamento com seus subordinados.

Recentemente a Forbes publicou uma reportagem na qual aponta, de acordo com alguns especialistas, algumas frases que de fato os chefes e líderes como um todo não deveriam dizer aos seus empregados. Abaixo selecionamos algumas dessas frases e comentamos a respeito.

Uma hora outra em sua vida profissional a pessoa vai ter um chefe que vai dizer que porque paga o salário dela ela deve fazer exatamente o que ele está mandando. Ou seja, usar de ameaças e poder não representam o melhor dos caminhos para se construir lealdade e inspirar as pessoas. O fato é que bons líderes lideram e não ameaçam.

Outra frase comum é algo do tipo: Você tem sorte por receber tal gratificação. Em outros lugares nem isso eles recebem. De acordo com a reportagem um líder inteligente sabe que quem produz os lucros da empresa são os funcionários. O chefe sábio é aquele que recompensa seus colaboradores na proporção que contribuem para a empresa.

Também tem chefe que diz que trabalha os sete dias por semana até tarde e ainda pergunta para o funcionário onde é que ele estava. O chefe, pobre coitado, tem que entender que funcionário não é chefe e muito menos tem que se matar no trabalho como ele faz (e muitas vezes sem resultado).

O famoso cortar custos também consta na lista. O problema é que ao mesmo tempo em que se deve cortar custos a própria gerência não dá o exemplo. Aí a coisa complica. Afinal de contas, qual funcionário vai engolir essa?!

“Nós sempre fazemos assim”. É uma das piores coisas para se dizer para um funcionário. Primeiro porque isso já corta de cara qualquer boa vontade do mesmo em tentar usar a sua criatividade para melhorar algo na empresa. Segundo porque tudo muda. Talvez fazer sempre do mesmo jeito seja a receita certa para o fracasso.

Por Denisson Soares


Com certeza todos já devem ter escutado a famosa frase "A primeira impressão é a que fica", pois é, isso com certeza significa muito para uma sociedade em que tudo se mede pelas aparências. No mundo profissional também não é diferente, as pessoas estão sempre competindo e observando muito, por isso, aquele que sabe "causar impressão" geralmente se sai melhor.

Quando o assunto é primeira impressão, roupa e aparência são o de menos. Existem atitudes que podem ser muito mais relevantes, como a linguagem corporal e verbal.

Confira 12 dicas principais para uma postura profissional correta:    

1 – A primeira impressão é um conjunto de tudo que pode ser visto ao seu redor. Sim, tudo o que está à sua volta diz muito sobre sua personalidade. Por isso, considere, por exemplo, até um lugar em que você marca uma reunião importante ou um encontro, e, principalmente todos os objetos que farão parte da ocasião, como mesa do escritório, entre outros.  

2 – Pequenas atitudes podem fazer grandes diferenças Um bom aperto de mão (forte e decidido) pode indicar confiança e segurança, além de formar laços e passar credibilidade.

3 – Seja aberto e receptivo a uma conversa. Nada melhor do que ser cordial com todos, sorrindo e tendo uma postura receptiva. Nessa hora, evite cruzar os braços, pode indicar desaprovação.  

4 – Seja coerente no pronunciamento das palavras Isto significa falar em tom adequado ao ambiente e às pessoas envolvidas nele. Querer ser o centro das atenções pode tirar a credibilidade das pessoas. A comunicação tem que fluir de maneira coletiva e sem pressões.  

5 – Fale menos e ouça mais. Não seja afobado. Um bom discurso envolve a todos e quanto mais se compartilha ideias e conhecimentos, mais rápido se chega ao alvo.  

6 – Demonstrar interesse é fundamental. Quando alguém lhe oferecer um cartão de vistas, por exemplo, demostre interesse e diga que fará um retorno, mesmo que não seja verdade. Guarde-o com carinho e cuidado e não de qualquer jeito na frente da pessoa.  

7 – Seja na empresa o que você é no dia a dia. As pessoas esperam o mesmo de você em qualquer lugar e ocasião, por isso, cultive uma postura educada e gentil. Ás vezes, um "Bom dia", "Muito Obrigado" ou "Como vai você?" pode fazer muita diferença nas relações com as pessoas ao seu redor e pode demostrar um bom caráter, principalmente em um ambiente de empresa. Isto vale para qualquer cargo, especialmente aqueles de hierarquia mais importante.  

8 – Estabeleça relações de confiança e familiaridade com seus colegas. É realmente muito gratificante saber que uma equipe bem estruturada pode ajudar uns aos outros.  

9 – Dentro ou fora do escritório, seja modesto. Procure ser discreto com pertences pessoais no seu escritório. Porta-retratos já são o suficiente. Bichinhos, brinquedos ou ícones de hobby poderão ser vistos como exagero.  

10 – A intimidade deve ser conquistada, não forçada. Primordialmente, sua relação deve ser de trabalho apenas, não pessoal.  

11 – Ligações de trabalho são do trabalho, as pessoais em casa. Permitir que pessoas do seu convívio familiar ou social particular te liguem no período de trabalho é realmente muito comprometedor.  

12 – Uma boa postura profissional com certeza pode gerar bons hábitos. Se você pretende manter uma boa impressão em toda a sua carreira, saiba cultivar boas condutas em você mesmo.

Por Daniela Almeida da Silva


Qualquer ambiente pode ficar agradável com objetos pequenos e simples, e, apesar de ser algo fácil, muitos profissionais deixam escapar esse detalhe. Talvez seja por esse motivo que um ambiente de trabalho fica com aquele clima pesado, fazendo com que nos sentimos desanimados e desmotivados.

Um ambiente de trabalho deveria ser a nossa segunda casa pois é onde passamos a maior parte do nosso tempo, por isso devemos fazer o possível para deixá-lo animado e descontraído. Você pode fazer isso decorando-o com objetos pessoais, pode ser seus personagens favoritos, jogos, frases engraçadas ou alguma coisa que lembre seu hobby predileto. Se você souber ousar um pouco, com certeza eles trarão tranquilidade e bem-estar, fazendo você sentir em casa!

Para começar, observe algumas dicas abaixo:

– Frutos ou plantas:

Utilize a energia da natureza para mudar a 'atmosfera' de trabalho em sua sala, por exemplo. Uma boa dica é manter sempre uma planta em vasos pequenos próximo à você, caso trabalhe com mais pessoas ao seu redor. Um Bonsai seria ótimo! Agora, se você tem uma sala só sua, coloque outras plantas como Orquídea, Comigo-ninguém-pode ou Bromélia. Mas não se esqueça de que algumas plantas precisam de cuidados específicos. Antes de comprá-las informe-se corretamente a respeito de seus cuidados.

Vale ressaltar também que nem todas as empresas incentivam este tipo de atividade, por isso, informe-se antes de tomar alguma iniciativa.

– Estátuas ou imagens representativas:

Uma outra maneira de deixar seu ambiente agradável é trazer alguma imagem ou estátua que represente algo muito importante para você. Mas antes certifique-se de saber a opinião das pessoas que trabalham junto com você.

– Quadros e fotos:

Porta-retratos com fotos de sua família são ótimas opções. Trazem motivação, alegria, criam e fortalecem vínculos e são capazes de aliviar o estresse.

– Jogos:

Jogos são excelentes alternativas para estimular a criatividade e se socializar com as pessoas do seu trabalho. Em momentos de tédio e monotonia eles promovem distração e podem aumentar sua produtividade no desempenho das tarefas do dia a dia. Tenha sempre um jogo na gaveta de sua mesa e utilize-o apenas em momentos permitidos.

Por Daniela Almeida da Silva


Trabalhar em uma grande empresa não é apenas seu sonho. A lista de candidatos é infindável no que diz respeito a isso. Entretanto, um aspecto que muito raramente ouvimos é que “as melhores empresas são as melhores devido aos funcionários que trabalham nela”. Isso é óbvio, mas muito pouco falado. Um dos principais pontos que o profissional deve observar é que essas empresas também buscam por certas características em seus prováveis colaboradores. Estar a par delas pode garantir ou ao menos tornar mais fácil o caminho para a conquista de uma tão sonhada vaga.

Abaixo listamos alguns aspectos que são importantes para os profissionais ficarem atentos uma vez que uma gama muito grande de empresas que buscam por gente com tais características.

– Seja íntegro e coerente:

O profissional que tem essas duas “virtudes” acaba por demonstrar que está apto a ter um bom relacionamento. Um dos principais motivos de se dar valor a esse ponto é que ainda contribui e muito para que as pessoas se comprometam mais com ele. Ou seja, a cooperação e o trabalho se tornam mais produtivos.

– Seja flexível:

Com a concorrência no mercado às vezes é necessário que funcionário faça um pouco mais. Ser flexível não diz respeito apenas ao horário, mas a capacidade de lidar com problemas, de improvisar quando for necessário. Pra poder fazer isso o profissional tem que estar bastante ciente do que anda acontecendo na empresa onde trabalha além, é claro, de sempre tentar conhecer cada vez mais a fundo os problemas que afetam a mesma.

– Seja confiante e conheça a si mesmo:

Profissionais medrosos, tímidos ou que não fazem a mínima ideia de até onde podem ir acabam ficando “no canto”. É preciso assumir riscos, ter maiores responsabilidades. Mas é preciso também saber como lidar com eles. Se o profissional tem problemas nessa parte é indicado que busque a razão dos mesmos. Se necessário até mesmo um especialista. Não é que a pessoa seja louca ou emocionalmente instável, mas deve haver algo que a impeça de ser mais produtiva, de tomar decisões e assumir desafios que nem ela saiba o que é. Em muitos casos é mais fácil perceber o “obstáculo” olhando pelo lado de fora.

São diversas as coisas que um profissional pode fazer para ingressar, se manter ou prosperar em uma empresa. O principal é sempre buscar saber mais. Se colocar na posição de quem tem sempre algo para aprender e não de quem sabe de tudo.

Por Denisson Soares


A Copa está aí e tem muita gente indo embora mais cedo do trabalho. Porém, depois que a Copa passar as pessoas terão que voltar para a realidade de suas empresas e dar de cara com algo que fingem que não vai existir: o acúmulo de trabalho extra. É obvio que mais tempo será exigido e uma dose de inspiração a mais para concluir o trabalho atrasado e recuperar o que não pôde ser ganho nos períodos de folga.

Isso é algo rotineiro para alguns profissionais. “Colocar a casa em ordem” sem perder a cabeça parece ser a especialidade deles. Entretanto, tem uma gama infinitamente maior que não sabe como ser produtivo, como administrar melhor o tempo para organizar e realizar o trabalho.

Ter sabedoria profissional de usar o tempo como aliado e não como inimigo acaba fazendo o diferencial na vida de muitos profissionais que se destacam no mercado. O que vem a ser quase que uma consequência: o funcionário entrega seus projetos no prazo, não deixa pendências para outro dia e de quebra ainda arruma mais tempo para pensar no que pode fazer para crescer ainda mais.

Se você está na classe daqueles que se perdem com o tempo e por isso deixa de ser produtivo, confira algumas dicas abaixo que irão lhe ajudar a mudar esse cenário.

– Cuidado com os eletrônicos:

São úteis sim, e podem ser usados para facilitar e muito o trabalho. Mas você usa um computador que vive conectado é bom se policiar ainda mais. Chats, sites de seu interesse e que não ajudam em nada seu trabalho, redes sociais e por aí vai contribuem para que você desvie sua atenção do que é realmente importante com mais frequência. No início é difícil, mas quem tem o hábito de a cada cinco minutos conferir alguma coisa na internet precisa antes de mais nada parar e reservar um tempo específico para isso.

– Anote, anote e anote:

Muitos especialistas afirmam que grande parte dos profissionais de sucesso e líderes nos mais diversos setores fazem listas. Então faça você também. Anote o que é relevante e se possível determine um tempo específico para realização da tarefa de maneira satisfatória. Outra coisa é usar o bom senso. Se vai demorar uma hora para concluir e você estipula 40 minutos e faz duas pausas de 10 minutos, é meio difícil.

– Use os limites:

Não, não são os limites de seu cartão de crédito e sua conta bancária. São os limites de sua razão. Não diga que vai dar conta do trabalho se morre de saber que não vai. Tem gente que acha, erroneamente, diga-se de passagem, que ser produtivo é acumular um milhão de trabalhos. Isso é irreal. Pegar para fazer o que você sabe que vai ter como concluir é inteligência que se alia à produtividade.

Ter uma relação melhor com o tempo não apenas ajuda no trabalho, mas até mesmo nossa vida pessoal pode ser melhorada. Afinal de contas, a certeza é de que teremos menos estresse, mais tranquilidade e claro mais tempo.

Por Denisson Soares


Nos dias de hoje as empresas de pequeno, médio e grande porte precisam fazer o registro de seus funcionários de acordo com a Lei CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), pois dessa forma ambos terão todos os seus direitos garantidos.

O ideal é que o registro em carteira seja feito desde o primeiro dia de trabalho, e a cada dia as empresas estão agindo dessa maneira, pedindo todos os documentos após a aprovação que é feita através de processo seletivo, porém, nem todas sabem que é preciso fazer a devolução dos documentos em um determinado prazo.    

E se você precisa saber qual é o prazo que uma empresa tem para fazer a devolução da Carteira de Trabalho ao empregado, saiba que de acordo com as normas o período máximo é de 48 horas, sendo o tempo ideal para fazer todas as anotações necessárias sobre a admissão.

Durante esse período é preciso que o empregador anote dados como o dia da contratação, valor de salário, e demais condições se preciso for. Após ter feito isso a Carteira de Trabalho deve ser imediatamente entregue ao titular.

A não devolução do documento dentro do prazo poderá acarretar a lavratura do auto de infração, pelo fiscal do Trabalho, disposto no Art. 29 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

Então fica previsto que o empregado terá o direito a receber um dia de salário por dia de atraso nos termos do Precedente Normativo nº 98/TST e a empresa ainda poderá ser multada ao valor de meio salário mínimo, e isso consta no Art. 53 da CLT. Caso queira mais informações faça a leitura completa do termo ou consulte um advogado.

A retenção do documento em um período maior há 48 horas poderá fazer com que o empregado conte com a contravenção penal do Art. 3º da Lei 5.553/68, sendo de extrema importância realizar todas as regras conforme foi citado acima. 

Por Josiane Fernandes de Jesus


Mesmo com tantas informações que existem sobre o mercado de trabalho algumas pessoas ainda possuem algumas dúvidas básicas sobre algumas leis e regras que são estabelecidas no caso depedido de demissão de um funcionário.

Se você também está pensando em sair do seu emprego atual porque encontrou uma oportunidade melhor, ou porque possui outros projetos pessoais, mas precisa de mais informações sobre o assunto, principalmente no que se refere ao cumprimento do aviso prévio, saiba que aqui vamos falar um pouco mais sobre o assunto para esclarecer todas essas dúvidas.

A primeira coisa que você deve saber é que o profissional não possui nenhum tipo de obrigação de cumprir o aviso prévio no caso de pedido de demissão de uma empresa, e essa informação foi repassada pelo advogado Wagner Luiz Verquietini a uma entrevista que deu ao provedor UOL.

Mas, ainda vale ressaltar que o empregador nesse caso poderá receber alguns valores que são de indenização pela falta de cumprimento desse período de 30 dias de aviso.

Os valores que são cobrados nesse caso são de suas verbas rescisórias e todos os dados vão constar no Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho.

Ainda vale lembrar que o cumprimento do aviso prévio é ideal para que o empregador tenha um período para se adaptar e até mesmo realizar a contratação de um novo funcionário, por isso, se houver essa possibilidade, com certeza esse será o melhor caminho para ambas as partes.

Os principais benefícios em aceitar o aviso prévio é que o empregado terá um menor desconto nos direitos de suas verbas rescisórias, e a empresa ainda poder fazer a seleção de um novo profissional durante esse período.

Já quando acontece a demissão a empresa pode optar por pagar a multa do aviso prévio, ou pedir que o empregado atue por mais 30 dias antes de sair da empresa.

Por Josiane Fernandes de Jesus


Já ouviu falar de “terceirização de administração pessoal”? Pois bem, é exatamente isso que o profissional faz quando diz um “sim” como resposta para algo que merecidamente deveria receber um não. Isso é um grande problema e com o passar do tempo pode até complicar a vida profissional da pessoa de diversas maneiras. Praticamente em todas as empresas vai ter aquele profissional que se sente muitas vezes deslocado, sem oportunidades ou insatisfeito porque não sabe dizer “não”.

Não há uma razão específica que leva a pessoa a dizer um “sim” quando deveria ser um “não”. Às vezes somos levados mais pelo emocional e pela ideia de que devemos ser sempre solícitos e estar sempre à disposição.

Às vezes fazemos isso para manter nossas amizades, outras vezes por medo de tomar decisões que venham a decepcionar alguém. Já o ponto mais comum é quando dizemos “sim” estamos praticamente deixando o bastão com outro profissional e acabamos nos condenando a ficar calados em relação a nossas próprias decisões. Se você se encaixa neste perfil, abaixo listamos algumas dicas para ajudar a você a dizer um “não” para certas ocasiões.

Não se envergonhe em dizer não:

Nenhum profissional precisa ser sempre o cara bonzinho para outras pessoas e aparentar sempre estar disponível. Até porque isso é impossível. Muita gente, para não dizer a grande maioria, tem problemas em dizer não. Um ponto interessante é que a capacidade de dizer essa simples palavra muitas vezes é vista com respeito por quem a ouve. Tomando esse ponto de vista a pessoa que sabe dizer “não” quando convém apresenta mais disciplina do que os adeptos do sim.

Não deixe para outra hora:

Às vezes dizer não pode até doer. Mas é necessário e pode ajudar a melhorar. Quando o profissional “enrola” para dizer não, ainda mais quando já tomou a decisão ele apenas prolonga o sofrimento. Se o não for dito no início da situação com certeza, lá na frente, muitos problemas (e dores) poderão ser evitados.

Não minta e nem dê desculpas:

Se você tem uma explicação lógica e bem fundamentada não existe nada que lhe impeça de utilizá-la para demonstrar o motivo de sua decisão. Mas é bom lembrar que conforme o caso nem explicação você deve. Tente dar um não de forma simples, sorria para que se torne mais amigável a parte chata. O mais importante é evitar discussões e debates que levaram você a dizer um não.

Cada um tem uma maneira própria e pessoal de dizer não para algo. O que deve sempre ser lembrado é que o “não” faz parte de nossas vidas. Começamos a aprender isso desde cedo com infinitos “nãos” de nossos pais. Apesar de não parecer é algo natural; nós é que temos medo.

Por Denisson Soares


Fazer uma Doação de Sangue nos dias de hoje é um ato de amor e também de solidariedade, pois muitas pessoas sofrem acidentes e precisam fazer a reposição de sangue que foi perdido, ou estão em filas aguardando esse tipo de doação para fazer uma cirurgia, entre outros procedimentos médicos do gênero.

Quem doa sangue pode salvar uma vida, e no decorrer de todos os anos existem campanhas para aumentar o número de doadores, e isso acontece em todo o país.

Porém, muitas pessoas acabam não fazendo essa doação, pois ainda não conhecem a lei que dá o direito a um dia de folga no dia da coleta do sangue, e isso deverá ser feito sem nenhum tipo de prejuízo no salário.

Algumas pessoas ainda possuem dúvidas sobre esse direito à folga no dia em que se faz uma doação de sangue, mas saiba que de acordo com a lei segue os seguintes dados:

–  “Artigo 473 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) dispõe que o empregado poderá deixar de comparecer ao serviço, sem prejuízo do salário, por um dia, em cada 12 meses, em caso de doação voluntária de sangue devidamente comprovada".

Porém, desde já vale ressaltar que é mais do que fundamental que o profissional avise o seu chefe de departamento sobre o dia em que pretende fazer essa doação, pois dessa forma ambos poderão se preparar para aquela data e se organizar no que se refere às tarefas que deverão ser realizadas.

Agora que você já conhece a lei que garante o seu direito não deixe de ajudar pelo menos uma vez ao ano, ou até mesmo mais vezes se houver a disponibilidade, fazendo esse tipo de doação que ajuda tantas pessoas.

Para realizar a doação é preciso ter mais de 18 anos, pesar mais de 50 quilos e não ter feito tatuagem em um período menor de 6 meses, entre outras solicitações. 

Por Josiane Fernandes de Jesus


Se você trabalha com pessoas em especial no setor em que elas são a fonte de renda da empresa com certeza já deve ter ouvido a frase “o cliente é o bem mais importante da empresa” ou algo parecido. Entretanto, há uma categoria que funciona bem melhor do que os clientes, os fãs.

Já pararam para pensar por que cada vez que a Apple vai lançar alguma coisa as pessoas já estão na fila da loja de madrugada? Saiba que é porque são fãs da marca. Clientes agem com mais racionalidade os fãs não. São mais fiéis e bem menos propensos a abandonar a marca. O fã cria um laço afetivo com a empresa (ou com um funcionário que tem um diferencial).

Abaixo listamos algumas dicas para você que trabalha com vendas (e outras áreas também) e quer se destacar, ou melhor, transformar seus clientes em fãs. Isso vale também para você que é um funcionário também. Quem sabe seu futuro não será algo inesperado.

1 – Faça um cadastro de todos os clientes: se você é dono ou responsável pelo gerenciamento de um setor nada melhor do que treinar seus funcionários para fazer um cadastro sistemático de seus clientes. Um dos principais motivos para isso é que assim ficará mais fácil saber quem gasta mais na empresa e claro, investir nesse consumidor em potencial. Outra coisa para quem trabalha diretamente com o cliente é sempre ter em mãos uma forma de pegar os dados do mesmo. Se alguém se interessa por algo hoje e não quer comprar. Quando surgir uma promoção ou um novo produto essa lista pode e deve ser usada tanto com os atuais clientes quanto com os prováveis.

2 – Esqueça o bom atendimento: um dos pontos mais “trabalhados” em qualquer empresa é sobre o bom atendimento. Imagina-se que um bom atendimento fideliza os clientes. Algumas estatísticas mostram que isso não é bem assim. Bom atendimento até o seu concorrente do outro lado da rua pode estar oferecendo e às vezes melhor do que você. A dica é ouvir o seu cliente. Veja bem, ouvir o cliente é ver o que ele quer e o que pode ser feito para mudar. Analise. Se de dez pessoas seis já tocaram no mesmo ponto é hora de pensar nas atitudes a serem tomadas.

3 – Envolva todo mundo: uma das situações mais complicadas nas empresas é o fato de que muitas vezes a direção toma determinadas decisões e não inclui nisso os seus colaboradores. Quem atende diretamente ao cliente é o seu funcionário. Ele é o cartão de visitas de sua empresa. Envolver os funcionários no processo de transformar clientes em fãs não é tão difícil. A maior parte dos funcionários sempre é preferida por algum cliente. Esse funcionário pode ser a chave para transformar clientes em fãs. Mas se a empresa deserda o funcionário, não o envolvendo, ele pouca importância dará para o que poderá estar por vir.

Independentemente do setor em que você trabalhe seja o responsável ou o subordinado lembre-se sempre de se preocupar com os clientes. Há um fato bastante interessante de notar o que essa afinidade provoca nas pessoas: muitas vezes um funcionário sai de determinada empresa e continua a atuar no setor. Aqueles clientes que se tornaram fãs do que ele fazia irão atrás dele hoje, amanhã ou quando sentir necessidade. Isso porque neste caso, quem se empenhou foi o colaborador e não a empresa em si. O que qualquer pessoa sabe quando entra em algum lugar é se o que acontece ali é padrão da empresa ou de apenas um funcionário diferenciado.

Por Denisson Soares


Que a tecnologia está tomando conta de todos os setores da sociedade já deixou de ser novidade faz muito tempo. Claro que como em tudo há sempre os dois lados da moeda neste caso também não seria diferente. Em algumas situações ela até pode contribuir para melhorar o desempenho e facilitar o exercício funções. Já em outros, a conversa é bem outra.

De acordo com algumas pesquisas levantadas em relação a fatores que influenciam os funcionários a perderem tempo no desempenho de suas funções no trabalho, por incrível que pareça, lá está ela, a tecnologia. O uso de algum tipo de tecnologia como os smartphones, por exemplo, para fins pessoais durante o período de trabalho ocupa o topo no ranking em relação aos hábitos tidos como mais improdutivos no trabalho.

Para se ter ideia de cada quatro funcionários um passa no mínimo uma hora por dia em meio a mensagens de textos, ligações e e-mails, tudo de caráter pessoal, é claro. Essa fatia representa algo em torno dos 24%. Outros 21% ficam por conta daqueles que passam uma hora ou mais na internet procurando por coisas que nada tem com o trabalho que está desempenhando.

Esses e muitos outros números foram obtidos por meio de uma pesquisa feita pelo instituto de pesquisas americano Harris Poll sob encomenda do site CareerBuilder. A pesquisa foi realizada no período entre fevereiro e março deste ano via internet. Para ela 2.138 gerentes de recursos humanos e quase 3.000 funcionários de diversas empresas privadas no país participaram.

O principal objetivo era descobrir o que de fato fazia com que o trabalhador perdesse mais tempo no trabalho levando em conta suas atividades cotidianas. Além da utilização da tecnologia para fins pessoais, como apontamos anteriormente, outros fatores também apareceram na lista. Dentre eles, o comportamento entre colegas e em reuniões. Abaixo selecionamos alguns com seus respectivos percentuais de acordo com o estudo:

1° lugar: uso do celular para envio de mensagens de texto / 50%;

2° lugar: fofoca no ambiente de trabalho / 42%;

3°lugar: uso da internet para fins diversos (menos o trabalho) / 39%;

4°lugar: uso das mídias sociais / 38%;

5°lugar: pausas para um lanche ou ainda para fumar / 27%.

Dando um salto para o décimo lugar está o fato dos colegas de trabalho cismarem em colocar ligações no viva-voz com 10% (coincidência!?).

E você? Encaixou-se em alguma das categorias citadas aqui? Comente.

Por Denisson Soares


É notório que o mercado de trabalho está cada dia mais competitivo e essa rotatividade exerce uma seleção natural mesmo dentro das empresas, é preciso avaliar o rendimento dos funcionários, pois existem muitas pessoas competentes que desejam uma oportunidade em uma empresa.

A ética profissional é uma postura exigida incondicionalmente em um ambiente de trabalho, o perfil de um profissional precisa ser pautado por seriedade e proatividade em ser colaborativo para com a empresa. Para se manter no mercado é preciso tomar algumas precauções quanto a algumas atitudes dentro do ambiente de trabalho, como evitar desentendimentos pessoais e rivalidades. As brigas não levam a lugar algum e criam um mal estar geral em um ambiente de trabalho. Quando se cria inimizades em um emprego o que se conseguirá é ganhar atenção negativa por parte de todos, tente chegar em um consenso chamando a pessoa em particular civilizadamente, com perfil profissional.

É importante tomar cuidado com o uso excessivo do celular, seja por qualquer motivo o uso do celular pode fazer com que você seja mal visto pelos colegas de trabalho e demonstra uma falta de atenção e de foco, que resultam na perda de produtividade.

Falar mal do chefe pode ser um tiro no pé que pode desestabilizar toda uma carreira profissional, caso você tenha algum problema quanto às decisões tomadas a melhor maneira de se resolver isso é conversando, é preciso dar a oportunidade de explicação e deixar a lógica arcaica de falar mal por traz.

É preciso ter uma postura profissional, usando termos profissionais e evitando usar no vocabulário gírias ou mesmo se vestindo de forma imprópria ao ambiente de trabalho.

A postura profissional é essencial no mundo corporativo e é conquistada pelo comportamento de ética e profissionalismo. Lembre-se que você esta sendo avaliado por todos a todo o momento, e sua “fama” será cartão de visita em todo o lugar que trabalhar.

Por Paulo Victor Bragança


Você se deu bem na entrevista de emprego, ganhou a confiança da nova empresa e foi o escolhido para ocupar a nova vaga de trabalho. Porém, ainda há muito o que demonstrar. Além de confirmar as habilidades informadas durante a entrevista, é preciso saber se apresentar: além da boa educação e relacionamento interpessoal, acertar no vestuário pode contar muitos pontos, principalmente quando estamos falando do primeiro dia no novo emprego.

Selecionamos algumas dicas valiosas sobre como escolher o look adequado para o início de uma nova fase profissional. Confira, capriche e saia na frente!

Looks Femininos:

As mulheres são as que mais pecam no look para o trabalho. Por conta da grande diversidade de peças e modelos femininos, muitas vezes as profissionais erram em utilizar looks para passeios, festas e baladas em ambiente profissional.

Segundo especialistas, a forma mais simples de acertar na escolha é seguir a mesma fórmula das entrevistas formais de emprego: uma calça reta em tons neutros ou uma saia lápis, também em tons neutros, terninho e blusa básica. Se for apostar em acessórios, a dica é optar por peças mais sofisticadas, porém discretas: um brinco de pérolas, um colar ponto de luz e uma echarpe estampada são excelentes opções.

Looks Masculinos:

Apesar de os homens contarem com menos opções na hora de escolher o look profissional, a dificuldade pode ficar a cargo dos estilos diários: homens acostumados com bonés e blusões de moletom, por exemplo, sentem uma maior dificuldade nas composições.

A regra masculina é reta e direta: para posições que exigem trajes formais, o conjunto calça social e camisa social, sapato e cinto na mesma tonalidade é interessante. Já para empregos que aceitam looks mais informais, a linha spot-chic faz a vez. Nesta possibilidade, são aceitas peças mais leves, como calças jeans, camisas coloridas e o sapatênis.

Dica de ouro: Vestir-se corretamente é essencial para um futuro promissor dentro do ambiente profissional. Por isso, é preciso atenção redobrada na escolha do look.

Por Tati M.


Segundo pesquisa da consultoria PwC, o número de profissionais certificados na atividade de coach mais que triplicou em apenas três anos. A procura por essas pessoas está crescente e o problema maior são os oportunistas que se aproveitam da oferta do mercado para se aventurarem e enganar empresas.

Outras situações acontecem quando o próprio profissional contrata um coach – aproveitando dos preços que caíram para a contratação – e acabam confundindo o trabalho desse profissional. Não é qualquer tipo de treinamento que se pode chamar de coaching, segundo o psicólogo João Mendes e coautor de livros sobre o assunto.

O primeiro cuidado que se precisa ter antes de contratar um coach é saber que ele pode até ser um psicólogo ou psicoterapeuta, contudo ele vai tratar de questões profissionais e não pessoais. Mesmo que seja um trabalho íntimo e individual, ele não mexe com os aspectos emocionais do profissional.

O coach precisa ter algum tipo de experiência profissional, é isso que mais vai auxiliar quem o contratou. Se o coach já foi gerente, ele poderá auxiliar gerentes, mas será incapaz de ajudar um diretor profissionalmente. Outra situação é avaliar o certificado que o coach tem. Existem várias entidades que certificam, mas poucas são realmente sérias. Para conseguir se tornar um profissional da área, ele precisa passar por semanas de aulas, conferências, leituras e atendimentos supervisionados. Sem isso, o certificado não é tão válido assim.

O preço que o profissional de coach vai cobrar do cliente também é importante ser notado. Os valores das sessões variam muito, mas o mínimo é R$ 250. Menos que isso a empresa ou o cliente devem desconfiar. O máximo é R$ 3 mil e mesmo assim o coach precisa provar que tem muita experiência e que os seus clientes são importantes para elevar tanto assim o preço.

Os encontros também precisam ser combinados já na primeira sessão. Normalmente são de 10 a 15 sessões, dependendo da situação de cada cliente. Por fim, o contratante deve pedir referências ao coach de ex-clientes para que ele se sintonize e veja se realmente é um profissional que realmente valha a pena trabalhar. 

Por Carolina Miranda


Está enganado quem pensa que a realização de programas motivacionais e a concessão de bônus, benefícios adicionais e outro tipo de investimentos para a motivação dos funcionários está sendo feito unicamente por empresas de grande porte. Hoje em dia empresas pequenas e médias estão investindo cada vez mais no desenvolvimento dos seus colaboradores, aumento da lucratividade, redução de custos e diminuição da saída de funcionários da organização.

Entende-se que motivar as pessoas não é algo fácil, organizações são compostas por indivíduos diferentes com costumes, personalidade e culturas diferentes, sendo assim a busca pela melhor forma de motivar os colaboradores torna-se uma tarefa constante.

A apresentação de programas de bônus e benefícios de cunho econômico nem sempre surte efeito, isto porque as pessoas nem sempre precisam de estímulo econômico para desempenharem melhor a função e sentir-se bem no local onde trabalham. Muitas vezes os problemas vão bem mais além da parte econômica. Às vezes as pessoas estão manifestando desinteresse pela atividade porque simplesmente não se sentem a vontade para efetuá-la, isso pode ser pelo despreparo no cumprimento das tarefas vinculadas à sua função, por desmotivação dada pela falta de possibilidade de crescimento na empresa ou por frustração por estar fazendo um trabalho que não lhe agrada. Nestes últimos casos, a empresa deve prestar atenção principalmente no comportamento do funcionário, caso conclua que o desinteresse está causado pela falta de preparo para as atividades do seu posto, a melhor escolha é realizar treinamentos e capacitações para que estes profissionais se sintam mais seguros, além de estar fomentando a melhora no trabalho, com certeza este colaborador irá se sentir motivado para o desenvolvimento de suas atividades e ficará mais satisfeito com a organização.

Outra das causas pelas quais as empresas buscam beneficiar os seus empregados com alguns tipos de “prêmios” é buscando diminuir custos, quando os profissionais têm como meta esse abatimento nos custos, ela fica bem mais fácil de ser atingido quando o trabalhador está motivado, ou seja, a empresa dá aos empregados recompensas por estar economizando a verba da organização. No que diz respeito a isso, muitas empresas estão usando o sistema de pontos para conceder aos seus colaboradores alguns prêmios. Ao juntar pontos o trabalhador poderá trocá-los por TVs, dias livres e outros prêmios.

A busca pela motivação das pessoas numa organização não é um assunto simples, é um processo constante em busca da forma ideal que combine ações para a manutenção dos colaboradores na organização, diminuição dos gastos da empresa e adaptação aos objetivos organizacionais.

Por Melina Menezes


Está aberta uma nova temporada para a contratação de empregados temporários, desta vez para atender à demanda de vendas da Páscoa 2011. Para quem está desempregado esta é uma excelente oportunidade de voltar ao mercado de trabalho.

Se o funcionário mostrar dedicação e disciplina tem grandes chances de conquistar sua efetivação após o período temporário. Leia a seguir dicas de especialistas para conseguir esse objetivo. Como se trata de uma contratação para atender a um aumento excepcional de serviço, é muito difícil que as empresas contratem todos os funcionários temporários, por isso, o profissional deve procurar ser diferente dos demais concorrentes.

Para se destacar perante os colegas, o empregado deve ser proativo, criativo e ter um bom relacionamento com todos. Um empregado temporário deve ter a mesma postura de um efetivo, por isso, deve ser agradável e contagiar os colegas com seu otimismo, além de saber trabalhar em equipe.

As empresas também valorizam funcionários que tenham capacidade de sugerir novas ideias, mas respeitando a opinião dos demais. Um profissional flexível e que tenha facilidade de adaptação em novas realidades são qualidades muito valorizadas pelos empregadores.

A formação profissional também é mais uma maneira que como o funcionário pode demonstrar o seu comprometimento com a empresa. Investir em palestras, cursos e livros contarão como pontos extras no seu currículo e, caso não ocorra a efetivação no emprego temporário, pode ajudar a obter uma outra oportunidade com mais facilidade.

Por Selma Isis





CONTINUE NAVEGANDO: