As dinâmicas de motivação são extremamente importantes tanto para a empresa quanto para os profissionais. Elas motivam e inspiram os profissionais a obterem melhores resultados em seus trabalhos.

Quando uma empresa conta com funcionários motivados, ela conta com a força necessária para obter o sucesso desejado, pois é a motivação que faz com que o profissional vá em busca de seu sonho, da realização dos projetos em que está envolvido.

Sem a motivação o profissional trabalha desanimado e a empresa sente esta falta de motivação na queda da produção e das vendas.

Por isso, as dinâmicas de motivação têm uma importância enorme para as empresas e também para os profissionais, podendo ser utilizadas para os mais diversos fins.

Quando aplicada em grupos, em equipes, as dinâmicas de motivação surtem um efeito surpreendente, pois é como se reascendesse o fogo que estava apagado dentro de cada profissional.

Graças às dinâmicas de motivação, é possível colocar para fora as habilidades que o profissional possui e que muitas vezes nem ele mesmo sabia. As dinâmicas de motivação também podem ser utilizadas para aproximar os membros de uma equipe recém-formada, trazer os novos funcionários para mais perto dos antigos trabalhadores da empresa e pode ser utilizada também para aliviar os funcionários do estresse, quando estes estão envolvidos em um grande projeto, que exige muita responsabilidade e esforço contínuo.
Se a sua empresa pode contar com uma equipe motiva, então é certo que ela conseguirá melhores resultados nas vendas, a produção irá crescer e os problemas que forem surgindo serão resolvidos de forma muito mais fácil, sem gerar nenhum tipo de desconforto nos funcionários, uma vez que a dinâmica de motivação também faz com que os profissionais passem a trabalhar de forma mais integrada e colaborem mais um com o outro.

O profissional que trabalha motivado, consequentemente trabalha mais satisfeito e o resultado disso, todos nós já sabemos, é um empenho muito maior na execução das tarefas.

O dia a dia no trabalho é cansativo, muitas vezes tedioso e isso vai minando a força de cada um dos trabalhadores. Com as dinâmicas de motivação, é como se os profissionais pudessem estar sempre reabastecendo seu ânimo, recarregando a energia constantemente e assim estariam sempre trabalhando com maior disposição, exercendo toda sua criatividade, dedicando-se em sua totalidade e ambos, empresa e funcionários, beneficiam-se de tudo isso.

Por Russel


Um líder precisa saber como motivar a equipe, tirando o melhor de cada membro dela.

Um bom líder tem o poder de motivar a sua equipe e levá-la a patamares que qualquer empresa considera altíssimos. Mas é preciso ter cuidado: se o líder tem toda essa influência sobre a equipe, o contrário também pode ser verdadeiro. É preciso ter cuidado para não levar a sua equipe para o fracasso. Saiba como desenvolver corretamente as capacidades dos membros de sua equipe e assim manter a sua equipe motivada corretamente:

Delegue funções corretamente: Já que você está em uma função de destaque é preciso conhecer bem os funcionários, para fazer com que as funções sejam distribuídas corretamente. Um bom líder estuda para melhor conhecer as fraquezas e pontos fortes de cada membro de sua esquipe, e assim delegar as funções certas para cada um.

Defina objetivos: Um bom líder tem traçados os objetivos para sua equipe, para chegar mais rapidamente aos seus ideais.

Ouça seus funcionários: O trabalho é feito em equipe e você faz parte dela. Mantenha-se acessível, seja uma figura frequente no ambiente de trabalho e ouça suas reclamações, e sugestões. Você é o principal interessado nos resultados, então tem que trabalhar para fazer com que a equipe esteja à vontade e motivada para alcançá-los.

Dê feedbak: De nada adianta ouvir os funcionários e não lhes dar as respostas que procuram. Um líder que retorna os questionamentos será muito mais respeitado e trará um ambiente de confiança, que consequentemente aumentará a produtividade dos seus funcionários. Eles saberão que podem contar com você.

Ponha a mão na massa: Não é porque você é um líder que não irá trabalhar junto aos seus funcionários. Você não está ali somente para delegar tarefas.  Seja parte ativa da esquipe, ofereça-se para ajudar ou mesmo fazer alguma função que o seu funcionário esteja com dificuldades. Isso o traz para perto de você, além de contribuir com a qualidade da produção na empresa.

Por Patrícia Generoso


É necessário pensar positivo e ter atitudes que favoreçam sua motivação em tempos que o Brasil passa por crise econômica.

O ano já está na metade e todos já sentiam qual seria o clima de 2015, a crise tem atingido todos os tipos de negócios. Está nos noticiários, quando você passa pelas ruas ou em conversas entre amigos, você consegue perceber que todos estão sendo atingidos pela crise financeira. Mas em um ano com tantas complicações, como se manter motivado?

Em tempos difíceis, é importante não deixar o pessimismo tomar o controle de suas ações. A crise é uma reação em cadeia, atinge todas as pessoas em todas as áreas e você tem que estar consciente disso. Também deve saber que você pode reagir, reorganizar suas economias e preparar estratégias para combater a crise, e isso é o mais aconselhável a se fazer no momento. Também é preferível não correr grandes riscos e se manter mais estável, mesmo com todos já tomando essa postura.

Se o recesso na economia é uma verdade, também devemos levar em conta que isso não significa ter só prejuízos, encarar o cenário econômico de outra forma pode te ajudar a passar por esse ano difícil, o ideal é manter uma atitude positiva mesmo em meio aos problemas que estão surgindo, dar o seu melhor para reorganizar sua vida. O pensamento positivo funciona para que você encare esse momento com outros olhos, dessa forma a crise pode te atingir com menos impacto e você ter uma maior estabilidade tanto na sua vida financeira quanto na sua vida profissional.

Adotar essa postura positiva não é uma tarefa fácil, principalmente porque muitos problemas ainda podem aparecer por conta deste ano de crise, ainda as constantes más notícias econômicas tomando conta do nosso dia a dia. A postura positiva e para frente é uma forte arma que você tem para combater a crise. Por isso aprender a usá-la significa ter um forte aliado na guerra contra o retrocesso financeiro que vem acontecendo nos últimos meses.

Por Tom Vitor de Freitas


Motivação e necessidade são duas palavras que inspiram a mesma coisa, porém com significados totalmente diferentes. Motivação é um processo interno que incita uma pessoa à ação, já a necessidade é mais uma deficiência, ou um sentimento de falta tomado por um indivíduo que necessita muito de algo.

Algumas pessoas acreditam ser a mesma coisa e ainda confundem uma palavra com a outra, pois ambas possuem uma conotação ambígua, e essa conotação sempre está relacionada a algo pessoal. Por outro lado, uma pessoa que tem a necessidade de ter algo, por exemplo, tende a usar a motivação para consegui-la. Logo, uma motivação é incitada pela necessidade, ou vice-versa.

Veja abaixo uma breve descrição do que as pessoas acabam confundindo:

Liberdade financeira: A liberdade financeira na verdade é uma necessidade humana. Apesar de existir palestras, cursos, coaching, entre outros recursos para melhorar o acesso à ela, cada pessoa possui sua própria motivação, que muitas vezes envolve valores e crenças pessoais. O caminho da motivação é igual para todos,  independente dos recursos utilizados ou do que as pessoas acreditam para alcançar um certo objetivo,  e isso é muito importante.

Autoestima: A autoestima também possui um pouco da necessidade humana e possui uma relação direta com a sobrevivência. Para isso, o ser humano sente a necessidade de se autorrealizar e de manter-se no mesmo ritmo para esse caminho todos os dias. Isso é primitivo, pois para  viver em sociedade o homem deve priorizar alguns aspectos pessoais para poder se identificar com um certo grupo,  e assim ir desenvolvendo sua personalidade de acordo com os valores adquiridos.

Sabemos que tanto a necessidade como a motivação são sentimentos subjetivos e cada ser humano desenvolve de acordo com o meio social em que ele está inserido. A única coisa que nos une, nesse contexto, é a capacidade de mover-se para alcançar algo, seja ele pela necessidade ou pela motivação.

Por Daniela Almeida da Silva


Está enganado quem pensa que a realização de programas motivacionais e a concessão de bônus, benefícios adicionais e outro tipo de investimentos para a motivação dos funcionários está sendo feito unicamente por empresas de grande porte. Hoje em dia empresas pequenas e médias estão investindo cada vez mais no desenvolvimento dos seus colaboradores, aumento da lucratividade, redução de custos e diminuição da saída de funcionários da organização.

Entende-se que motivar as pessoas não é algo fácil, organizações são compostas por indivíduos diferentes com costumes, personalidade e culturas diferentes, sendo assim a busca pela melhor forma de motivar os colaboradores torna-se uma tarefa constante.

A apresentação de programas de bônus e benefícios de cunho econômico nem sempre surte efeito, isto porque as pessoas nem sempre precisam de estímulo econômico para desempenharem melhor a função e sentir-se bem no local onde trabalham. Muitas vezes os problemas vão bem mais além da parte econômica. Às vezes as pessoas estão manifestando desinteresse pela atividade porque simplesmente não se sentem a vontade para efetuá-la, isso pode ser pelo despreparo no cumprimento das tarefas vinculadas à sua função, por desmotivação dada pela falta de possibilidade de crescimento na empresa ou por frustração por estar fazendo um trabalho que não lhe agrada. Nestes últimos casos, a empresa deve prestar atenção principalmente no comportamento do funcionário, caso conclua que o desinteresse está causado pela falta de preparo para as atividades do seu posto, a melhor escolha é realizar treinamentos e capacitações para que estes profissionais se sintam mais seguros, além de estar fomentando a melhora no trabalho, com certeza este colaborador irá se sentir motivado para o desenvolvimento de suas atividades e ficará mais satisfeito com a organização.

Outra das causas pelas quais as empresas buscam beneficiar os seus empregados com alguns tipos de “prêmios” é buscando diminuir custos, quando os profissionais têm como meta esse abatimento nos custos, ela fica bem mais fácil de ser atingido quando o trabalhador está motivado, ou seja, a empresa dá aos empregados recompensas por estar economizando a verba da organização. No que diz respeito a isso, muitas empresas estão usando o sistema de pontos para conceder aos seus colaboradores alguns prêmios. Ao juntar pontos o trabalhador poderá trocá-los por TVs, dias livres e outros prêmios.

A busca pela motivação das pessoas numa organização não é um assunto simples, é um processo constante em busca da forma ideal que combine ações para a manutenção dos colaboradores na organização, diminuição dos gastos da empresa e adaptação aos objetivos organizacionais.

Por Melina Menezes


Hoje em dia, as empresas estão cada vez mais à procura de profissionais, além de qualificados, de bem com a vida. Já foi cientificamente comprovado que o bom humor só nos traz benefícios, pois, diminui a fadiga, une a equipe, aumenta a produtividade e abranda o estresse.

Claro que não é fácil manter o bom humor em um ambiente de trabalho, sabendo que existe a necessidade de enfrentar trânsito diariamente, fazer reuniões, pressão do chefe em busca do melhor resultado, e muitos outros fatores diários que parecem cada vez mais testar o seu bom humor no dia-a-dia.

É necessário manter o autocontrole emocional e melhorar sua auto estima para obter bons resultados e aperfeiçoar seu desempenho profissional e, para aqueles que lideram uma equipe, é importante que se tenha cuidado para não se tornar um chefe chato ao invés de bem humorado, e não confundir bom humor com falta de bom senso.

Por Adriana do Nascimento


Todos os dias empresas no mundo todo buscam formas de motivar seus funcionários de forma criativa e eficaz. Muitos dos programas de motivação exigem investimentos que nem sempre podem ser adquiridos. A aplicabilidade de métodos mais simples e com baixo custo são a melhor opção.

O processo da motivação é mais amplo do que se imagina. Algumas medidas sem custo algum podem ser tomadas pelos funcionários e gestores da empresa para um bom desenvolvimento do trabalho.

Entre elas podemos destacar a boa comunicação entre os funcionários, a divisão com a equipe dos resultados obtidos, reconhecer o desempenho de cada um, demonstrar atenção e consideração com os funcionários, incentivar o dialogo para solucionar duvidas e celebrar as pequenas e grandes conquistas.

Acessibilidade dos gestores e proprietários também é muito importante e altamente influenciável no processo que gera a motivação.

Pequenas mudanças podem gerar grandes resultados.

Por Milena Evelyn


Todos conhecem a máxima: “Para toda ação existe uma reação”, não é mesmo?

Em nosso dia-a-dia ou no ambiente de trabalho podemos perceber isso muito claramente em varias situações.

O feedback é considerado um retorno ou uma alimentação de retorno, que pode ser uma sugestão, uma ideia, crítica, mas que independente do seu âmbito, deve ser entendida como um ponto de vista construtivo. Podemos considerá-lo uma ferramenta que será extremamente útil no aprimoramento e aprendizado diário.

Quando não há esse feedback muitas pessoas ficam desnorteadas, sem base para avaliar uma situação específica. Ele é fundamental para o crescimento pessoal, empresarial e emocional.

Quem acha que o feedback é exclusividade do ambiente de trabalho engana-se, as pessoas que conseguem lidar com ele, sem sombra de duvida irão se dar bem em qualquer setor da vida.

Na realidade o feedback é uma comunicação praticamente direta, use-o como uma orientação para a melhoria e o sucesso.

Por Milena Evelyn


No ambiente de trabalho a comunicação é essencial. Para tanto, observe algumas dicas:

– Ouvir o que esperamos ouvir. Nem sempre o que nos falam é uma crítica, apenas uma constatação que não foi observada. Anotar o que não agrada e refletir posteriormente será um processo demorado, mas valoroso, para tornar-se um ouvinte mais predisposto a flexibilidade.

– Utilizar palavras de vários significados, com diferentes sentidos para diferentes pessoas.

– Utilizar vocabulário específico.

– Interferência da comunicação não verbal. Dispor de predefinições quanto às pessoas somente perante suas ações, sem estabelecer um diálogo dificultará seus relacionamentos.

– Interferência das emoções. Os acontecimentos diários vivenciados interferem no modo de como tratamos as pessoas, mesmos aquelas que não estão envolvidas no ocorrido.

– Percepções influenciadas pelo grupo. Cada indivíduo é único e, assim, possui sua própria percepção de mundo, das pessoas, de valores éticos e morais.

Por Patricia Gujev


Na primeira vez que uma empresa dispor aos seus funcionários formas de expressar sua opinião quanto aos trabalhos desenvolvidos, é normal que nesse primeiro momento as pessoas liberem de forma intensa e até indesejável, descontentamentos retidos há anos.

Mas conflitos estão presentes em qualquer lugar onde convivem pessoas. O que vai fazer diferença é a qualidade e a intensidade com que se manifestam. O ato de não revelá-los não significa que não existam. Estão apenas sendo reprimidos.

Reprimir os descontentamentos e os conflitos existentes em nome de uma falsa harmonia, em nada contribui para sua superação. Pelo contrário, serve para alimentá-los. Pressionados, podem explodir a qualquer momento. Ou então, podem manifestar-se através de procedimentos indesejáveis, como a fofocas, críticas destrutivas, conversas no corredor, mau humor, má vontade, competição, reclamações mútuas. Ou seja, revelaram a inexistência de um espaço coletivo onde as insatisfações pudessem ser debatidas e superadas.

Por Patricia Gujev


A responsabilidade está direcionada à dedicação do servidor ao trabalho. O chefe imediato de um profissional considerará que solicitar, várias vezes, um mesmo serviço ou mesmo explicar como fazê-lo, como uma falta de interesse ou responsabilidade do profissional perante os trabalhos a serem desenvolvidos dentro de uma empresa. Iniciativa é a habilidade exata que grandes organizações buscam no mercado de trabalho.

As relações interpessoais são necessárias ao profissional e estarão presentes ao longo de sua carreira. Assim, considere sua habilidade em relacionar-se com os colegas, superiores hierárquicos ou terceiros. Se observar que tem dificuldades, procure ajuda ou leia bons livros que tratam sobre o assunto.

Por Patricia Gujev


O profissional inserido no mercado de trabalho está sujeito ao estresse. Não somente pelas constantes vivenciadas no próprio local de trabalho. Outros fatores, como exemplo, transporte diário, questões financeiras, lazer, relacionamentos afetivos, relações familiares, entre outros, afetam o indivíduo acarretando em diminuição de sua produtividade profissional.

A ação exercida pelo mundo que nos rodeia relaciona-se diretamente ao estresse. E quando esta ação passa a interferir, neste caso, no trabalho, o profissional estará propenso a ser um forte candidato a dispensa da empresa.

Assim, é essencial a observância destes fatores para que, além da possibilidade de melhorar a situação que gera o estresse, não afetar uma carreira profissional promissora. Em certos casos existe necessidade de ajuda de profissionais, em outros, o próprio indivíduo poderá ser o agente modificador.

Por Patricia Gujev


Os profissionais quando inseridos no mercado de trabalho desconhecem a preparação necessária quanto suas atitudes numa corporação.

Umas das primeiras atitudes é a clareza na execução de atividades, bem como em seu entendimento de como realizá-las. Tomar decisões e buscar soluções são outras atitudes que diferenciarão o profissional dentro da equipe.

Execute os serviços solicitados com confiança em seu potencial e, nunca demonstre aparências sobre sua capacidade, na dúvida, solicite esclarecimento e deixe sempre visível que precisará de auxílio. Assim, colegas ao seu redor não o verão como arrogante, muito menos aquele folgado que solicita ajuda a todo instante.

Por fim, mostre-se confiante em qualquer situação.

Por Patricia Gujev


Muitas vezes, a pessoa tímida é vista como arrogante ou mal-humorada. Porém, quem é introvertido sabe que o problema está na insegurança diante do julgamento do outro. A pessoa tímida é geralmente observadora, o que amplia as suas chances de dizer coisas interessantes quando resolve se expressar. Veja essas dicas para você se abrir sem medo:

Assuma sua timidez: Seja no trabalho ou entre amigos, isso estimula a solidariedade do grupo e cria um ambiente no qual você passa a sentir confiança para falar.

Procure situações em que precise interagir com outras pessoas: Na academia, faça atividades em grupo, de preferência com musica. Aula de teatro também é uma boa – por mais amedrontador que pareça.

Antes de uma apresentação, ensaie em voz alta: Isso ajuda a encontrar o melhor tom de voz, as palavras (para evitar gaguejar e hesitar) e o que fazer com as mãos.

Por Danielle Batista


Varias empresas usam e abusam de vídeos motivacionais como forma de ajudar no aumento de produtividade de seus empregados e funcionários.

Alguns têm apelo motivacional com base em exemplos de esportistas, outros usam artistas de cinema ou exemplos de grandes empresários.

Vários líderes podem ser citados para conseguir chegar ao emocional de seus empregados e normalmente o rendimento e a entrega aos objetivos propostos acontece de maneira mais fácil, rápida e objetiva.

Os vídeos motivacionais só devem ter uma recomendação, não banalizar sua mostra, afinal as mensagens podem deixar de ser únicas e começarem a ser repetitivas e insossas e sua função deixar de ser efetiva.

Por José Alberi Fortes Junior


Um dos mais comuns motivos para se trabalhar satisfeito citados pelos empregados são as recompensas financeiras e materiais, que muitas vezes são recebidas na forma de gratificações, prêmios e dinheiro.

Mas, a ciência tem revelado por meio de estudos do meio corporativo, que quem tem sua principal motivação baseada em recompensas, não desempenha seu trabalho com melhor qualidade.

Embora a maioria das empresas entenda que quanto mais dinheiro receber o funcionário, mais dedicado ele será, essa idéia parece contradizer o que se pratica hoje no mundo corporativo, pois a visão quantitativa não está de acordo com a visão qualitativa.

Existe distantes diferenças entre motivação intrínseca (que vem de dentro) e motivação extrínseca (que vem de fora).

Quando a motivação é intrínseca, a pessoa demonstra real interesse na atividade e desenvolve alguns atributos como autonomia, propósito e aprimoramento. Essas características fazem a diferença no trabalho no quesito qualidade, e é o que trás os surpreendentes resultados.

Por Zilmara Filisbelo

Fonte: Você S/A

Nunca é bom errar, mas quando isso acontece, se bem aproveitado, pode ser uma grande oportunidade de crescimento e de auto-análise.

Aprender com erros ainda é uma forma comum de consertar as coisas e se preparar para um futuro de provações e desafios.

Analisar os erros alheios e de colegas é uma forma louvável de aprendizado, afinal, é uma prevenção que os erros semelhantes ocorram com você. Transmitir as experiências próprias também é uma forma de aprendizado, afinal para todas as experiências passadas é criada uma discussão de caso, tornando mais fácil uma análise mais impessoal do caso e revendo se as ações tomadas foram as mais corretas.

Portanto se acaso ocorrer um erro ou falha, não se martirize, mas sim procure soluções e conserte o mais rápido possível.

Por José Alberi Fortes Junior.


Quando o funcionário está apresentando sinais de cansaço e desmotivação conversar é o primeiro passo.

Porém o desinteresse pode causar uma queda significativa nos resultados finais desse funcionário. Muitas vezes , quando o trabalho já não é mais o objetivo e nem mais empolgante, é hora de rever os conceitos , analisar os prós e contras e tomar uma atitude.

Exercer as tarefas diárias sem entusiasmo é totalmente prejudicial a empresa e ao próprio funcionário.

Sendo assim, caso a motivação tenha desaparecido e o funcionário não consegue resgatá-la , talvez mudar de ares seja a melhor opção para ambos os lados.

Por José Alberi Fortes Junior.


Conhecer a equipe e suas características particulares é fundamental para um bom líder e consequentemente saber como elaborar campanhas que realmente motive e anime os integrantes.

Saber elaborar campanhas motivacionais não é tão simples quanto parece, pois as individualidades de cada equipe interferem diretamente nos resultados gerados.

Um formato pode funcionar com uma equipe, mas isso não garante que esta campanha funcionará com um grupo diferente, por exemplo, uma linguagem usada com um grupo só de homens adolescentes não funcionará com outro grupo mais mulheres mais velhas.

Sendo assim além de um estudo e planejamento, saber aplicar as campanhas é garantia de sucesso entre a equipe e a chefia.

Por José Alberi Fortes Junior.


Todos querem folgar nos dias festivos, por isso muitas empresas criam campanhas de finais de ano, carnaval entre outras datas, para motivar seus funcionários.

Para quem gosta de ser premiado com folga principalmente nessas datas, basta fazer a diferença e garantir um natal, por exemplo, junto com a família.

A premiação influencia diretamente nos resultados finais, pois além de motivar o funcionário diminui, significativamente, o número de faltas e de atrasos.

Sendo assim saber motivar e mostrar que a empresa  se importa com ele é o grande segredo para uma parceria empresa X funcionário ser bem sucedida.

Por José Alberi Fortes Junior.


O chefe ou líder deve saber canalizar e motivar cada um de seus subordinados, mas normalmente se esquecem que a principal motivação deve partir do próprio indivíduo.

De nada adianta a motivação externa, isso é uma forma de minimizar a situação grave, mas o poder motivador do líder não consegue manter motivada uma equipe inteira muito tempo caso não ocorra uma conscientização e uma paixão do chefiado pelo que faz.

Saber valorizar as pequenas coisas e funções do dia-a-dia poderá facilitar e muito a vontade de crescer e bater metas e atingir os objetivos traçados pela empresa e pela equipe.

Por José Alberi Fortes Junior


Muitas vezes a comodidade afeta o desempenho do funcionário. Conhecendo a empresa, sabendo quais são as “liberdades” aceitas, o funcionário deixa profissionalismo e a ética de lado para dar espaço à falta de entusiasmo, ao desanimo e muitas vezes querem fazer com que o colega fique igual.

Para combater esse “obstáculo” muitos chefes adotam métodos motivacionais, fazem alguma atividade diferenciada e em último caso até demitem alguns colaboradores como forma de exemplo e de alerta para os demais.

Por isso , quando o desanimo e a desmotivação estiver tomando conta procure e seja transparente com a chefia, o trabalho em equipe é a melhor forma de combater um funcionário desmotivado, basta querer.

Por José Alberi Fortes Junior


Quando o funcionário apresenta desmotivação e falta de interesse, muitas vezes a demissão é a melhor saída.

Nem sempre as empresas levam essa opção como alternativa, isso por que muitas vezes, não é a política da empresa.

Mas quando o colaborador está sem empolgação e não demonstra mais o dinamismo para executar suas tarefas a demissão deve ser SIM uma das alternativas.

Trabalhar em outra área, outra empresa, com outras pessoas, outro salário, é uma forma de crescimento profissional, podendo abrir várias portas e melhor deixando aberta as que já estão.

Sendo assim lembre-se demissão não é uma forma de fracasso.

Por José Alberi Fortes Junior


Para cada vaga almejada ou conquistada existe certa empolgação do candidato.

Porém depois de algum tempo na empresa essa empolgação, se não mantida, acaba se tornando inimiga, sendo uma forma de desmotivação poderosa.

Mesmo com anos de empresa existem pessoas que aparentam estar sempre dispostas e empolgadas com suas tarefas diárias. Isso acontece, pois seus chefes as motivam de forma com que elas se sintam importantes para a empresa.

Buscar somente a motivação pessoal é algo difícil de conseguir e mais difícil de manter. Por isso empresas investem em treinamentos motivacionais para funcionários e lideres.

Resultados dependem de desempenho, diferencial, competência e principalmente motivação.

Por José Alberi Fortes Junior


Ainda não há uma resposta única para esse questionamento, afinal diversas pessoas se dão muito bem trabalhando junto com parentes, enquanto outras comumente entram em conflitos e dificilmente deixam o lado pessoal de fora das discussões profissionais.

Para quem consegue separar o lado pessoal e profissional é uma grande oportunidade de trabalhar com alguém que se gosta e com alguém que já conhece, o que facilita o relacionamento e a tomada de decisões.

Porem, quando as decisões são alvos de discussões e estas acarretam disputas pessoais, normalmente as rusgas não ficarão somente no lado profissional, o que deve causar uma série de problemas para a empresa e para a casa.

Por José Alberi Fortes Junior


O emprego é singular na rotina de qualquer pessoa. Porém, existem outras partes importantes dessa rotina que não podem ser deixadas de lado.

O lazer, por exemplo, é fundamental na vida do funcionário, pois além de relaxar este, tem um desenvolvimento significativo no ambiente de trabalho.

Quando o funcionário está de bem consigo mesmo e relaxado, possui um desempenho melhor e tem motivação própria para realizar suas tarefas do dia-a-dia e principalmente do trabalho.

Por tanto, o trabalho é importante, mas precisa ser complementado com a convivência familiar, encontros sociais e principalmente com lazer.

Por José Alberi Fortes Junior


O que leva uma pessoa formada em publicidade atuar na área administrativa? Ou um técnico de informática atuando na área comercial? Necessidade ou ato de coragem?

Algumas mudanças de ares e alteração de rotinas de trabalhos são feitas por pessoas corajosas, que têm perfis dinâmicos e que a graduação ou cursos completados não eram exatamente o que queriam, mas o que a oportunidade permitiu.

Outros, por falta de oportunidades na sua área de formação, optam por empregos em outras áreas para sobreviver. A médio ou longo prazo causa desconforto e muita frustração. Se especializar e manter-se atualizado é uma forma de voltar a atuar no ramo de preferência.

Por José Alberi Fortes Junior


“Todo dia um senhor, antes de trabalhar abraçava uma árvore grande que ficava em frente a sua casa. Abraçava antes de ir ao trabalho, e tornava a abraçá-la quando chegava, antes de entrar em casa.

Isso acontecia todo dia da semana, até que um dia o vizinho pergunta: Qual o motivo destes abraços?

–        No abraço antes de ir ao trabalho, eu deixo os problemas de casa e pego os do trabalho. Quando eu volto pra casa, abraço para deixar os problemas do trabalho e pego de volta os problemas caseiros!”

Isso seria perfeito, porém sabemos que é impossível separar os problemas de casa e do trabalho, então uma transparência com  seus superiores é fundamental para que saiba que indo ao trabalho também terá um apoio e atenção.

Por José Alberi Fortes Junior


Quando o currículo é enviado resta esperar a chamada pela entrevista e pelas etapas que se seguem até a admissão.

Quando o contato telefônico acontece e é agendada a primeira etapa, a ansiedade e a expectativa são grandes. Uma certa preparação é necessária.

Porém, logo na primeira etapa ocorre a dispensa. Mesmo achando que poderia ser aprovado e que seu desempenho não tenha sido tao ruim a ponto de uma eliminação tão prematura.

Caso na hora não receba o feedback, procure saber quais foram os motivos e quais os erros cometidos que levaram ao não sucesso. O importante é não desanimar, saber onde errou e continuar o processo até ser admitido.

Por José Alberi Fortes Junior


Quando o cansaço se abate sobre uma pessoa esta tende a ficar desmotivada e seu rendimento cai assustadoramente.

Uma boa noite de sono, horário de almoço e lanche bem definidas um relaxamento em casa ou simplesmente um bom filme na sala, sem a preocupação de pedir para desligar para ir ao trabalho garante 100% de aproveitamento e uma maior disposição para ajudá-lo.

O foco só é mantido enquanto o colaborador não ficar pensando em descanso, enquanto não ficar pensando quando vai reencontrar a sua cama, ou seja, enquanto ele souber separar as duas tarefas, a profissional e a sua particular.


Muitas pessoas, em certa etapa da vida, se perguntam o por quê disso, o por quê daquilo. Por que começar um curso que talvez nem vá utilizar? Ou estudar algo que nunca mais verei?

Essas questões podem ser respondidas facilmente, pois quem está motivado a qualificar-se está com o sucesso praticamente garantido. Um curso, completar o ensino superior, estudar para concursos que talvez você nem faça são atitudes de uma pessoa motivada a construir uma carreira.

Não temos que ter essa empolgação somente após ingressarmos em uma grande empresa e sim desde nosso colegial, pois é ai que está a base da nossa formação, nessas atitudes construímos ou não nosso caminho para o sucesso. Estar motivado sempre é a chave de tudo.


Confiança no trabalho é fundamental para que uma equipe desenvolva suas tarefas de forma correta, objetiva e eficaz. Quando se tem confiança no trabalho de seu colega, você consegue desenvolver seu potencial da melhor forma possível, pois sabe que não terá que refazer trabalho alheio.

O retrabalho desmotiva de forma absurda o desenrolar das funções. Quando uma das partes não corresponde, a correção deve ser feita, ou dependendo do caso, todo a tarefa deve ser feita novamente.

Para que a equipe funcione de forma harmônica, em sintonia para que funcione como um relógio é necessário que tenhamos inicialmente a confiança.


Estar aberto ao dialogo e a sugestões é fundamental para que a comunicação seja eficiente e objetiva. Clareza e simplicidade na linguagem fazem com que duplos sentidos não aconteçam evitando assim erros e desentendimento.

A comunicação entre chefia e subordinado causa uma eficácia e uma empatia maior, estando aberto a criticas e sugestões, o funcionário sente-se prestigiado e livre para fazê-las, isso tem um poder de motivação incomparável, pois quem pode expressar suas idéias tem a empolgação suficiente e a liberdade para também poder executá-las mostrando assim seu diferencial.

Sendo assim, estar acessível a sugestões e críticas motiva ainda mais os funcionários a participar dos procedimentos e melhorias do ambiente de trabalho.


O principal fator para a desmotivação de um colaborador ou funcionário é uma liderança falha. Falta de incentivo, reconhecimento, atenção entre outros fatores levam ao desânimo individual ou da equipe.

Um chefe orgulhoso, soberbo, antiquado, ignorante e desinformado geram diversos problemas para todos ao seu redor. Quando o chefe não ouve mais críticas e sugestões, não saberá ver os seus defeitos.

O líder antiquado, ignorante e desinformado não consegue ser compreendido e não consegue compreender o que se passa. A figura de uma pessoa retrograda também impede é uma pessoa atrasada, pois hoje todos os sistemas estão se modificando a uma velocidade impressionante.


Antigamente uma forma de motivar era pressionando e criando um clima de cobrança. Até hoje algumas pessoas não valorizam liberdade e um pouco de confiança.

O controle ocorre hoje como forma de não permitir a queda do rendimento, por isso funções que fazem levantamento de dados e de informações não ficam apenas para a medição de desempenho, mas também serve de parâmetro para demissões e punições.

Quando o desempenho cai drasticamente, uma forma de motivar a equipe a trabalhar, mesmo que esse comportamento dure pouco, é causando o famoso “terrorismo”, onde alguém da equipe é demitido, forçando assim os que restaram a produzir, ou serão também dispensados.


O estresse causado pela pressão no trabalho e também no ambiente familiar afeta a qualidade e até mesmo a produtividade do funcionário. Claro que a pressão, problemas familiares e o caos do dia-a-dia contribuem para o aumento de estresse afetando diretamente cada um de formas diferentes.

Contudo, deve-se saber controlá-lo para não interferir diretamente na vida profissional. Viajar, sair com amigos, passear com a família e até mesmo ler um bom livro são ações que levam a mente longe dessa pressão.

Esses  atos certamente aliviam a tensão do dia-a-dia possibilitando assim o profissional não abalar seu potencial.


É difícil julgar quais ações devem merecer elogios e reconhecimento. Parabenizar o funcionário por cumprir sua carga de trabalho de forma assíduo e pontual é valido? Ou seria premiar apenas a obrigação dele?

O reconhecimento publico deve ser pelos diferenciais, pelo algo a mais, não necessariamente pelo cumprimento do dever. Vemos alguns bônus ou gratificações em campanhas motivacionais serem ofertados para quem não falta, não chega atrasado e não sai mais cedo. Estes deveriam ser os parâmetros corretos de premiação?

Um cuidado com as ações e justificativas para criar campanhas de motivação devem ser tomadas para que a empresa não se torne refém de seus próprios atos.


reconhecimento de realizações e conquistas não precisa ser feito somente por gratificações e bonificação financeira. Por vezes um elogio ou um agradecimento em frente aos colegas de trabalho basta para criar uma motivação.

Brindes, doces e folgas são formas baratas de reconhecer e motivar seu colaborador, pequenas ações também servem para criar modelos de comportamento, como por exemplo, elogiar o “Paulo” por ser mais simpático, o “João” por ser o mais pontual, a “Cíntia” por ser a mais engraçada etc.

Sendo assim, a forma de motivação não é tão importante quanto à ação de fazê-lo.


A motivação pessoal é um grande desafio para qualquer profissional, principalmente, depois de um longo período trabalhado na mesma empresa.

A empolgação que se mantém para realizar suas funções é um dos diferenciais para conseguir admiração e ser bem visto pela chefia. Manter-se empolgado ao longo da carreira interfere diretamente nas promoções e no bom relacionamento com os colegas de trabalho.

Mantendo essa animação, além de contagiar todos ao seu redor, o candidato também executa suas tarefas diárias com maior presteza, empolgação, clareza e acima de tudo boa vontade. Portanto relacionar-se bem e manter-se motivado contagia qualquer pessoa.


Exemplos de superação não faltam para nossa avaliação. Um exemplo de pessoa motivada que conseguiu superar as limitações e dificuldades é Silvio Santos. Começou como camelô e hoje é dono de um império.

Conhecedor de várias formas de negociação e de encantar os seus clientes, começou de baixo, sem recursos e, mesmo em dificuldades, nunca desistiu. Hoje possui um público cativo e admiração de todos.

Dono de uma memória e capacidade de efetuar contas matemáticas fantásticas, utilizou este seu talento de negociador em toda a sua carreira e possibilitou a construção de seu legado, que engloba desde financeiras, lojas de departamentos até emissora de TV e rádio.


O exemplo pode motivar um individuo ou uma multidão. Ações ou atitudes positivas podem gerar, como se fosse uma cascata de dominó, exemplos positivos e a partir disso melhorar o dia para todos.

Quando vemos atitudes boas sendo tomadas de forma espontânea, nos sentimos motivados a continuar com essas atitudes e nos transformar em exemplos também.

Um filme retrata muito bem isso: “A Corrente do Bem”, onde um garoto tentando motivar mudanças no mundo começa a fazer o bem de forma espontânea e espera que todos que se beneficiam com a boa ação faça o mesmo, tornando o mundo um lugar melhor.


A literatura que mais cresce no mundo é a de auto-ajuda e textos motivacionais. Isso porque está cada vez mais difícil encontrarmos alegria nas rotinas a que somos submetidos.

Casamento, trabalho, lazer, e hobbies estão cada vez mais reféns do tempo e da falta de dinheiro. Mesmo um passeio com o cachorro é agendado afim de se adaptar ao corrido dia-a-dia.

Isso pode gerar um descontentamento e uma desilusão com a vida, e normalmente é preciso ler algo que faça com que valorizamos as pequenas coisas, que podem passar despercebidas para os mais desatentos.


Motivação é a melhor maneira de romper obstáculos, barreiras e suplantar as expectativas. Quando nos deparamos com “pedras no caminho” temos trés opções: a indiferença, a vontade de vencer ou o desânimo em enfrentar dificuldades.

Quando se age de forma indiferente, normalmente os objetivos somente são alcançados se não necessitam de esforço ou dedicação extra, pois não altera o ritmo de atividade.

Quando se prefere o desânimo, a atitude mais comum é a de culpar alguém pelo problema, não se procuram soluções, e sim desculpas e justificativas. Normalmente este desânimo afeta as outras atividades e por isso comprometo todo um processo.

Já quem prefere agir de maneira motivada, de modo a testar seus limites e vê em obstáculos uma oportunidade de visibilidade e de crescimento, cria soluções, oferece saídas alternativas e gera relacionamentos produtivos.


Saber cobrar o subordinado também é um dos maiores desafios para os grandes líderes, principalmente sem desmotivá-lo. Ser chefe não é uma tarefa fácil, por isso é necessário conhecer o funcionário e saber como se dirigir a ele.

O uso de uma linguagem clara e objetiva, mas não informal, facilita muito as cobranças em ralação as metas e objetivo. Cobrar de forma genérica e impessoal gera descontentamento, perda de foco do funcionário e torna a execução das tarefas um trabalho maçante.

Um bom diálogo e muita transparência bastam para obter a confiança entre as partes, levando a um crescimento mútuo.


Até agora muito se lê sobre as vantagens em estar motivado em trabalhar para uma boa empresa. Porém, caso essa empolgação seja excessiva, pode prejudicá-lo no ambiente de trabalho. Isso por que quando se trabalha além do que se espera a motivação pode ser confundida com “puxa-saquismo”. Além do mais pode desvalorizar a sua hora de trabalho.

Sendo assim, trabalhar além do combinado deve ser recompensado, seja por pagamento de hora extra, seja por descanso através de banco de horas, mas quando isso se torna rotineiro e excessivo corre o risco de se tornar parte da função.


Conhecer os próprios limites é fundamental para o funcionário e para as empresa que pode aprender a “cobrar” cada colaborador individualmente. Desenvolver sua função a 110 % pode ser vantajoso a curto prazo, porém gera estresse, cansaço físico e mental e até mesmo desgaste familiar.

Todos precisamos de um tempo de descanso, tanto para o corpo quanto para a mente. Quando o trabalho é realizado de forma excessiva nos privamos de tais necessidades e alguns até excluem o lazer, a convivência familiar e passeios com amigos do seu tempo para substituir pelo ambiente de trabalho ou para terminar tarefas incompletas.

Organização é a palavra chave!


Empresas especializadas em treinamento de motivação e lideranças utilizam várias técnicas para medir a motivação e organização de cada funcionário em trabalhos de equipe.

Circo, navegação, eco-turismo, paintball ou simplesmente execução de um churrasco são usados como laboratório para que as motivações para situações corriqueiras sejam mensuradas.

Isso auxilia diretorias e departamentos de recursos humanos a avaliar e poder comparar seus colabores. Motivadores e motivados têm desempenho superior e normalmente apresentam um futuro promissor, pois é a imagem que os executivos procuram.


A motivação se torna um fator desanimador para quem não sabe ou não consegue controlá-la. Pois não estar motivado, é não ter animo para continuar a rotina estressante do trabalho, desanimando também quem esta ao seu lado.

Porém ter motivação excessiva é desanimar quando algum objetivo (promoção, aprovação de projeto) não foi alcançado, não tendo entusiasmo para continuar, vendo isso como fracasso.

A dosagem dessa motivação é fundamental na vida profissional e diferente em cada um, cada pessoa deve procurar dentro de si, e se conseguir, motivar o ambiente de trabalho, assim o local de trabalho não se torna rotineiro e sim um desafio a cada dia.





CONTINUE NAVEGANDO: